quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Devido aos alertas de mau tempo

Recordo que por norma, o dia de Todos os Santos, é um dia triste.

Um feliz Halloween para todos

E quem diria que sou eu com uma "aura" sinistra; medo!!!!!!


Provavelmente

Apenas as iria usar um par de vezes, mas de facto são uma tentação (obrigada SAV por recordares estas coisas).


quarta-feira, 30 de outubro de 2013

E a necessidade de sentir os afectos

Tanto que me pergunta se gosto dela, e de todas as vezes não me canso de dizer que a adoro, mais do que tudo na vida.

E ela volta a perguntar:

 - Muito?

Um dia vai compreender o que é gostar acima de tudo na vida :)
Comi uma batatinha doce que me soube mesmo bem...a Bébécas torceu o nariz e não quis, mas fiquei completamente babada quando a vi no passado fim de semana a comer sardinhas!!!

Se há coisa que eu não consigo de todo comer, são sardinhas; e a menina, a aproveitar o dia à beira-mar, mandou às urtigas todos os outros pratos possíveis e atirou-se às sardinhas - fiquei parva e que bem que lhe souberam.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

...o meu jantar

Quando não apetece nada mais, nada como uma guloseima destas :)


Boneca para a minha Boneca

A avó hoje comprou-lhe esta boneca, mas ela ainda não sabe, shiiiiiuuuuuu!


30 Seconds to Mars dão concerto surpresa no Chiado - Artes - DN

30 Seconds to Mars dão concerto surpresa no Chiado - Artes - DN

....Houston, o que eu perdi :(

domingo, 27 de outubro de 2013

Revenge - 3ª Temporada

Então o nosso Hot Jesus também entra na Revenge!?

Bem, os nossos actores estão a dar cartas lá fora; finalmente!

Robin Thicke - Blurred Lines ft. T.I., Pharrell

Outra das músicas preferidas da minha filha; quer dizer, não valeu de nada a música clássica que ouviu na barriga da mãe e nos primeiros meses de vida...do que ela gosta é disto!

Lou Reed morreu hoje, aos 71 anos - Artes - DN

Lou Reed morreu hoje, aos 71 anos - Artes - DN

Uma perda brutal.

A propósito da pequena "Maria", loira com olhos verdes, que tinha sido raptada, mas ao que parece foi "vendida" pelos pais que são ciganos

Tenho a dizer sobretudo o seguinte:

Continua a saber-se muito pouco acerca dos conceitos de raça e etnicidade, daí pensarem ser impossível um casal cigano ter um filho loiro...já nem vou para os campos da genética. Preconceito mesquinho!

E agora lembrei-me de um pormenor perfeitamente delicioso; a minha filha nasceu com o cabelo liso e manteve-o assim até perto dos 9 meses, altura em que começou a ganhar mais força e volume e a encaracolar gradualmente. Até ficar o cabelo maravilhoso que ela tem hoje que não deixa de ser muito curioso - apesar dos cachos e caracóis completamente definidos, a raiz dela é totalmente lisa - impressionante.

Neste contexto, quando o cabelo começou a ganhar a sua verdadeira forma, o progenitor da minha filha, numa das poucas frases que trocamos perguntou-me se o cabelo dela ia ficar assim, ou "igual" ao meu; ri-me  por dentro, confesso - por pormenores aqui a ali fui percebendo ao longo do tempo que a minha negritude o passou a incomodar, tal como incomoda à família da Galmudas e afins - mas é a vida, a Bébécas existe, e o meu código genético, está lá, e gosto de mim como sou. A beleza física que tanto me fazem crer que tenho (estou prestes a acreditar) deve-se exactamente à minha mistura de raças e à forma equilibrada como acabei por sair, e isso é maravilhoso.

Mas voltando à cena do cabelo da Bébécas, não deixa de ser interessante que um progenitor, até com a possibilidade da filha ter carapinha se incomoda - como as pessoas mudam, ou melhor, como as pessoas vão revelando a sua verdadeira essência ao longo do tempo.

Pois sim, tenho então a dizer que a minha mistura foi tão bem feita, que, na minha farta cabeleira, tanto nascem cabelos lisos, que nunca chegam a frisar, nasce carapinha, nascem cabelos castanhos e loiros - é verdade. Desfriso o cabelo há muitos anos, mas também durante muitos anos usei o meu cabelo curto e estilo Afro e nada me garante que não o volte a fazer; são fases apenas.

Mas não, descansem-se as criaturas com espinhas rácicas enterradas na garganta, que a Bébécas não tem carapinha, mas é só por acaso; e tal como a menina cigana, podia muito bem ser loira e ter olhos azuis; apenas não calhou.

Valha-nos a falta de cultura, até de jornalistas que optaram por dar as primeiras notícias do caso "Maria" da forma como o fizeram.

sábado, 26 de outubro de 2013

O conceito de amizade para os mais pequenos

Com as gentes miúdas, é tudo muito volátil e vivido com uma intensidade completamente diferente do que podemos imaginar se não analisarmos os episódios a frio.

Enquanto impera a idade da inocência, quando se aborrecem sai o típico "não gosto mais de ti", "não sou mais tua amiga" e afins - mas quando a zanga passa, a amizade passa também a ser a melhor do mundo - até um dia.

Noto na Bébécas um sentido de justiça apurado, mas que contesto; se um amigo/a bate noutro/a e esse/a outro/a não se defende, a Bébécas salta de peluche em punho e trata da saúde ao agressor/a.
Faz-me lembrar a Mônica, da turma com o mesmo nome, apenas lhe faltam as favolas salientes.

Tem um amor desmesurado sobretudo por 2 pessoas neste momento, e se sente que alguma delas por algum motivo lhe falha, sente-se; esta semana, quando a fui pôr à fiel depositária perguntou-me para onde é que eu ia, eu disse-lhe que ia trabalhar - com ar de indagação questionou se eu não ia para casa, se não estava de férias; lá lhe expliquei que jamais a deixarei para me dedicar a gozar férias ou seja o que for sem ela também poder usufruir de bons momentos - fez um ar de quem entendeu.

Não via uma das melhores amigas dela, há cerca de 1 mês; pois na última aula de Inglês a C. regressou, mas nós chegámos um pouco atrasadas por motivos alheios à nossa vontade; pois foi-me comentado que a C. não queria ir para a aula sem a Bébécas e começou a chorar....foi uma alegria aquele reencontro.
Mas passados 2 minutos são capazes de se degladiar por um simples lápis de côr.

Confesso que não é preciso analisar muito estas questões para ver que a genuinidade é amiga do respeito, da verdadeira amizade e que é tão bom enquanto se está na idade da inocência.

Curioso também é o facto de, mesmo quando me zango com ela e a faço sentir que estou desiludida, jamais me disse "não gosto de ti" - muito pelo contrário, continua a reforçar que gosta muito de mim e que se vai portar bem.

Sei que não, alguns disparates fazem parte da nossa existência, mas gostava tanto que ela integrasse na personalidade dela os valores que considero básicos e que mais prezo.



...passei pela Zilian e estavam lá uns botins tão giros e fora do vulgar - vou andar a sonhar com eles nos próximos tempos :(

É linda a nossa estação do Rossio


sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Quando lhe digo

Que estou zangada por se ter portado mal, ou que não gosto dela assim modo diabrete, faz beicinho, chora e a soluçar diz:

 - Mamã, mas eu góto de ti...muito; eu não faço mais dipeiátes!

E está numa fase em que faz uma grande resistência em partilhar-me com o resto do mundo - ela ainda não percebeu que para ela, serei sempre exclusiva, mas com o avançar dos anos, vai perceber. Mesmo quando chegar o dia de ganhar asas e voar pelos seus meios, a exclusividade dela é e sempre será inquestionável.
As coisas que uma pessoa fica a saber...isto anda mesmo tudo ao contrário - volta Zeus, que estás perdoado!
Esta dorzita hoje está a tornar-se incomodativa; ontem era do lado esquerdo, e comecei a preparar-me psicologicamente para me ver livre daquele apêndice que se chama Apêndice; mas agora uma dor semelhante, mas do lado direito, todo o santo dia presente.

De manhã a dor de cabeça lancinante; for God Sake, mas hoje é o dia da dor??

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Mas que dilúvio aqui para os lados da Linha!

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

...e os bonecos também ficam todos em fila indiana, porque tal como a dona deles, precisam de soro no nariz.

O pequeno baby George

É um fofinho, como todos os bebés por esse mundo fora, já fez o seu primeiro sacramento, estava muito bonito e a mamã dele, para não variar, também; sempre bem esta Duquesa.


Este senhor...grande Senhor...


Liliane Marise - Eu quero uma Mala Chique

E aqui está, dedicado à minha filhota; só me falta levá-la à FIC!

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Vinhamos no carro a ouvir Coldplay e a Bébécas do seu trono informa-me que não gosta daquela música; perguntei-lhe qual queria ouvir e ela prontamente:

 - A mala CHI!

Aqui não se vêem novelas, mas a rapariga continua vidrada na Liliane Marise!


Bem, já que gostas, diz bem as coisas - "eu quero uma mala chique".

Mas ela confirma que a mala é CHI!

Infelizmente essa música no carro não tocou, tive que a pôr a ouvi-la aqui em casa no computador; e o que ela vibra com a Liliane Marise. As miúdas são mesmo pirosas!

A desarrumação impera por aqui

Doentes desde há 3 dias para cá, mãe e filha, e o resultado é uma grande confusão, não arrumei nada nestes últimos dias e está tudo muito desorganizado.

A pequena aproveita-se de umas coisas e abusa, e eu com a febre com que andei confesso que não tinha forças sequer para nada, e as coisas rapidamente se acumulam.

Aproveitei ter chegado a casa sem febre e lá tive que me mexer; ela ia olhando e devia estar a dar graças por não a ter mandado arrumar nada, mas dei-lhe mais um dia por convalescença e amanhã acabou-se a baixa por doença.

As sandalinhas dela ainda estavam por aqui, lá as guardei na caixinha e já cheia de saudades; para o ano já não lhe servem, outras virão, mas à medida que vou guardando as peças de que mais gosto, fico também com saudades das fases dela que vão passando.

É um terror....ahahahahah

Eu tenho um colega muito engraçado; e como anda sempre a ouvir os episódios engraçados da Bébécas, chama-lhe de "Pequeno Demo".

No outro dia, ao ver uma moldura com uma fotografia dela na minha secretária, resolveu fazer uma pequena surpresa - colocar ao lado uma fotografia da Linda Blair - aliás Regan Mcneil, completamente desaustinada.

Olhar para aquilo e para a minha Bébécas....ahahahahah, a Regan Mcneil quando estava sossegadinha era bem mais calma do que a minha pequenita a dormir.

Ahahahahah

E o que ela gosta de soro fisiológico

Bem, também começou logo na maternidade a confraternizar com o soro; a miúda nas primeiras horas de vida só espirrava, lá pedi à enfermeira um bocadinho de soro, pus-lhe no nariz e parou - resultou.

A enfermeira dizia que era normal, mas cá para mim a miúda estava alérgica à vida extra-uterina.

Pois que quando vêm as gripes e constipações, é vê-la pôr a cabecita a jeito para mais uma bisnagada de soro, e quando lhe chega à boca, lambe-se toda com o sabor salgado daquilo.

Aí somos distintas; ainda hoje, tudo o que seja gotas no nariz, comigo não funciona, de todo. Para ela, é melhor do que lhe darem um doce.
Depois de uma noite péssima (devida à minha grande gripe), pelo facto de não ter dormido nada, febre, vómitos, dores em todo o corpo, nariz a pingar e ao mesmo tempo entupido, a Sra. D. Lady Bébécas decidiu acordar aos gritos e com mau feitio; eu nem os olhos conseguia abrir, tal não era a dor de cabeça e ela desata nuns ataques de raiva que mais me enervaram.

Lá contei até 100 em chinês, peguei-lhe ao colo, dei-lhe uns beijinhos e a pequena fera acalmou; é incrível que quando mais nós estamos a precisar de silêncio, mais as nossas crianças fazem barulho, entram em auto-gestão e testam a paciência de um santo.

Depois não queria sair de casa - tudo bem, não sais, ficas sozinha, depois não tens ninguém que trate de ti, que te dê o almoço, porque a mamã apesar de estar doentíssima, tem mesmo que ir trabalhar.

"Buááááááááááá, eu quélo ir contido!"

Depois queria as galochas; escusado será dizer que com gripe, as galochas não funcionam, lá entendeu a minha ideia.

Numa fracção de segundos, do mau feitio, passou ao ser mais dócil do mundo, e lá fomos nós...

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

E vieram estes Wayfarer


Por mim tinha trazido todos, mas a vida é feita de escolhas e vieram os azuis. A Bébécas ainda disse que a mamã também ficava bem com os rosa, mas estes, encheram-me o olho - finalmente os meus Wayfarer :)

Ok, vamos ter uma semana chuvosa e tal...pontaria!
A minha pequenita não piorou, valha-nos isso, mas eu estou bem pior; nem sei como aguentei este dia de um lado para o outro, sem parar e tanta coisa para tratar.

Estou de rastos, cheia de febre, consegui comer um pão de leite com queijo, ainda tive que "levar" com o trânsito na 2ª Circular, que, para fazer das Torres de Lisboa até ao Campo Grande demorei mais que de Oeiras, até ali, parando no apeadeiro para ir buscar a Bébécas.

....e depois olha, cometi uma pequena, pequenina loucurita :), com a sempre sincera e honesta aprovação da minha It Girl Bébécas Tinkerbell.
A minha pimpolha já se queixa com o nariz meio ferido de tanto assoar, coitadinha.

Ossos do ofício, mas tem que ser; o meu também já mudou de cor, e lá seguimos com espirros, dores no corpo, ela com tosse, eu ainda não, mas ela pelo menos ao momento um pouco melhor do que eu.

Fruto do tempo, avante, para a frente é que é caminho.

domingo, 20 de outubro de 2013

Desta vez foi ela que me pegou

E estamos as duas de molho; uma noite que para mim foi um tormento, a minha Bébécas cheia de tosse e espasmos, choro de pura irritabilidade, lá foi para a minha cama, e acabei por conseguir que dormisse um pouco, na posição preferida de quando era recém-nascida, exactamente em cima de mim - é curioso como estas memórias ficam nas crianças.

E eu lá ia medindo a temperatura, leite para aquik, xarope para ali, Brufen para acolá - quando começo a sentir umas dores no corpo que não deixaram margem para dúvidas, portanto, também já estou convidada.

Não sei se é pior ser esta semana, ou na próxima, mas enfim, a primeira constipação para mim deste Outono.

sábado, 19 de outubro de 2013

Filadélfia

Grande filme no AXN White.

Manhã no Parque dos Poetas

E lá fomos nós passar bons momentos, desta vez no Parque dos Poetas:







Diogo Infante casou-se com o seu empresário - dn - DN

Diogo Infante casou-se com o seu empresário - dn - DN

Ora aqui está uma má notícia! Um homem destes passou para o clube dos casados e as dúvidas dissiparam-se completamente :(

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Advogado Arrobas da Silva condenado por burla - Portugal - DN

Advogado Arrobas da Silva condenado por burla - Portugal - DN

Nos melhores panos cai a nódoa; devia ser um bom defensor para os burlões deste país provavelmente.

18/10 - 03:41AM

Para já comemoro o facto de que na madrugada de anteontem, dormiu o sono dos justos e só acordou já eu estava despachada, mas quis hoje que a sua previsibilidade voltasse ao seu melhor.

 - Mamã, quero fazê cócó!!!!

Isto às 03:41h da madrugada.

Eu nem sei como é que me levanto e não vou aos trambolhões, mas lá cheguei, comecei a tirar-lhe a fralda e o dito já tinha saído e não era pequeno; pego na cria, levo-a até ao bidé, lavo-a, quando já está toda limpinha diz-me assim:

 - Mas eu quélo fazê maich!

Oh valha-me S. Miguel Arcanjo, mas não sabias dizer logo!?
Coloquei-a na retrete e afinal quis ir para o penico dela, lá foi, lá voltou para o bidé, a coisa ficou composta.

Depois o leitinho da praxe e boa noite, até já!

...uma vergonha é o facto de há mais de uma semana eu não pôr os meus glúteos e não só no ginásio.

Estou que nem posso

Que correria hoje!

O estilo

Esta minha filha não existe; ao rever episódios do último verão, não posso deixar de sorrir, umas vezes enternecida, outras divertida...tem uma graça...


O olhar especialmente nesta fotografia é misterioso/matreiro, mas a avaliar pela pose, é só tirar as devidas conclusões.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Estando ela a portar-se mal e eu farta de avisar

Saio-me com um:

 - Estás a ser muito feia!

Ao que ela contesta:

 - Não sou não; sou linda. A minha avó diz que eu sou MUITO LINDA!

Chega uma pessoa aos 35 anos e muitos para ouvir este tipo de resposta; o mundo está doido.


É terapêutico, tenho dito

Ah e tal não havia o jumpsuit é novo, ah e tal a sai das riscas também não, e os calção-saia ou vice-versa idem; isto está mau, uma pessoa tem que estabelecer prioridades, quero ir a Macau, vem aí o Natal e isto e aquilo, mas uma pessoa fica que nem pode e não aguenta e são mais uns sapatos pretos, mas uma pessoa faz muitos quilómetros e não estou com sentimentos de culpa, estou apaixonada pelos meus brinquedos novos:


E este aqui para a mamã é qualquer coisa de espectacular


Mais um estudo acerca do tema do segundo idioma na primeira infância

Segunda língua mais fácil antes dos 4 anos

alt
Cientistas britânicos e americanos descobriram que é mais fácil para as crianças aprenderem uma segunda língua entre os dois e os quatro anos de idade.
Através de exames ao cérebro de 108 crianças com desenvolvimento cerebral normal, e com idades entre um e seis anos, os investigadores do Kings College em Londres, e da Brown University em Rhode Island perceberam que influências exteriores têm um maior impacto antes dos quatro anos de idade, quando as ligações entre os neurónios se desenvolvem para processar novas palavras.
Eles usaram exames cerebrais para estudar a mielina – substância responsável por proteger o circuito neural, que se desenvolve desde o nascimento. Para surpresa dos especialistas, os testes indicaram que a distribuição da mielina é fixada a partir dos quatro anos, o que sugere que o cérebro é mais plástico nos primeiros anos de vida.
Jonathan O'Muircheartaigh, da Kings College, que liderou o estudo, disse à BBC: "Uma vez que o nosso trabalho parece indicar que os circuitos do cérebro associados com a linguagem são mais flexíveis antes dos quatro anos de idade, a intervenção em crianças com atraso na execução da linguagem deve ser iniciada antes dessa idade crítica."
in Pais & Filhos

A marca


Estava eu a preparar-me para arrumar a roupa da Bébécas no quarto dela e deparo-me com esta marca no chão, a marca do "crime"; mas o que é que ela andou a fazer que decidiu deixar esta super impressão manual à entrada do quarto!?

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Irresistível


Feminino, um mimo - vamos ver se o pormenor da gola amovível vai resultar - faz-me lembrar alguns vestidos que tive com a idade que ela tem agora; já esteve a espiolhar e disse que é muito bonito :)

16/10 - 04:11AM

Aí está a causa para mais uns cabelos que resolveram alourar instantaneamente e sem eu saber porquê e outros tantos brancos.

Queria apenas mimo, pegou nas tralhas do ÓÓ e agarrou-se ao meu pescoço; uma hora depois queria leite; e outra hora depois queria ver o Mickey.

Esta noite, sê amiga da mamã meu amor, dorme a noitinha toda, please!

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Entrámos na fase da observação/conclusão

Tanto que me lembrei de Claude Lévi-Strauss hoje com a saída da minha filha.

Estava eu a acabar de colocar os cintos na cadeirinha dela, passam pelo carro dois indivíduos negros e instantaneamente comenta a Lady Bébécas:

 - "Mamã, aquele xinhôli não é banco!"

Pois, lá lhe disse que de facto não, mas se ela olhasse para mim própria, eu também não o sou...
Seguiu-se um pequeno silêncio e eis que:

 - "Não mamã, o xinhôli não é banco, não vês, a mamã é!"

Continuei até a dar exemplos de pessoas que passavam que eram bem mais claras do que eu, mas o que ela reteve foi que o tom de pele do senhor era bem mais escuro; lancei-lhe o desafio de compararmos com a avó, tia, avô, os amigos, primos - que todas as pessoas têm um tom de pele diferente, mas que o mais importante, é que isso não interessa nada; o que interessa é que as pessoas sejam boas e não façam disparates.

Resposta dela:

 - "Pois mamã!"

Creio que durante os próximos tempos este tema não deixa margem para dúvidas.
Mayoral já tem loja online - que máximo!

15/10 - 06:25AM

"Mamããããããããããããããããã, tapa-me!"

Lá a fui aconchegar, obviamente aos tropeções; quando estava prestes a adormecer mais um bocadinho:

"Mamãããããããããããããã, a Naínhas!"

E cá estou eu novamente com os sonos interrompidos :)

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

14/10 - 05:40AM

Estava eu para aí no meu 3º sono, aconchegada na minha caminha e um choro de bebé desperta-me - quem a ouvir chorar a meio da noite e caso não saiba, pensa que se trata de um bebé pequeno; ainda mantém aquele soluçar característico.

Mas logo o soluçar deu lugar ao "mamãããããããããããããã"; de trambolhão em trambolhão, um pouco de embalo e 1 biberon de leite depois....."mamã, qué ôto bibéion"; lá mamou outro, voltou-se para o outro lado, e dormiu.

...eu é que já não.

E o que eu descobri ontem # As Maravilhosas Cidades do Ouro # Canal Panda

Já mesmo no final da noite, andava eu a programar a box para me gravar os programas de eleição para mãe e filha (as minhas séries e filmes da semana/ alguns episódios do Mickey e Doutora Brinquedos) quando, sem querer, passei pelo canal Panda e vi que hoje de manhã iam começar a exibir As Maravilhosas Cidades do Ouro.

Lá está, o meu lado infantil a vir ao de cima, até vibrei - confesso que entre aqueles desenhos animados e uma fatia do melhor bolo de chocolate do mundo, não sei para que lado penderei.

Está a gravar, vou matar saudades :)

Apaixonei-me por uma casa!

Linda, maravilhosa, com todos os detalhes de que eu gosto.

A casa que tenho neste momento, à qual chamo de meu pequeno palácio, foi um investimento em que aliei a relação qualidade/preço, na altura solteira e boa rapariga, mas que me desse algum espaço de manobra caso a família aumentasse.

E tem servido o seu propósito; tem lareira que é algo de que gosto muito, o chão poderia muito bem ser em soalho flutuante, mas são mosaicos - enfim, não se pode ter tudo. Adoro o meu hall com tecto falso em madeira, enfim, como digo, tem detalhes de que gosto e aos poucos vou investindo em decoração, sobretudo no quarto da Bébécas e está a ficar tudo um encanto.

Mas vi há pouco uma casa que me preencheu; linda, com espaço, um jardim maravilhoso, áreas amplas, linda, linda, linda - ok, ficava-me, bem feitas as contas em 1450€ por mês - portanto, vou continuar a sonhar :)

domingo, 13 de outubro de 2013

Kane - Let it be (Live @ Java Eiland)

Hoje estou totalmente Kane :)

Kane - Damn Those Eyes

Conheci esta banda através do meu amigo Mané já há muitos anos atrás e estou aqui a lembrar-me de uma viagem que fizemos com um grupo fantástico por alguns países da Europa e este grupo, a par dos Cure sempre presente.

Esta música podia ter sido a banda sonora do Mané e de uma grande amiga nossa VC, mas não foi, ou até foi - nunca percebi porque é que aquilo nunca deu frutos, acho que nem eles.

Cada um seguiu o seu caminho, não tenho que comentar que cada um estará ou não feliz no caminho que escolheu (sua safada, estás em Honolulu e eu aqui!), mas hoje apeteceu-me adoptar os Kane para mim e esta música em especial - é linda de facto - tiveste bom gosto ao dedicá-la à nossa menina Mané.


A minha cria deu-me uma semana particularmente difícil

Teimosa, rezingona, chatinha mesmo - por vontade dela, nem trabalhar podia ir, porque a totalidade do meu tempo teria que ser reservado para ela.

Mas isto cansa, cansa, porque tenho que a fazer entender que eu também durmo, como, tomo banho, trabalho, fico doente, tenho dias "não" e temos que dividir o mal pelas aldeias.

Mas eu creio que se trata de uma manifestação geral - a mãe está sempre perfeita e maravilhosa e tem até tempo para ir procurar a chucha rosa, porque a branca hoje não interessa; buscas a "Nainhas" grande, porque a substituta está ali mesmo ao lado mas não serve; os ténis de lona estão a secar, mas se a mãe soprar com força eles ficam logo secos e dá para os calçar daí a 10 minutos; faz a trança mas logo a desfaz porque afinal os caracóis hoje são muito mais giros, etc, etc, etc.

....mas vê-la neste momento a dormir, com um ar tão sereno e feliz faz-me concluir que mesmo os dias mais cansativos, valem a pena.


sábado, 12 de outubro de 2013

A birra do momento

Emburricou que quer Chocapic em plena hora de almoço, e repete, repete, repete, grita, esperneia....estou a ignorar, agora quer que olhe para ela - enfim...vai ter que se cansar.

'Estripador de Lisboa' está vivo e mora perto de um dos locais dos crimes - Sociedade - Sol

'Estripador de Lisboa' está vivo e mora perto de um dos locais dos crimes - Sociedade - Sol

Isto é mesmo muito interessante e para além de todas as conclusões do Barra da Costa só fico passada com o estado da Justiça no nosso país - o crime prescreveu, logo, mesmo que se descubra o verdadeiro culpado, não pode pagar pelo que fez.

Não é a socióloga a falar, mas podia muito bem ser, mas aqui sou mesmo eu - crime cometido jamais deveria prescrever - o criminoso tem que pagar por aquele que fez, tem que ser punido.

Esta semana sucederam-se as noites mal dormidas

Sem explicação, esta semana teve algumas perturbações no sono aqui para os nossos lados; acordou a chorar quase todos os dias, a chamar-me, lá fui dar-lhe conforto e, como diz a música do Rui Veloso, companhia.

Esta noite lá carreguei com ela para a minha cama para se tranquilizar, e acaba por resultar. Durmo torcina, mas ela acalma.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Disse, há muitos anos atrás Flaubert

"Ser estúpido, egoista e ter boa saúde, eis as condições ideais para se ser feliz. Mas se a primeira vos falta, tudo está perdido."

Numa resenha que escrevi há uns tempos acerca do conceito de felicidade não abordei esta analogia que, pensando bem, encaixa na perfeição. Mas há que explorar os verbos ser e fazer (no sentido, fazer-se de estúpido).

Porque quando queremos fazer-nos passar por estúpidos, em que a carinha de parvo/a e o sorriso cínico tanto ajudam, também reunimos condições para sentir uma felicidade, ainda que momentânea.

Fica a reflexão.

Ao ver mais um episódio da Doutora Brinquedos

Diz-me assim:

 - Mamã, tu também és uma Dra.!

Ao que lhe respondi com um lacónico - naaaa, onde foste tirar essa ideia.

 - A Sra. disse a ti Doutora, eu ouvi!

O que estas crianças fixam. Lá lhe disse que não sou nada disso que ela pensa, mas para ela os doutores fazem todos o mesmo.

Taxa audiovisual vai aumentar para financiar RTP - JN

Taxa audiovisual vai aumentar para financiar RTP - JN

Isto é cada vez mais surreal!

Os métodos mais naturais para aprender novos idiomas na primeira infância


alt
Aprender uma segunda língua nos primeiros anos de vida pode ser uma opção muito compensadora. O bilinguismo estimula a inteligência, a criatividade e é um passo à frente para competir no mercado de trabalho. Há ainda quem acredite que falar dois ou mais idiomas mantém o cérebro em forma e reforça a função mental.

Rafael ainda não fala. Dá uns passinhos inseguros e às vezes desequilibra-se e cai de rabo no chão. Aos 17 meses, os pais decidiram levá-lo à primeira aula de inglês. É apenas uma aula experimental. Carla e Rui ouviram falar do ensino de línguas para crianças a partir dos três meses e quiseram saber mais. Só não esperavam que a aula da professora Bruna fosse uma lição também para eles. Os três estão sentados no chão, descalços e atentos à professora, que exemplifica todos os exercícios com uma boneca de pano. “É a minha bebé”, diz.
Todas as tarefas são acompanhadas por uma coreografia simples e uma canção alegre. “Isto também acaba por ser uma aula de ginástica para os pais”, diz Bruna Adónis, como um sorriso. “Up. Down. Turn around.” (Cima. Baixo. À volta.) A professora canta, bate palmas e vai repetindo “very good” (muito bem). O Rafael está divertido nas mãos do pai que o levanta e baixa ao ritmo da música. Nos centros de ensino de inglês Helen Doron, os pais estão presentes nas aulas até aos três anos e, mesmo a partir dessa idade, se os filhos forem muito ansiosos, podem continuar a acompanhá-los.
O próximo exercício tem como objetivo a estimulação pelo toque. “À medida que vamos tocando nos bebés, de uma forma ritmada, os seus neurónios também se estão a desenvolver”, explica Bruna Adónis. É entre os zero e os seis anos que a produção de neurónios tem a sua “fase de ouro”: nessas idades, o desenvolvimento cerebral é mais intenso e os neurónios são mais propensos à receção a estímulos do ambiente. A professora e os pais cantam enquanto apontam o nariz, os ombros, os joelhos e os pés do bebé, repetindo os nomes de cada parte do corpo em inglês.
Quando os pais estão muito focados em conseguir que o seu bebé pronuncie as primeiras palavras, não pensam noutra coisa. O que muitos não sabem é que o momento ideal para introduzir a aprendizagem de uma língua estrangeira é, na verdade, quando a criança está a aprender a primeira, porque, quando somos mais novos, o cérebro aprende qualquer idioma naturalmente e absorve vários sotaques sem dificuldade. O ensino bilingue nos primeiros anos de vida permite não só que as crianças aprendam mais rápido e retenham melhor, mas ajuda também a fortalecer as suas capacidades intelectuais. Aprender que um objeto pode ser descrito de mais do que uma forma e por mais do que uma palavra estimula a flexibilidade do pensamento e, acima de tudo, a criatividade. Os linguistas dizem que não existe um limite para os sons que o ser humano consegue aprender e que as crianças têm uma capacidade inata para distinguir os vários idiomas.
Ao contrário do que se poderia pensar, em vez de instalar a confusão linguística, o bilinguismo melhora o funcionamento do cérebro e o modo como o sistema nervoso reage aos sons. Essa foi aliás a conclusão de uma investigação, realizada por um psicólogo da Universidade Penn State (Estados Unidos), que sugere que falar mais de um idioma mantém o cérebro em forma e reforça a função mental. Outro estudo da Universidade de York (Canadá) sustenta que pessoas bilingues podem retardar o desenvolvimento de Alzheimer e que as crianças que falam de forma fluente mais do que uma língua são melhores a organizar tarefas.
Carla, como muitos pais, percebeu como é importante educar uma criança para ser cidadã do mundo globalizado em que vivemos. “O inglês é preciso para tudo e em qualquer emprego”, diz, certa de que esta será “uma mais-valia” para o futuro do seu filho.
A melhor forma de ensinar uma segunda língua a uma criança é imergindo-a nesse idioma. Se tiver a sorte de pertencer a uma família bilingue, os pais não devem perder a oportunidade de forçar o diálogo nas suas línguas maternas. Se não for esse o caso, a alternativa é inscrever as crianças numa escola de línguas ou num colégio de ensino bilingue.

Dinâmico e divertido
Ana Cruz tem três filhas, todas elas a aprender inglês no centro Helen Doron localizado na Alta de Lisboa. A Rita, com dois anos, foi a última a entrar, só começou a ter as primeiras aulas este ano. A mãe, que é professora, sabe que as crianças têm alguma “resistência” às línguas quando são ensinadas no “regime normal”. Foi por isso que quis que as suas filhas associassem de alguma forma a aprendizagem de uma nova língua a um conceito dinâmico e divertido. “Começam por aprender mais vocabulário, associado a jogos e a canções, e menos de conversação, porque são muito pequenas”, conta Ana, convicta de que, a partir daqui, a aprendizagem na escola será “muito mais fácil”. Em casa, a mãe já surpreendeu várias vezes as filhas a referirem-se aos talheres e aos alimentos em inglês.
“Acredito muito numa sociedade global e o meu objetivo para elas, se é que os pais têm alguma mão nisso, é que alarguem os horizontes, que estudem fora, trabalhem fora”, diz Ana Cruz. Afinal, num mundo é global, o melhor que os pais podem dar aos seus filhos é a preparação para vingarem neste novo cenário.
Miguel leva a filha às aulas desde os três meses. No fim do primeiro semestre de aulas, a Maria Miguel já dizia várias palavras em inglês. “Ainda hoje, a minha filha diz bellybutton, em vez de umbigo”, conta o pai. Este ano, a aprender inglês na escola pública, Maria Miguel, agora com cinco anos, leva “uma bagagem” que pode fez a diferença em relação ao ritmo de aprendizagem dos seus colegas de turma.
Apesar da crise, os pais apostam cada vez mais neste tipo de atividade, constata Mariana Torres, responsável pelo master franchise destes centros que têm mais de 2.500 crianças inscritas em Portugal. “Por um lado, temos pais a irem viver para países como o Dubai e a precisarem que os filhos levem bases de inglês suficientes para poderem entrar na escola internacional. No ano passado, já tivemos muitas crianças nesta situação, por isso, acabamos por fazer um ensino muito intensivo com elas”, recorda. Mas, “mesmo os que não estejam a pensar emigrar para já, vêm o futuro tão negro que querem investir na educação dos filhos, para lhes darem mais ferramentas para o futuro”, continua. Outros, com o orçamento familiar reduzido, abdicaram do ensino privado onde tinham os seus filhos para os colocarem numa escola pública e, agora, procuram atividades extracurriculares para compensar essa opção.
Se o inglês é o idioma estrangeiro mais comum nas escolas, também é verdade que a generalização do seu ensino fez com que seja cada vez menos um fator diferenciador. Bem menos convencionais são as aulas de mandarim para crianças, que começam a surgir e captar o interesse das famílias. Não é preciso ter uma bola de cristal para adivinhar que a língua falada no maior país do mundo vai ter uma grande utilidade no futuro, está escrito em todas as previsões económicas.
 Por aquisição
No início deste ano letivo, o colégio Saint Daniel Brottier, em Lisboa, iniciou uma experiência-piloto de ensino extracurricular de mandarim a uma turma de 17 crianças. Para desmitificar a complexidade da língua, a professora Chang Munton conta que, nas primeiras aulas, o tempo foi passado a brincar: “Ouvimos muita música, cantamos e, no meio da brincadeira e da diversão, eles vão aprendendo sem se aperceberem disso”. Em coro, repetem os números de um a dez – yi, er, san, si, wu, liu, qi, ba, jiu, shi – e já sabem o nome de algumas partes do corpo. A professora, estreante no ensino a crianças com cinco e seis anos, garante que os mais novos aprendem de forma diferente dos adultos: “Não têm preocupações com regras fonéticas e gramaticais, nem com explicações sobre a origem das palavras. O adulto pode aprender mais numa hora, mas tem mais dificuldade em reter, porque está muito preocupado em fixar e memorizar a parte fonética, que no chinês é muito complexa”.
A melhor forma de aprender uma nova língua é “por aquisição”, ou seja, desenvolvendo habilidades funcionais através de assimilação natural, intuitiva e inconsciente em interação. Exatamente como as crianças fazem. Ao contrário, os adultos fazem-no “por aprendizagem”, recebendo e acumulando informação e transformando-a em conhecimento. Esta teoria explica por que motivo as crianças partem em vantagem nesta matéria.
Nos 45 minutos semanais da aula da professora Munton, também se fala da cultura chinesa, fazem-se as primeiras tentativas de escrita e “é uma vitória muito grande quando os alunos conseguem fazer um caracter todo certo”. Numa língua com uma estrutura completamente diferente da portuguesa, são precisos, pelo menos, três anos para ter competências mínimas de conversação. “No mandarim não existe um alfabeto como no ocidente, em que juntamos letras para formar palavras. Um caracter pode significar uma palavra, tal como dois caracteres juntos. Só se as conhecermos percebemos o seu significado, enquanto no ocidente conseguimos ler qualquer palavra mesmo sem termos ideia nenhuma do que quer dizer”, explica a professora no seu português perfeito.
O Colégio Saint Daniel Brottier não oferece ensino bilingue, mas todos os alunos a partir dos três anos frequentam aulas de inglês. O objetivo é formar cidadão para uma sociedade globalizada. “A língua estrangeira abre novos horizontes à criança, ao ser veículo de cultura, modos de vida, de pensar e de semear a curiosidade”, explica Ana Lé de Matos, diretora da instituição.

De forma natural
Para os pais que optam por dar uma educação bilingue plena aos seus filhos, há várias propostas de ensino: as escolas em que a segunda língua acompanha as crianças desde o berçário, mantendo contudo o foco no português e aquelas em que há uma total imersão da criança no segundo idioma.
No Colégio Europeu Astória, por exemplo, o ensino bilingue é desenvolvido diariamente, desde os quatro meses, através da interligação do português com o inglês. “Na creche, a compreensão da língua é estimulada quando se fala com o bebé em inglês nos momentos da sua rotina diária: alimentação, brincadeira, hora de adormecer com lullabies e também através da descoberta de vários brinquedos na sala que promovem a aprendizagem sensorial e visual em conjunto com a linguística”, explica Ana Paula Oliveira, diretora da instituição. Já no primeiro ciclo, é na língua de “sua majestade” que as crianças adquirem conhecimentos de literatura infantil, artes, música e literacia matemática. Neste colégio, que promove o intercâmbio das crianças através de programas com Erasmus, Leonardo Da Vinci e Comenius, os alunos chegam ao quarto ano com conhecimentos que lhes permitem conversar em português, inglês e alemão.
Por fim, é importante não esquecer que os pais são fundamentais para o sucesso de uma educação bilingue. Os pais podem recorrer a diversas ferramentas para incentivar e estimular a aprendizagem da segunda língua. Ler histórias infantis, ouvir músicas e utilizar viagens, jogos e brincadeiras para expor a criança ao novo idioma. Mas atenção: tudo isso deve ser feito de forma natural, tranquila e estimulante. A pressão sobre a criança pode gerar ansiedade e acaba por ser prejudicial.


ENSINO BILINGUE EM PORTUGAL
As escolas com ensino bilingue não estão, na maioria dos casos, ao alcance de todos os bolsos, mas há muitos pais a investir numa educação que abra oportunidades internacionais aos seus filhos. Em Portugal, existem várias escolas bilingues, concentradas sobretudo nas regiões da Grande Lisboa e do Grande Porto. Na capital, há seis colégios internacionais que seguem os currículos dos países a que estão associados: a escola americana Carlucci American International School of Lisboa (CAISL), a International Preparatory School (Reino Unido), a St. Dominics International (segue o currículo internacional com aulas lecionadas em inglês), o St. Julians British International School, o  Lycée Français Charles Lepierre (francês) e o Deutsche Schule Lissabon (Escola Alemã de Lisboa). Os pais que queiram proporcionar aos seus filhos o ensino em línguas estrangeiras podem ainda optar pelo Colégio Europeu Astória, com sistema bílingue (inglês / português) até ao 2º ano do 1º ciclo e sistema trilíngue (inglês/alemão/português) no 3º e 4º ano do 1º ciclo.
No Porto, o Colégio Luso-Internacional do Porto (CLIP) baseia-se na estrutura do National Curriculum do Reino Unido e ainda disponibiliza ensino de francês, alemão, mandarim e espanhol do 5º ao 12º ano, a Oporto British School (Colégio Inglês do Porto) segue também o currículo da escola britânica. Na cidade existem ainda o Deutsche Schule zu Porto (Colégio Alemão do Porto), o Lycee Francais de Porto (Liceu Francês) e o Colégio Luso-Francês. As propinas nestes colégios podem ir dos quatro mil aos 20 mil euros anuais.

Onde aprender mandarim
Para responder ao crescente interesse pelo chinês, há cada vez mais escolas. Em Lisboa, além do Colégio Saint Daniel Brottier, também a Escola Chinesa, o Centro Cultural Científico de Macau e o Instituto Confúcio da Universidade de Lisboa têm aulas para crianças. Em Braga, no Porto e em Paredes o Instituto Confúcio da Universidade do Minho disponibiliza aulas para alunos do ensino básico e secundário. E Bragança, foi criado no ano passado um Centro de Língua e Cultura Chinesas, que funciona na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança. Nas escolas do primeiro ciclo de São João da Madeira, o idioma dominante na China passou a fazer parte do currículo, depois de aprovado em Assembleia Municipal.

in Pais & Filhos
Escrito por Catarina Madeira Sexta, 11 Outubro 2013 

Ex-piloto de F1 Maria De Villota encontrada morta - Desporto - DN

Ex-piloto de F1 Maria De Villota encontrada morta - Desporto - DN

Realmente a vida tem destas ironias; acompanhei a luta da Maria de Villota aquando do acidente que lhe ia ceifando a vida, a coragem dela, o renascer da força e da beleza - era daquelas mulheres com garra e que perante uma adversidade do caraças continuava a ser uma lutadora, linda e com um brilho no olhar.

Tocou a vida para a frente, era um exemplo, casou, escreveu um livro e agora uma fatalidade destas - estou sem palavras.



quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Pensar que estava hoje a dar os parabéns pelos 8 meses da Joaninha a uma amiga minha e lembrar-me que daqui a 2 meses faço 36 anos, sim, 36 - no outro já estava como a Marta Aragão Pinto a colocar um ano a mais e lá dizia eu que já tinha 36, logo ia fazer 37 - mais ano menos ano isto vai dar tudo ao mesmo, mas de facto, se o Universo o permitir, farei os 36 :)

A mamã avisa - a filha não faz caso - depois...chora

Tem sido recorrente este silogismo, e por mais que eu tente com base no diálogo fazer com que ela perceba, quando de facto entende, chorar é o melhor remédio.

Eu sei, dialogar a este nível com uma criança de 3 anos não é a melhor forma de a fazer entender que lá em casa quem manda é a mãe e se a mãe diz que não, é NÃO, porque existe sempre uma razão lógica para tal - falha no facto de lhe explicar a razão lógica, ela argumentar com o "mas eu quero" ou o ainda pior "mas eu quero agora!" o caldo entorna, eu fico chateada e o resultado é o mesmo, porque ao ser contrariada, a berraria é ensurdecedora.

Passei à fase de avisar apenas uma vez, não ceder ao "mas eu quero agora", salvo se se trata de questões escatológicas ou de maior gravidade como é óbvio e aguardar calmamente pelo desfecho que antevi que iria acontecer.

Pois que ontem, teimosa como sempre andava a esticar até ao limite um colar dela, bem engraçado que uma amiga lhe ofereceu; avisei-a que, em primeiro lugar, não se faz aquilo aos colares, não é para isso que eles servem e que nunca viu certamente a mamã a ter uma brincadeira tão infeliz e em segundo lugar que aquilo ia rebentar - disse o que tinha a dizer, calei-me e fui à minha vida.

Nem 20 segundos após este monólogo e consequente teimosia da Lady Bébécas, oiço num crescendo um berreiro de fazer tremer a estrutura do edifício, as coelhas Diana e Victória assustadíssimas e o que restava do colar em dezenas de contas espalhadas pelo chão.

Não resisti ao típico "é bem feita, eu avisei" a que se seguiu uma sinfonia de choro ainda mais acentuada.

Tarefa seguinte: foi apanhar conta a conta e colocar numa tigela, recuso-me terminantemente a arranjar-lhe o colar pois o desvario foi fruto do facto de não acatar o que lhe digo, e a criança lá foi dizendo que ia pedir à tia para arranjar. Tudo bem, da minha parte já sabe que não mexo uma palha para lhe repor coisas que estraga sem qualquer necessidade.

No fim da "gincana" o ainda mais típico "gostas de mim mamã?".


Japonês Haruki Murakami lidera a corrida ao prémio - Artes - DN

Japonês Haruki Murakami lidera a corrida ao prémio - Artes - DN

Adoro este escritor!

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Os meus serões começam a ficar ainda mais animados

Amanhã 3ª temporada de Scandal, entretanto ando a ver a rodos Revenge e daqui a duas semanas Downton Abbey e ainda me deve estar a escapar alguma.....ah, Rizzoli & Isles que também deve estar a rebentar.

A minha amiga D. que vive em Manila já me anda a aguçar a curiosidade com as novidades que se andam a passar com aquela família inglesa, mas tenho-me aguentado e não fui cuscar nada, eu juro!

Marilyn Manson irreconhecível sem maquilhagem - dn - DN

Marilyn Manson irreconhecível sem maquilhagem - dn - DN

Eu sempre afirmei que ele teria um aspecto "normal" e era capaz de se cruzar connosco na rua sem se topar nada - e aí está, um pouco sinistro, mas nada a ver com o boneco Marilyn Manson que criou!

Dos trópicos para o pólo norte

Tanto ontem como hoje senti um calor abrasador; então em Lisboa ainda está pior; já fiz há quase duas semanas a aproximação às galochas, mas cedo desisti e só não tenho calçado a bela da sandália porque não tem calhado.

Agora dizem que no sábado, abruptamente nos vamos deparar com uma frente de frio polar e que os termómetros vão baixar assim a modos que 10/12º.

Será mesmo que isso vai acontecer sem sairmos do lugar, ou é algum meteorologista que vai mudar de Continente e está a armar-se em engraçado!?

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Olho para ela

E não consigo disfarçar que fico embevecida com a beleza dela (ok, sou mãe dela, é natural que assim pense), a miúda tem uma cara linda e aqueles olhos rasgados iguais aos meus, ainda lhe ficam melhor a ela, do que a mim, claramente.

Para mim continua a ser a minha bebé, é pequena de facto, o que são 3 anos de vida - mas tem tamanho de quase 5 e isso faz-me querer que cada momento seja mágico, mesmo aqueles em que tenho que lhe mandar um grito, devido ao seu mau comportamento.

O "tás tiche comigo" deixa-me de rastos.

Recluso há 33 dias em greve de fome em 'estado deplorável' - Sociedade - Sol

Recluso há 33 dias em greve de fome em 'estado deplorável' - Sociedade - Sol

É incrível chegar-se a este ponto...temos o lado humano, o lado racional, o lado das possíveis vítimas, o lado do criminoso...são situações muito complexas de digerir e tão pouco se sabe o que este homem fez - mas o querer estar perto da família já de si lhe atribui um certo mérito.

Fala-se em praia

E sai-se ela:

 - "Vamos ao Ágáve mamã?"

O Algarve marcou-a mesmo; atrevo-me a dizer que foi mais vezes à praia aqui por cima, do que propriamente no Algarve, que se resume a uns dias uma vez por ano, mas ela gosta mesmo daquele ambiente.

Praia e diversão = Algarve.

Ahahah, acabaram de me "oferecer" um cão

Ah e tal, para a Bébécas ter ainda mais um animal de estimação em casa - mas qual é a parte que já temos lá duas coelhas Toy que parecendo que não requerem bastantes cuidados e já andei quase um mês a alimentar e hidratar uma delas com uma seringa e papinhas de fruta.

E com um animal de estimação dito "exótico" de apenas 200/300grs na altura, gastei mais em veterinário, do que no valor comercial da criatura - não lamento o que gastei, pois os nossos Pet's merecem tudo.

Mas estão lá na sua gaiola cheia de condições e mimos, quando a Bébécas anda calma andam à solta dentro de casa a explorar todos os recantos e ela atrás delas, nem me fazem caganitas no chão, porque curiosamente a maior parte das necessidades fazem-nas no wc como os gatos, portanto para quem vive num andar, nada melhor.

O cão, até podia ser a criatura mais pequena, mais meiga, mais mais....mas só o facto de necessitar ir à rua uma série de vezes por dia, necessitar correr e saltar e ter aquele cheiro característico, põem-me a milhas de equacionar sequer essa hipótese.

Só quando nos sair a taluda e comprarmos uma vivenda com um belo jardim.

Portanto, cães para a Bébécas, nem pensar; censurado!
....e ontem, depois da maratona doméstica numa hora, ainda jantei por lá qualquer coisa que arranjei no frigorífico, passei umas peças de roupa a ferro, dobrei outras tantas para passar noutras núpcias e adormeci a meio do episódio da Revenge gravado no dia 03/10 e que pela segunda vez consecutiva ainda não consegui terminar de ver.

Às 3.42h da madrugada eis que acorda a minha Bébécas num choro desalmado para eu a ir buscar à cama dela, ainda tentei adormecê-la com jeitinho, dar-lhe leite, mas a cria só acalmou mesmo na minha cama e lá pernoitou até de manhã e eu, cheia de dores de costas, de tão torcida que dormi.

O ginásio esta semana ainda não viu por lá os meus glúteos :(

Antes de sairmos de casa

"Mamã, ainda não tomei a minha vitaminina"

 - Vi-ta-mi-na, filha, vi-ta-mi-na - tem quatro sílabas.

"Não mamã, é vitaminina".

Não há um teimoso sozinho, é um facto, mas a minha filha quando teima, nunca tem razão - pelo menos por enquanto!

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Numa hora

Fazer uma panela cheia de sopa, despi-la, dar-lhe banho e afins, aspirar a casa, apanhar uma máquina de roupa da corda e colocar lá outra, despejar o aspirador e arrumá-lo no devido lugar, limpar a gaiola das coelhas, apanhar os brinquedos, descascar uma laranja e depois partir uma maçã aos quartos, tudo isto antes do jantar...é obra, repito, numa hora.

E depois a minha filha ainda exige mais isto e aquilo o "mas eu quero agora" dos últimos dias e eu a não me poder desdobrar em 2, nem em 3 e achar que mesmo que pudesse ela tem que saber esperar, tem que perceber que desde sempre estou aqui apenas eu para ela e o tempo não estica e as minhas mãos são apenas duas.

E a semana ainda agora começou....

Apanhei-a a falar com os seus botões

"Sou um génio!"

Tendo em conta que a criança tem 3 anos e 3 meses, dá que pensar!

E depois de um dia em trânsito, mas muito bem tratada

Uma amiga minha chegou há pouco a Sydney - sabem que mais, não me importava nada de estar lá neste momento com a minha filhota a passar umas grandes férias :) - ela foi em trabalho, mas mesmo assim, decerto que é uma viagem que vale a pena!

domingo, 6 de outubro de 2013

Não é o dia indicado

Porque estou ligeiramente constipada, talvez seja o início da primeira gripe deste Outono, mas estou a deliciar-me com um destes:



Bem, foi um dia como todos os 6 de Outubro de há 15 anos a esta parte; o ramo de margaridas lá ficou no jazigo da minha avó, estivemos lá a reflectir, pensei nela, dei-lhe um beijo com a alma...neste dia, tinha mesmo que lá ir.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Não sei o que é que se passa hoje com estes olhinhos que os meus pais me deram

Que estão com uma rejeição compulsiva às lentes de contacto; e como o material tem sempre razão, bem, lá as tirei que o desconforto estava a tornar-se insuportável. Parece que tenho areia a passear pelos meus olhos dentro :(

É impossível esquecê-la

15 anos, my God, há precisamente 15 anos atrás fui visitar a minha avó ao hospital e achei-a baralhada, mas hidratada, com bom aspecto, os "barris" de quimioterapia a correr por um lado, a bisnaga de morfina na barriga, dizia não ter dores e queria ir para casa passar a roupa a ferro da filha, das netas e do genro.

Do alto dos meus 20 anos tinha a certeza que se ia safar de mais um cancro, desta vez o LNH, porque ela era forte, corajosa e não podia morrer.

Aquilo que naquele dia 04/10/98 me pareceu um discurso um pouco descoordenado, que assumi fosse resultado de algum calmante, foram claras despedidas a todos quantos estávamos naquela enfermaria - despedida a nós e talvez as boas-vindas ao sítio onde estava prestes a entrar.

A enfermaria da minha avó não tinha flores naturais, não podia tê-las e a minha avó chamou-me para perto dela e disse-me assim:

 - Olha Tanoka (era assim que me chamava e neste momento faz-me todo o sentido partilhar esta intimidade), este quarto está tão bem concebido, nunca tinha reparado. E aquele jardim e que cheirinho a flores tão agradável...afinal morrer é bom.

Jamais me esquecerei destas palavras; ainda lhe respondi que estava para ali a dizer disparates, a falar em morte, onde tinha ido buscar essa ideia, e que não me cheirava nada a flores e que dali não se via jardim algum.

Estupidez dos meus 20 anos - a minha avó estava a ver algum jardim, cheirava-lhe de facto a flores e eu não o corroborei, não fazia ideia que a morte vinha de facto daí a 2 dias, e que já estava na fase inicial do seu caminho para lá.

Mas continuou com as despedidas a cada um de nós; eu ia iniciar dentro de dias o meu 4º ano de Sociologia e a Avó, com algum sentido de humor que tanto a caracterizava disse-me que eu era uma "malandra" e que não me ia ver de traje académico com a minha capa negra pelos ombros, porque era teimosa e tinha decidido comprar o traje mesmo no último ano. Que era um dos seus "desejos" e que eu não o concretizei, mas que tinha deixado instruções à minha mãe que o traje seria uma prenda dela.
Como também uns dias antes deste desfecho me colocou nas mãos um envelope com uma soma em dinheiro para eu comprar umas botas de cano alto que andava a namorar, e que seriam a minha prenda de anos, daí a 2 meses.

Teve a serenidade de, uns dias antes do derradeiro internamento, dizer como queria ir vestida, como seria coberta a urna, que destino dar a alguns dos seus pertences e também que destino não dar a outros tantos - eu, e a minha irmã, na altura com 10 anos, fomos as ajudantes da nossa mãe, que, não tinha nem ideia de onde minha Avó guardava certos documentos e afins.

Mas recordo-me e penalizo-me sempre por, naquela altura não ter dado a devida importância a esta lucidez da Avó e achar que era mais uma recaída, e que a Avó não morria - a Avó não morre!

....e reitero que a Avó para mim é irrepetível, imortal e está sempre presente, ainda que não fisicamente na minha vida.

15 anos sem a presença dela, a voz, os olhos lindos azuis e expressivos, a garra, a honestidade, o pragmatismo, a justiça, o brilho, a humanidade, a inteligência....muita saudade, mas tudo o que recordo dela e herdei dela, vive aqui no meu coração.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

...esta semana tem andado com perturbações no sono, que é como quem diz, acordar com choro de bebé a chamar por mim, agarrar-se ao meu pescoço, pedir mais um biberon de leite e dormir ao meu lado, aí sim, o sono dos justos.

Serão meros pesadelos, dores de crescimento, ou necessidade de receber ainda mais mimos!?

O balanço da Troika

Pois que a sobretaxa de 3,5% no IRS se vai manter em 2014 - sim senhor, estamos no bom caminho.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

O Honey está a despedir-se dos "intas"

E na próxima sexta-feira faz 39 aninhos - ena tantos!!!!

Para o ano será um quarentão cheio de charme e pouco juízo, veremos.

Eu que costumo ser tão criativa e gosto tanto de oferecer presentes úteis, mas que marcam e que sejam sobretudo "usáveis", ainda não decidi o que lhe vou oferecer - o menino, parece meio desligado, mas usa coisas boas e bonitas, portanto estou perante um problema.

Comentário dele - dá-me um beijinho e um abraço que eu já fico muito feliz.

Quando se quer, é-se perfeito!

O Habermas vem à Gulbenkian a 28/10

Gostei imenso de o estudar e para mim é uma referência em termos filosóficos e sociológicos dos nossos dias.

A sua ligação ao pensamento das sociedades e das democracias do capitalismo avançado do séc. XX, bem como o conceito de acção comunicativa em que a razão constitui um sistema básico e operante da sociedade.

Este conceito pode revolucionar não só a forma de analisar as sociedades modernas, como também os sistemas de ensino, cultura cívica, fragmentação sociocultural.

Para quem tiver oportunidade de assistir a esta palestra, não se irá arrepender de todo.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

A letra R

Está perdidamente apaixonada pela letra R, e a principal demanda nela neste momento é identificar o maior número de R's que consegue.

Uma das peças de decoração que tenho no quarto dela são exactamente R's e A's em madeira, de todos os formatos e feitios, conjugados com as estantes, prateleiras e brinquedos.

Hoje fui até à Casa ver as novidades, trouxe de lá umas coisinhas para a nossa casa, entre as quais um R grande em branco, que coloquei na porta do quarto dela - delirou, ficou mesmo feliz com o miminho.

Numa avaliação preliminar

A forma de inteligência dominante neste momento no que toca à Bébécas é a Inteligência Interpessoal:

"Habilidade para comunicar com os outros, para determinar os seus sentimentos e adaptar as palavras, o tom e os gestos aos mesmos. Podemos estimulá-la através de qualquer jogo de grupo que esteja determinado pela interacção entre duas ou mais crianças, como brincar às profissões, aos cozinheiros, às bonecas, fazer teatro, desporto e jogos de mesa"

Aqui incluo brincar com carrinhos, garagens, estações de serviço e os tão adorados Lego's.

No fundo, é uma criança que adora brincar, criar, é muito perfeccionista nos trabalhos que faz e já sabe que enquanto não termina uma tarefa, não há nada a fazer - não se deixam coisas a meio.

Ok, com as galochas não faz mal


Mas com as carneiras, ténis e afins não dá jeito nenhum; e explicar a uma criança de 3 anos a diferença?

Porque é que com as galochas posso e com o restante calçado não? Logo uma coisa que é tão divertida!

Ainda por cima não estamos a falar de poças de água como a da imagem que retirei da internet, mas sim de autênticas crateras lunares cheia de água, que davam para servir de aquário a um belo cardume.

Afinal quem sofre, a criança ou a mãe?

Vladmir Putin proposto para o Prémio Nobel da Paz - Globo - DN

Eu não acho isto normal!

Vladmir Putin proposto para o Prémio Nobel da Paz - Globo - DN

O chá de bebé do meu afilhado

Está quase a chegar o meu afilhado tão desejado e o chá de bebé já está marcado para dia 01/11....em Madrid.

Não podias nascer mais perto meu tesouro!?


Bem, hoje devem estar para ali os mirones no Tribunal - começa a julgamento da Sónia Brazão, coitada.

Teve um mau momento, ninguém me convence que ela não tenha querido pôr termo à vida (e isso também é crime) mas uma pessoa para cometer um acto desses tem que estar tão desesperada...parece-me uma pessoa doce, que tenta ultrapassar os seus problemas nem sempre da melhor forma - mas tenho muita pena deste desfecho.

Esperemos que apesar de tudo, não saia privada de liberdade - porque há aí pessoas que fazem coisas bem piores e também andam à solta.

A preocupação com a avó

A Bébécas até ao momento tem de facto duas paixões indiscutíveis - a mamã e a avó.

Creio que à sua maneira, nem ela sabe de quem "gosta" mais, se é que isso se pode quantificar, mas os laços entre as três são de facto muito fortes.

Gosta dos amigos mais íntimos, dos primos, dos tios, dos padrinhos, do avô (pessoas a quem por uma ou outra vez já chamou de pai - facto que corrijo, porque apesar de ter um progenitor como todos nós sabemos, é o progenitor dela, e ou tratamos os nossos progenitores por pai/mãe, ou não tratamos mais ninguém).

É como tudo, o meu padrasto é um grande amigo, foi o pai que o meu não soube ser, mas jamais o tratei por pai, não fazia sentido, contudo, tratar o meu "pai" por Pai, também é algo que vai contra os meus princípios, porque na realidade pouco tempo o foi - mas apesar de tudo, melhor do que a o progenitor da minha filha, sem qualquer dúvida. Não faltou ao respeito à minha mãe nem nunca a humilhou da forma que a outra criatura o fez e é de uma educação e cultura extremas, o que apesar de tudo me faz sentir um certo orgulho da herança genética que me legou.

Mas quem lhe toca na avó e na mãe, toca-lhe na menina dos olhos.

Recentemente a avó escorregou e caiu - resultado, partiu os óculos, ficou com a face toda cheia de mazelas, um pouco mal tratada, no fundo. Pois desde esse dia, a criança não fala de outra coisa com quem se cruza na rua. Porque a avó caiu e fez dói-dói, e partiu os óculos, e tem sangue na cara e coitadinha da avó, e que temos que fazer muitas festinhas...no meio de ser tão tresloucada, a minha filha é tão, mas tão sensível.

Espero que não perca essa qualidade, pois é meio caminho andado para se saber respeitar a ela e aos outros.