segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Um carinho que caiu bem

O dia do nascimento da minha filha, foi dos mais intensos emocionalmente que vivi até hoje e mesmo que tenha mais filhos algum dia, nada irá suplantar o que senti e vivi naquele dia 4 de Julho de 2010 - e espero de facto não voltar a viver algumas das emoções negativas a que fui sujeita.

A alegria de ver nascer um filho é de facto difícil de descrever pois tem que se sentir e eu senti-a, mas algo que jamais irei esquecer foi o facto de o outro mentor deste projecto nem os parabéns ou uma palavra de apoio me ter dado até hoje face ao nascimento deste elo, que infelizmente temos em comum.

Adoro a minha filha, faço e farei tudo por ela...mas confesso que seria bem mais feliz hoje se a sua herança genética se resumisse a mim e a uma pessoa mais digna, honesta e correcta do que aquela que infelizmente a seu tempo escolhi para seu pai. Mas nessa altura em não sabia, desconhecia-lhe tantas e tantas lacunas e maus defeitos...

Mas, deixando de falar no traste, há dois dias recebi um mimo que soube tão bem...
Um amigo com quem já não falava há uns meses e que há pouco também passou por uma provação na vida, "deu-me" as flores e o beijinho que tanto me fez falta receber há quase 3 meses atrás.

Foi tão bom, reconfortou-me e fez-me sentir tão bem...tão mãe e tão mulher que deu vida e que por isso merece um mimo, um carinho, um beijo, um abraço.

sábado, 25 de setembro de 2010

E lá fomos ao jantar de anos do Zé

Apesar da manhã atribulada, em parte devido a ter sido subtraída do meu terno sono na companhia da minha filhota e uma dor de barriga daquelas antigas, o resto do dia foi muito bem passado por terras do Sado.

Vi barcos que são uma das minhas paixões terrenas, tirei-lhes fotos, olhei o horizonte, admirei a minha filha e tudo isto junto dos que mais amo...

Um fim de tarde simpático, um óptimo jantar e agora o descanso das guerreiras. A Bebécas dorme tranquila - faz-lhe bem o aroma a maresia.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Mealheiro

A tia babada ofereceu-lhe um mealheiro que tinha sido dela e que, por pena de ter que o estragar depois, nunca o utilizou.

E para quê deixar para mais tarde o que se pode fazer agora!? A nossa bébé já está a ganhar hábitos de poupança e a mamã sempre que pode lá põe uma moedinha, para um dia mais tarde termos uma grande surpresa.

O dito mealheiro é grande, portanto temos um longo caminho a percorrer até ao "feliz" dia da sua destruição e aí vai ser uma valente festa.

Até lá, que conste que só lá serão colocadas moedas de 10 cêntimos para cima; não é que sejamos "xenófobas" quanto às moedas de menor valor, mas a encher o mealheiro da bébécas com moedas escuras...nunca mais chegávamos ao nosso objectivo.

Mais um miminho para a filhota

You are Everything...

Último Dia

Hoje foi o último dia; e se há quem diga "nunca digas nunca", neste caso e nestas circunstâncias sei que jamais se repetirá.

Passei os últimos dias com angústia a saber que hoje ia ser o último e chegou mais depressa do que imaginei, embora, dadas mais uma vez as circunstâncias fosse previsível.

Foi de facto a última vez, está feito e não se pode voltar atrás...

É inegável, já me conhece muito bem

Aquele olhar e aquele sorriso não deixam margem para dúvidas. Conhece-me, reconhece-me e, o que eu acho mais engraçado...cheira-me, reconhece-me também pelo cheiro.

Há dias dormia na alcofa em casa de uns amigos, aproximei-me ao longe para avaliar o seu bem-estar, franziu o nariz, abriu um olho e procurou por mim; foi engraçadíssimo.
Recuei para não perturbar o sono do anjo, do meu anjo.

O seu crescimento desenvolve-se a olhos vistos, está harmoniosamente proporcional, graciosa e simpática e acima de tudo com um jeito muito feminino, é um facto que herdou a feminilidade da mãe - esperemos que herde também o carácter.

domingo, 19 de setembro de 2010

A Pérola do Mês

Um indivíduo perde uns óculos de sol e em profundo desespero tenta contactar por quatro vezes uma dada pessoa no espaço de menos de uma hora, a fim de reaver tão ilustre apetrecho.

De notar que para além do apetrecho ter sido oferecido pela pessoa contactada, a pessoa contactada levou com uma valente e vergonhosa traição por parte do mesmo indivíduo que perdeu os ditos óculos.

O indivíduo que perdeu os óculos raras vezes procura saber notícias da sua filha bébé e quando a sua filha bébé ainda estava na barriga da sua mãe, foi a falta de respeito total, por ambas...algo que a todas as pessoas que leram esta tragicomédia grega tiveram a opinião unânime...o ser humano não tem classificação, sendo destituído de carácter, moral e valores.

Tendo em conta o silogismo dedutivo aristotélico a moral da história é a seguinte: são bem mais importantes uns míseros óculos de sol, ainda por cima oferecidos pela traída...do que um filho. É a pérola do mês, inacreditável até mesmo para os mais crentes.

...brevemente numa livraria perto de si!

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

O crescimento é uma constante

E manifesta-se nas roupas que rapidamente deixam de servir e levam à constante ruptura de stocks e consequente substituição e até o estatuto de bébé calçuda se altera a olhos vistos.

Hoje subiu mais um degrau na categoria das fraldas, pois o tamanho anterior já estava muito à justa.

Os sorrisos continuam a ser uma constante e o que mais me enternece é o facto de até isso ainda estar a aprender; então, quando sorri, digamos que me presenteia com o que de melhor tem, abre a boca e emana um brilho que não consigo explicar por palavras tudas as emoções que me faz sentir.

Já se consegue avaliar os traços da sua personalidade, as pessoas com quem mais simpatiza, as vozes que reconhece como suas e até as pessoas que lhe são indiferentes.

Demonstra afecto pelos mais próximos e olha para mim com um olhar tão doce e profundo ao mesmo tempo que me faz dizer-lhe a toda a hora o quão especial é para mim e a vontade imensa que tenho em protegê-la das atrocidades que há por esse mundo fora e que infelizmente por vezes estão mais próximas de nós do que poderiamos pensar.

Tenho a maior riqueza do meu mundo, a qual nada nem ninguém consegue suplantar mas sinto saudades de a ter dentro de mim, o único momento em que foi só minha.

Olho para trás, vejo as fotografias que lhe tiro diariamente e sinto uma saudade imensa dela nos primeiros dias...do dia em que a conheci, um dia muito feliz e muito duro ao mesmo tempo; o dia em que dei à luz uma filha desejada, mas o mesmo dia em que dei à luz esse ser, sozinha, traída, humilhada e mal tratada por quem dela deveria de gostar tanto como eu e que infelizmente a ignora diariamente.

E a vida é isso mesmo, temos os bons, os maus e os vilões...

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Dia de Vacinas

Hoje foi dia de levar a bébé às vacinas, foi a tortura.

Sofreu ela e sofri ainda mais eu. É horrível a dor que sentimos ao saber que o nosso bébé estsva a sofrer.

Chorou como eu nunca tinha visto, sentida e de dor...coitadinha. Se pudesse tinha eu sentido aquela dor, mas infelizmente a vida não é assim.

Depois foi a descompressão, chegá-la ao meu peito, mimá-la sentindo o seu cheirinho suave, dar-lhe todos os beijinhos que ela merece e muito mais.

E assim se vão cumprindo os ritos de passagem da minha filhota e vamos ganhando a nossa cumplicidade com estes pequenos episódios, com estes pequenos nadas do dia-a-dia mas que têm tanto significado.

E assim percorro o meu caminho de mãe, sobretudo o de Mãe dela.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Já revela uma clara tendência

Para chuchar no dedo.

Ohhhh, digamos que se o vício pega...não fica muito bonito.

Primeira visita ao parque

Hoje fomos pela primeira vez ao parque e era admirá-la em comunhão com a natureza e com o ar puro; foi lindo.

Isto sim, são coisas simples da vida e que tanto nos enternecem. Olhar com orgulho para a nossa cria e sentirmos em nós uma força imensa para os fazermos felizes.

O amor cresce cada vez mais.

O dia estava bonito, a missão do momento está quase cumprida e ela cada vez mais linda; pensava que não era possível amar e admirar tanto um ser humano, mas afinal sou capaz de amar mais e mais.

E fotos!? Imensas, para mais tarde recordar!

domingo, 12 de setembro de 2010

2 Meses

A grande paixão da minha vida fez há uma semana 2 meses de vida. Há tanto para dizer acerca dela e nem sei como me exprimir.

Talvez o facto de estar doente me tolde um pouco o vocabulário, mas de todo me tolda os sentimentos, os afectos e as emoções.

Hoje sei que vai ser para mim uma tarefa árdua, que de dia para dia estou a ser posta à prova; começo a sentir na pele o que é ser mãe e pai ao mesmo tempo e sofro ao olhar para ela e saber que da minha força, do meu empenho, da minha dedicação e de todo o meu amor vai depender a sua felicidade.

Apetece-me gritar ao mundo que enquanto um canalha, um pulha, um escroque goza com a primeira ordinária que lhe apareceu, alguém pequenino é privado de uma parte de um amor que não recebeu enquanto era gerada, que não recebeu aquando do seu nascimento e que continua a não receber de dia para dia.

E aí, ainda mais sinto o peso da responsabilidade, responsabilidade essa crescente em proprocionar ao ser humano pequenino que tanto amo tudo o que de melhor eu conseguir...onde vou buscar eu as forças?...não sei...

Mas a certeza que tenho neste momento é que por ela...tudo!

E agora que já sorri para mim, que ao estar noutros colos me olha como que hipnotizada, me reconhece como sua e começa a interagir nas nossas simples brincadeiras, tenho a certeza de que estamos a construir um amor para a vida, uma cumplicidade, ainda que baseada em muito sofrimento.

Reviver o que passou

Ontem eu e a minha bébé fomos visitar quem está prestes a chegar, ainda fizemos uma visita surpresa a quem de nós nunca se esquece e curiosamente nesse contexto encontrei alguém que já não via há anos e que faz parte também daquilo que sou hoje.

Como que por acaso olhei para o lado e vi a minha professora da primária, que me ensinou as primeiras noções de aritmética, cidadania e tantas outras lições. Não a via desde o meu 10º ano de estudo, já que curiosamente voltou a ser minha professora nesse ano, desta feita leccionando a disciplina de História.

É engraçado revermos quem, por um motivo ou outro, jamais esquecemos - sobretudo quem foi para nós uma influência muito positiva.

...e tive todo o gosto em lhe apresentar a minha bébé

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Quando chora

fá-lo a plenos pulmões e já me conseguiu "embaraçar" umas quantas vezes; é que não há ameaças, nem tão pouco preparações prévias...quando é para chorar é mesmo para valer, com os decibéis ao rubro.

Apraz-me que o faça apenas para exprimir a sensação de fome e que quando tal é saciada se torna na bébé linda e simpática que é.

E ontem deu-me um grande presente - a sua primeira gargalhada. Fiquei deliciada e muito feliz por ter partilhado esta novidade com a mamã.

O 1º Balão


Hoje foi um dia animado e no qual revivi alguns momentos da minha vida, não só porque parei em locais onde há anos não ia, como também a recordação de episódios tão banais mas que jamais esqueci.

E entre um episódio e outro, umas comprinhas que fazem sempre bem ao nosso Ego (se não nos mimarmos, quem mimará?), a minha filhota recebeu de presente o seu primeiro balão.

Não é que a bébé já tenha capacidade para apreciar tão cativante entretém, mas eu enquanto Mãe adorei o mimo e passo a registar para memória futura tão ilustre oferenda.

Recordei como eu própria em pequena adorava balões e como tive das maiores desilusões quando um certo dia em pleno Terreiro do Paço e por teimosia minha deixei fugir um balão...e ele voou, voou, voou e não mais o recuperei.

Hoje, com este novo balão para a minha filha, sorri.