sexta-feira, 18 de outubro de 2019

O Príncipe...e não é o do Maquiavel

É o que escolheu o jardim de uma amiga minha para viver, e está à espera que eu lhe vá dar um grande beijo.


“Deus veio ao Afeganistão, e chorou”...mas não só

Li este livro da Siba Shakib há quase 20 anos e fiquei comovida com a história daquela mulher que viveu num campo de refugiados, fiquei siderada com os meandros e as politiquices que se passaram no Afeganistão, a presença dos russos, violações, destruição, mujahedins e talibãns. Aliás, lembro-me do que me arrepiei quando esses tipos destruíram as estátuas de Buda, Património da Humanidade. Não só destroem vidas, como destroem História. Um livro muito interessante que nos faz ter uma percepção de uma realidade que muitos desconhecem.

Hoje, dei comigo a pensar que há tanto motivo por que chorar por esse mundo fora e ao ver as últimas imagens de Barcelona, sinto-me assim...triste. Instalou-se o caos, a batalha campal, uma verdadeira intifada, a destruição. Não tem que existir em lugar algum...mas Barcelona!? Assim uma cidade de encantar, uma cidade que há uns bons anos fui visitar e curar uma paixonite que acabou mal e que, em meia dúzia de horas já nem disso me lembrava, tal não foi o peso daquela atmosfera mágica a entranhar-se na minha pele. Como é que num mundo tão bonito, existem pessoas tão feias que só estão bem a estragar. A estragar lugares, a estragar memórias e recordações, corações, sonhos.

Creio que se Deus viesse aqui agora, teria mesmo muitos motivos para chorar...

Também já não serão assim tantos anos...vá....mais de metade da vida já passou


O meu esbelto bracinho já levou a picadela

Veremos como me porto este Inverno. Já estou a imaginar os meus anti-corpos a debaterem-se neste momento contra os invasores que acabaram de entrar...deve ser divertido. Venham as armaduras, os discos, as setas, vamos a eles, zás, trás, pimba, vocês não vão atacar a nossa hospedeira porque nós somos mais fortes...

Muito bonita...


quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Já se esteve mais longe...

E ele comenta: “isso é um pedido formal?”