Avançar para o conteúdo principal

Lisboa e as obras e os "atascos"

Oh sorte malvada! Hoje o dia não podia ter começado pior.

Lady Bébécas acordou naqueles dias em que não queria nada, não queria sair da cama, não queria mudar a fralda, não queria que eu a penteasse...só queria que eu andasse atrás dela a brincar com os balões.

E eu com hora marcada às 09:00h da manhã em pleno centro de Lisboa; adiante. Entre um abrir de olhos mais a sério, um ai ai ai que eu me vou zangar com a minha filha e muita conversa da treta pelo meio lá consegui que a criança ficasse minimamente composta.

Digo minimamente porque mesmo depois de todo o esforço em penteá-la decentemente, ela continuava a parecer uma bruxinha, pois eu virava costas e ela punha o cabelo em perfeito reboliço.

Pegar nas trouxas de cada uma, não houve tempo para pôr creme na cara, nem no corpo e eis que à saída de casa, ela volta a correr vai buscar não sei o quê e vem a blasfemar para eu lhe pôr o chapéu na cabeça.

Em primeiro lugar mandam as regras da etiqueta que chapéu em baixo de telha é falta de educação; ainda que fosse uma capeline, ainda era como o outro, mas o "chapéu" era a touca da natação, ainda por cima de cor azul-cueca!

E eu com pressa, e ela pirosa como só visto.

Bem, saímos...quase a acreditar que estava a chegar a Lisboa, um trânsito infernal na Duarte Pacheco; tudo parado e às tantas oiço dizerem na rádio que o túnel do Marquês estava fechado.
Boa, eram 09:02h e eu parada a assar em frente às Amoreiras.

Cheguei ao meu destino, que distava para aí uns 4 kms já passava das 10:10h - fatal; só me apetecia vociferar. Detesto chegar atrasada a um compromisso.

E então as duas rotundas que eles estão a elaborar muito bem elaboradinhas? Só acredito que aquilo funcione, quando vir, mas uma coisa digo...o aspecto não está famoso, o trânsito está um caco, e a época oficial de férias termina hoje para muito povo; aquilo para a semana deve estar lindo. Lembrem-me para não marcar nada para aqueles lados tão cedo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.