terça-feira, 21 de novembro de 2017

Andei até Domingo passado a renegar à partida uma realidade já bem presente

Ou seja, que o frio já se começa a sentir com algum impacto.

Lá comprei novo aquecedor para a sala, porque com criança e gato em casa, os de halogéneo que costumam andar por lá, duram entre 2 a 3 anos no máximo, porque se partem, desconjuntam, etc.

Obviamente que desde aí já anda a bombar directamente às minhas pernas, sim, eu sei, até parece que sou estúpida, mas penso assim, "perdoa o mal que faz, para o bem que sabe".

Casaquinho de feltro em cima da pele logo pela manhã, pois quando saí de casa o termómetro marcava 10º.

Não há dúvidas, o frio já cá está, falta a chuva - controlada, porque tempestades e catástrofes também não são benéficas para nada nem ninguém.

E curiosamente 4 dias após a data indicada

Continuam a ser inexistentes os registos de avaliação da miúda no portal.

Até entendo que possa ter ocorrido algum problema, mas o mais correcto é enviar-se uma informação aos pais a fazer um ponto de situação. Quer isto dizer que, não sendo eu a típica mãe que passa o ano a trocar recados na caderneta com a Professora, logo à noite lá terei que questionar a senhora.


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

E o que as faltas de rigor e informações incorrectas provocam na minha pessoa

Não que eu seja a Super Mãe, de todo. Terei que viver 100 vezes e ser mãe 201 para ser de facto quase perfeita, mas, ao meu modo e dentro dos meus recursos, tempo, e presença de espírito, tento fazer o meu melhor, dadas as circunstâncias que nem sempre são as melhores.

Pois que na passada sexta-feira recebo um recado-tipo na caderneta a informar que as avaliações intercalares estavam disponíveis no portal a partir desse mesmo dia.

Ok, sei as notas da miúda, não estou às escuras, mas mais do que as notas, tenho bastante interesse em saber quais os comentários adicionais, e informações que me podem ajudar a perceber que tal ela está de facto, e sobretudo quais os pontos a melhorarm tanto a nível de aprendizagem pura, como também a nível de comportamento e relacionamento entre pares, professores, funcionários, etc.

Sei que é uma miúda difícil, bem mais difícil em casa e na minha presença, do que quando está all by herself, mas não deixo de me preocupar em saber a realidade para encontrar formas de corrigir e torcer o que é possível - a essência, essa é impossível.

Pois que, 3 dias volvidos, continuo às escuras. Informação no portal, nicles. Ok, ficou em baixo, as pessoas não têm culpa, tudo gira à volta de máquinas e da sua vontade própria, mas não deixa de me irritar esta falta de rigor.

Preferia honestamente que aquele recado viesse quando de facto as informações já constassem no portal, e não quando se acredita que a mesma já lá estará.

Nestas coisas, sou uma mãe interessada e algo ansiosa, sou....

Escrevi há uns anos un post no Facebook e provavelmente aqui, que gosto sempre de recordar...

"Às crianças
Que são o melhor dos nossos mundos, amamos as nossas, mas não só...já dizia Fernando Pessoa, que "o melhor do mundo são as crianças"...e são-no, de facto.
Enquanto prevalece a inocência, são os seres mais puros, mais honestos, não nos traem, não se traem...se gostam gostam, se não gostam não gostam...não têm pejo em dizer o que sentem, por muito que isso por vezes até nos possa embaraçar.
As crianças deveriam ser enaltecidas todos os dias, quanto mais não seja, pelo Sistema e pelos que lhes são mais próximos, mas a realidade é adversa e triste, muitas vezes bem triste.
São frágeis, indefesas, mas são o futuro, e não há nada que se erga sem um perfeito alicerce.
E por ser o dia em que se celebra mais um ano sobre a Proclamação da Declaração Universal dos Direitos da Criança aqui deixo a minha homenagem a todas elas, sobretudo às que, por um motivo ou outro, mais sofrem. E um beijinho do tamanho do mundo para a criança que gerei, para a minha amada filhota Rita."

Confesso que a ideia de a mandar de pijama para a rua não me agrada propriamente, mas tendo um significado por detrás e percebendo que ela encaixou qual é a ideia, lá entrei no espírito pelo segundo ano consecutivo e mandei-a em "pseudo trajes menores".
Após alguma negociação matinal, não levou almofada (já era demais) mas levou o ursinho babiage que lhe comprei quando ela nasceu, e ainda continua a fazer parte da comunidade que a acompanha no seu soninho:
Para quem conhece o nosso percurso, as Naínhas, ficaram obviamente fora da equação! Não me apetece correr outra vez meio mundo, literalmente, para encontrar um boneco igual ao que a acompanhava desde o 1º mês, e ao qual ela decidiu dar um magistral sumiço - a gracinha correu bem uma vez, não tenho fé que voltasse a ter sucesso numa segunda vez.
Assim como assim, o "babiage" é um boneco bem mais dispendioso, mas também mais fácil de repor em caso de desaparecimento precoce. 

Hoje é daqueles dias em que me sinto nua e incompleta

Sair de casa sem os meus anéis, é terrível. Acontece-me raras vezes, mas quando ocorre, algo de muito estranho se passa com a minha pessoa.

Vá lá, pelo menos trouxe o "véu", quer dizer, o relógio.

Vou assumir que a minha cabeça ficou baralhada pelo facto de mandar a miúda de pijama para a rua e não atribuir esta distracção a factores psicossomáticos, o que seria bem mais preocupante.





sábado, 11 de novembro de 2017

Golpes de "Chico-Espertice"

Chegada à recepção do complexo onde Milady Bébécas nada, aguardo que me dêem a chave do cacifo, e nisto estava um indivíduo também a fazer o mesmo.

O dito entra para o balneário e nisto os seguranças incrédulos a comentar entre si que o indivíduo aproveitando-se do facto de ter lá um filho já adolescente a praticar natação, vai tomar banho à borla.

Dou comigo a vociferar - que grande lata!
E a treta da máquina de lavar que não termina o programa, estou gelada e ainda tenho que estender a roupa. É o que dá chegar depois das 9 da noite a casa, para a cria cumprir com a sua natação e claro...ter sempre tudo para fazer e pouco tempo.

Que estafa!