sexta-feira, 31 de maio de 2019

É mesmo vontade de entrar numas ricas férias

É a segunda semana em que jogo no Euromilhões...mas não me saiu nada :(...ainda!

Conversa de ontem

"Mamã, sabes que no Dia da Criança tens que me dar uma prenda, não sabes?"

Fiz-me de desentendida e olhei para ela com o sobrolho direito meio levantado, e eis que continua:

"Também recebeste prenda no Dia da Mãe!"

Nisto pus-me a pensar - será que se lhe der um desenho feito por mim ela fica saciada?

PS: a prenda dela está na bagageira do meu carro há semanas, ela é que ainda não sabe. Aliás, já a viu por lá, mas eu disse-lhe que era a prenda de anos de uma amiga dela. Mãe sofre.

quinta-feira, 30 de maio de 2019

terça-feira, 28 de maio de 2019

segunda-feira, 27 de maio de 2019

Dá que pensar...

Como é que uma pessoa que mal nos conhece de repente nos diz: "não andas bem, pois não?" e quem nos conhece não consegue perceber que não estamos bem e precisamos de um ombro.

Vá-se lá perceber a sensibilidade de uns seres humanos, perante a falta da mesma, da parte de outros.

Quando optamos por adiar por alguns minutos a hora de irmos buscar um filho, como forma de evitar ter que lhe falhar

Eu explico: uma semana que ainda agora começou e promete ser de truz a vários níveis. O meu nível de me fazer de tonta para evitar confrontos, perdeu o filtro e isso também se reflecte em todas as vertentes da minha vida.
Mas como até sofro de carência de ferro no organismo, deixo-me cair ao sabor da tempestade.

Um dia passado em torno da nossa capital, mas que me fez percorrer 100kms, mais um consulta médica ao fim do dia e claro, a cereja no centro do bolo, natação.

Cheguei ao ponto de partida ainda seria cedo para rumar à piscina e pensei que se a fosse logo buscar ao ATL e passasse por casa, nem uma grua me arrancaria de lá. Então fiz o inverso. Vim até casa, encostei-me alguns minutos, troquei de sapatos e lá fui buscar a cria, arrastando-me para a levar à natação. Sou recebida com o feitio de contradição do costume e a recusa em ir à natação.

Pensei com os meus botões: Mas que mal fiz eu a Deus para depois de tudo, aturar isto!?

A meio do caminho lá se recompôs, depois fez as suas cenas no balneário para se vestir, eu quase a desistir de continuar ali e, a muito custo lá consegui que entrasse na piscina às 19:40h, 10 minutos atrasada e eu a explicar-lhe que era uma tremenda falta de respeito pelos outros e acima de tudo pelo Prof. Fred que tanto gosta dela.

Entrada na água, virou peixe, ou sereia sei lá, tal não é a elegância daquele corpo. E se num momento me irrita e me faz sair da zona azul, no outro faz-me amá-la ainda mais.

Constatação do dia

Acho que só mesmo quando se trata de curar maleitas no nosso corpo é que devemos insistir, apesar da dor. Tudo o resto, não compensa.

Eu não diria melhor...


domingo, 26 de maio de 2019

Não sou de alarmismos, mas começo a achar isto estranho

Pode até nem ser nada, e estar relacionado com a cirurgia, mas a verdade é que desde aí os meus membros inferiores estão constante e permanentemente inchados. Nos primeiros dias pós cirurgia, até achei normal, agora começo a achar estranho. É verdade que com o calor fico sempre um pouco inchada, mas da forma que está, não é normal em mim.

A minha esteticista, também sem alarmismos lá me disse que conhece o meu corpo há uns anos e que nunca me viu assim e que posso estar a fazer retensão de líquidos, mas logo agora que até ando a tomar um drenante, não faz sentido.

O facto de andar com as maleitazitas leves no coração faz-me cair outra vez no espectro da insuficiência cardíaca e penso que, se tiver que morrer, que seja...mas não para já. Tenho um Unicórnio Magenta que ainda precisa muito de mim, embora ultimamente esta mãe ande um bocado em baixo de forma.

Estes especialistas não devem ter árvores destas nas redondezas

Especialistas garantem que pólen dos choupos não causa alergias

E lá fui eu, pela "orla" da tarde...


Em dia de eleições

É raro não ir exercer o meu dever cívico logo pela manhã, mas hoje foi assim que aconteceu. A estas horas ainda não fui às urnas, mas vou, eu vou!

Dedico a quem me tem feito sorrir, mesmo que à distância, porque é bem melhor do que chorar


sábado, 25 de maio de 2019

Cinema para os crescidos

Nem só de cinema infantil vivo eu, pelo que hoje lá fomos eu e companhia ao cinema ver qualquer coisa para crescidos. Quando não sei vai com algo em mente, tenta-se acertar, e embora o título fosse sugestivo, estava longe de imaginar que era a história do Ted Bundy - "Extremely Wicked, Shockingly and Vile".

Não dava muito pelo Zac Efron, mas safou-se bem e estar ali frente ao grande ecrã a ver os meandros tenebrosos da mente do que foi um dos mais perversos Serial Killers dos Estados Unidos deixou-me relativamente incomodada. E depois, até nas histórias mais tenebrosas salta a parte romântica - tão perverso, tão diabolicamente inteligente e ao que parece, o amor da vida dele foi mesmo aquela mãe solteira que terá conhecido num bar, cuja filha tratou como se dele fosse sem nunca lhes tocar com um dedo.

...e à sua maneira, correu atrás dela até ao fim. Ou então são os senhores do Hollywood que querem à viva força fazer-nos crer que até o pior dos assassinos, tem sentimentos e sabe amar.


Então e quando nos chegam por email sugestões destas para o dia dos miúdos!?

A Unicórnio Magenta revela a mesma paixão por relógios que tem a mãe; então e quando ela vir este espécime?

Quando no meio de arrumações improváveis

Me deparo com esta memória:

Não tinha certezas nenhumas naquele momento, e hoje também não estou melhor a esse nível. Mas tenho a maior riqueza do meu mundo e disso, eu não tenho qualquer dúvida.

O 1º dia do resto...dos próximos tempos

Chega de desculpas e lambuzices, de disparates e falta de cuidado. Tudo isto e juntando o facto de que se não gostar de mim, ninguém gostará, começa hoje a minha demanda verdadeira e dura por reduzir o peso e o volume. Nunca estive neste estado e começo a não me reconhecer. É verdade que já perdi uns quilos, mas continuo uma baleia, e o mais grave é que fiquei neste estado deplorável após a operação e a inércia a que me sujeitei...com chocolates e doces à mistura.

A miúda elegante deu lugar à mulher de meia idade balofa e isto já me está a complicar com o sistema nervoso. É certo que passar à parte de exercício físico com companhia é bem mais fácil e ainda não consegui convencer ninguém a acompanhar-me mas...que se lixe, vou fazer-me à estrada mesmo sozinha, porque se não começar rapidamente, isto vira doença.

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Quem anda à chuva...molha-se!

Ordem envia esclarecimento: José Sócrates não é engenheiro

Hoje foi daqueles dias em que comecei de uma forma normal

E terminei triste.
Há dias assim...

O próximo filme em companhia infantil que não posso perder

O Aladdin pois está claro. Eu posso lá perder a oportunidade de ver o Will Smith em génio da lâmpada!


Quando as comissões cobradas pela CGD são descaradamente abusivas

Estando eu, embora que já em modo de ruptura total ainda a colaborar com a Administração do edifício onde vivo, sou uma das pessoas com acesso à conta bancária do mesmo o que faz com que, de quando em vez me tenha que deslocar ao Balcão para tratar de uma série de assuntos.

Como cliente particular desta instituição bancária recebi também há uns meses a informação de alterações no preçário, mas o que nunca imaginei é que a comissão de levantamento ao balcão numa conta de condomínio passasse de 1.04€ para 2.86€. Portanto, falamos de um incremento de 175%.

Não me vêm à cabeça palavras bonitas ou comentários dignos de uma pessoa bem educada, portanto fico-me por um "é escandaloso!"

Memórias enternecedoras

Há 4 anos estávamos assim:


Uma demissão que já vem tarde

A May já deu de frosques...veremos o que se segue...

quinta-feira, 23 de maio de 2019

Roof Update

Logicamente a saga com o tecto da minha sala persiste, mas desta vez a reparação teve um início bem mais célere do que da ocasião anterior.

Ontem chegámos a casa e já a sala estava literalmente sitiada. Comentário da pequena:

"Mamã, não me sinto nada confortável nesta sala!"

Muito reclama a minha filha!

Sem tirar nem pôr!


quarta-feira, 22 de maio de 2019

Mas cá em casa também existem dramas com os pés...e não são os meus

Talvez ainda estivesse na minha barriga e já a minha filha me pontapeava o ventre ante a ideia de, um dia mais tarde, ter que cortar as unhas dos pés. E essa fobia manteve-se até hoje e creio que não tem fim à vista.

Hoje, foi dia de cortar as ditas. Foi uma gritaria inacreditável e dei-me ao luxo de parar, olhar para ela, ela descabelada a berrar, sem uma única lágrima a sair do olho e, ainda assim, dizia:

"Eu estou a morrer!"

Continuei a olhar para ela, a drama Queen abre um olho para ver se eu estava a ver, percebeu que sim e destila ainda mais drama:

"Eu estou mesmo a morrer!"

Termina a sessão, traz-me o creme para lhe massajar os pés não fosse eu esquecer-me e termina a sessão melodramática desta forma:

"Mamã, és mesmo muito importante para mim" - virou costas e foi à vida dela.

Esta família é mesmo muito louca.

Não tenho dúvidas de que o verdadeiro amor existe

É pena não calhar a todos. Não é fácil ter um gesto destes, mas existem almas para quem o coração fala mais alto.
https://observador.pt/2019/05/22/quem-e-birgit-wetzinger-a-mulher-que-deu-mais-dez-anos-de-vida-a-niki-lauda/?fbclid=IwAR0hMVSh7ERIS6hwNzIiMRGkP9ObuSJHylcaysSTCNaE6xJwd51hYS5ym50

terça-feira, 21 de maio de 2019

O Chico ganhou o Prémio Camões 2019

E eu fiquei mesmo feliz, como se conhecesse o Chico. É daqueles cantautores que por mais palavras que possamos dizer, não lhes fazemos jus. Uma voz diferente, uma forma de cantar que mais ninguém tem e uma genialidade na escrita.

Para mim a "Construção" sempre foi assim qualquer coisa do outro mundo. A forma como esta letra está escrita, as trocas das frases e as palavras chave entre os primeiros versos e os do fim, o número de sílabas de cada verso que são as mesmas e até dos últimos versos serem muito semelhantes aos primeiros mas o detalhe de alterar a última palavra para outra utilizada anteriormente e que parece mudar o sentido da frase, mas não muda - parece confuso, mas analisando a letra percebe-se a genialidade deste senhor.

Curioso foi o dia em que a minha filha ouviu esta melodia pela primeira vez e ficou impávida e serena a sorver cada palavra. Não percebeu nada, mas percebi eu que ela sabia apreciar qualidade. O velho Chico é Grande!

Daquelas situações que me fazem começar aos vómitos desde sempre

Não, não estou a enfatizar. É mesmo verdade. Gosto de apreciar umas mãos bonitas, gosto de sorrisos bonitos e por aí fora, mas há algo ainda mais inusitado e que, quando não está com um aspecto razoável, me causa um remeximento nas vísceras. A palavra não é melhor, mas é mesmo do que se trata.

Ora bem, o tempo começa a aquecer, as pessoas, sejam do género masculino, feminino, transgénero, transsexual e/ou indefinido toca de deixarem andar o pézinho ao fresco e muito bem que eu quando posso faço o mesmo.

Os meus pés não são bonitos, pelo que não vou discutir belezas mas sim asseio! É incrível como as pessoas podem ser tão descuidadas e mesmo assim descaradas. Ele são fungos, ele são unhas por cortar, ele são unhas imundas e nem quero pensar em mais o quê!

Não é preciso andar na pedicure para ter os pés minimamente asseados e quanto aos fungos, bom, confesso por experiência própria que se gasta bom dinheiro para os tratar - sim, a verdade é que ninguém está livre e eu própria apanhei uma porcaria dessas há uns bons anos atrás quando no final da minha gravidez e sem ter capacidade física para cortar as unhas, fui à primeira pedicure que me apareceu e pois, devia ter os instrumentos tão bem esterilizados quanto a cara dela e arranjou-me um 31 nos dois dedos mais pequenos do pé direito, que me vi obrigada a andar na dermatologista por mais de um ano para debelar o bicho. É de facto um tratamento chatinho.

Até entendo que pessoas com recursos reduzidos não o possam fazer o que é triste, porque os fungos não tratados podem dar origem a situações bem piores, alastrar e por aí e entendo que este tipo de tratamento deveria ser bem mais acessível, mas...o que não entendo é que pessoas com recursos acima da média nacional apresentem pés que dão vómitos, tal não é a porcaria. E que mesmo assim, se atrevam a partilhá-lhos com a humanidade. Haja decoro, já que pelos vistos não há asseio.

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Dias que não se esquecem - 19 Anos de Formatura

Há momentos inesquecíveis e há 19 anos atrás estava a viver uma das grandes emoções da minha vida. A Benção de Finalistas na Alameda da Universidade e o culminar, apenas 2 meses depois, do meu percurso académico. 22 aninhos de vida tinha eu, andava na escola desde os 5 e, naquela altura o que mais queria era viver e apanhar alguns louros por aquilo que alcancei.

Quase 20 anos depois, saiu-me muita coisa ao lado, mas estou muito orgulhosa pelo que alcancei em termos de cultura e de saber. Quero saber muito mais, mas prezo-me por me sentir bem em várias vertentes da sociedade e pelo que vejo à minha volta, não é de facto para todos.

Clássicos do cinema infantil versão Havaianas

A minha filha pode querer sim, mas eu também não lhes resisto.



Trabalhos manuais e uma mãe sem o mínimo jeitinho para estas coisas

A maquete claro que foi elaborada por quem tem jeito e imaginação e acima de tudo, muita paciência e muito carinho por nós.

A parte de colar as esferas foi a verdadeira odisseia - dedos colados da mãe, ter que ir a correr comprar mais cola, que pode colar cientistas ao tecto, mas vê-se grega par colar bolas de esferovite a uma folha de cartolina; umas calças de ganga estragadas com um pingo de cola que lhes caiu em cima, etc.

Mas valeu a pena e a miúda lá levou um trabalho bem "supimpa" para a escola, em que o personagem central era o Mercúrio, mas o Sol e a Terra decidiram dar o ar da sua graça.


Não fossem os cabeças de Lista do CDS e da CDU existirem para uma pessoa poder ao menos lavar a vista e estas próximas eleições seriam mesmo a desgraça total.

domingo, 19 de maio de 2019

Quando um dia para celebrar se transforma num dia para relembrar

Hoje foi um dia que...simplesmente foi. Não deixar de pensar em quem já partiu, também cedo mais. Tenho azar. As pessoas mais importantes da minha vida, ou nunca lá estiveram, ou partiram cedo demais.

As que nunca lá estiveram...bom, na verdade não se pode sentir falta do que nunca se teve, mas as que partiram cedo demais e que ocupam um lugar de peso no meu espectro emocional, essas ao partirem deixaram feridas que os anos não curam, nem tão pouco apaziguam.

E foi um dia de lágrima teimosa a saltar do olho, de lembranças de férias, passeios, tardes fantásticas em Campo de Ourique, conversas mais ou menos profundas, parvoíces e o recordar de quem esteve comigo nos meus momentos mais conturbados e difíceis, sendo o maior deles o nascimento da minha filha. Depois dos meus braços, foi nos dela que encontrou o primeiro aconchego, foi na segurança dela que tomou o primeiro banho. Já não vou a tempo, mas se tivesse outra filha, dar-lhe-ia o nome Margarida.

Esteja onde estiver, e espero que bem melhor do que nos últimos tempos de vida, envio-lhe um beijinho enorme, do tamanho de todos os mundos e um forte abraço de gratidão, que jamais conseguirei demonstrar que lhe tenho e sempre terei.

Era o dia dela hoje, 19 de Maio. Por norma um dia de Primavera bonito, alegre, como ela era. Até sempre Madrinha, sinto mesmo muito a tua falta, cada vez mais.

A magia de um caleidoscópio

E o que algo tão simples e distante de tablets, smartphones e consolas consegue entreter e trazer magia a uma criança.

É o novo brinquedo de eleição e a satisfação que senti ao mostrar-lhe um objecto com que tanto me entretive na infância.

 ...e a quantidade de combinações policromáticas que se conseguem com um simples tubo de cartão, uns "cristais" coloridos e, segundo a minha filha, muita magia.

sábado, 18 de maio de 2019

Girls Afternoon Out at the Museu de História Natural e da Ciência

Pelo facto de já me sentir bem melhor após a cirurgia ortopédica do mês passado, ainda que não esteja propriamente a 100%, levei avante a ideia de que basta de inércia e há que retomar a energia, o movimento e as boas experiências.

Peguei na cria e rumámos ao Museu de História Natural, tudo a ver connosco, ou não gostássemos ambas do que visa o museu. A cabeça dela parecia uma ventoinha, sem saber muito bem para onde se virar e eu felicíssima por vê-la assim e por estar num ambiente que tanto me agrada. Dizer se ela gostou mais dos Dinossauros, do Laboratório Químico, do Museu da Medicina, ou do Planetário...não consigo, mas sei que vibrou, leu, questionou, observou, com uma sede que me encantou.

Aqueles claustros ganharam vida com ela a percorrer cada sala, cada corredor, cada exposição temporária. E teve tanta sorte que, perante uma exposição de autor, em que observávamos figuras mitológicas e perante os comentários dela, se aproxima de nós o próprio artista a explicar a sua obra e o que víamos. Édipo versus Electra e o próprio do Jorge Barreto a confidenciar-nos o que viu quando criou aqueles quadros. Ainda demos dois dedos de conversa acerca da mitologia grega e lá saímos daquela sala com um sorriso nos lábios.

E cada vez mais, tenho uma grande companheira para as lides culturais.






As asas são para voar

Mas nem eu voo, a não ser num belo avião, nem aquilo são asas, mas antes uns maravilhosos cristais.

at Museu Nacional de História Natural e Ciência de Lisboa

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Lá estou eu de volta aos copiões

Para que não restem dúvidas, a Iniciativa Liberal encostou-se à ideia dos senhores de Hollywood ou não!?

E o Missouri passou a estar bem mais perto da Praça de Espanha e do Corte Ingles... 


Amen!


Não dizem que o melhor lugar do mundo é aquele em que somos felizes?

Pois que há umas horas atrás este foi o nosso melhor lugar do mundo; foi um fim de dia com as duas pessoas da minha vida e com esta paisagem. Love them so much.


quarta-feira, 15 de maio de 2019

Um dos meus lemas de vida...


A última constatação da minha filha

"Mãe, eu sou monoparental!"

A verdade é que apesar de tudo, somos uma grande família.

terça-feira, 14 de maio de 2019

O que dizer de um pai que se recusa a contribuir em mais 0,50€ por dia para o sustento de um filho?

E que utiliza como desculpa que passa necessidades se o fizer, não obstante as despesas da criança sofram aumentos todos os anos sem qualquer actualização ou demonstração de boa vontade e ainda por cima atira para a mãe o ano da matrícula do carro com que a mesma circula e a inscrição constante nas etiquetas da roupa da criança?

Segurem essa mãe que com os 150€ que recebe por mês como contribuição para as despesas da criança em regime de "tudo incluído" como no Resort do Pestana, ainda é capaz de agarrar na fortuna e ir ali comprar um Maybach e com o que sobra ainda vai passar umas férias a Pucket! Tudo isto depois de garantir com estes mesmos 150€ a quota parte do sustento da criança.

Como se denomina uma pessoa destas?

Quando um pai usa a sua imaginação e engenho para ajudar a nossa filha a fazer um trabalho giro

...e o que irá sair daqui!?

Os telemóveis não passaram à final

Escolha acertada!

Será a vontade de Deus!?


segunda-feira, 13 de maio de 2019

A falta de educação que impera e que prolifera a rodos no Facebook

As redes sociais têm aspectos bons, menos bons e terríveis, mas também acabam por ser o espelho da sociedade, que está profundamente mal educada e aqui detenho-me nas minhas congéneres.

Abundam páginas de moda, vendas e afins, e não há uma publicação que seja, em que não apareçam comentários, invariavelmente com o seguinte: "Preço?"

Tratando-se de uma pergunta, muitas vezes nem o ponto de interrogação se dão ao trabalho de adicionar. E eu, embora não sendo nada comigo, fico irritada. É que nem um "boa noite", seguido de um "é possível dizer-me o preço por favor?", nada.

Também se seguem palavrinhas do género: "Tamanhos", "Cores", etc.

O "boa tarde", "boa noite", "por favor" e Cia é que não figuram no vocabulário destas pessoas. Irra!

Para certos espécimes, nem assim

Pobres filhas...

É muito importante que marquemos os outros pela positiva, seja em que contexto for e, de preferência desde sempre. Sermos eventualmente lembrados por termos sido o mal comportado na escola primária, o mal educado no liceu, o filho da mãe na faculdade, o/a amigo/a egoísta, o/a mau/má namorado/a, companheiro/a, marido/a...whatever, o/a mau/má colega de trabalho não é um bom augúrio mas, infelizmente é o que mais se vê por aí.

O curioso é que isto é tão pequeno, que acabamos por nos cruzar, ou cruzamo-nos com alguém que conhece alguém que conhece não sei quem e quando confluímos histórias é do caraças, literalmente. Outras vezes, vá lá saber-se o porquê, os contextos mudam, o ser humano precisa do outro, e alguém que já foi "vítima" voltar a cruzar-se com o seu "algoz", mas nesse momento estando num nível acima, também pode ser perigoso. Pode fazer vir ao de cima o que de pior tem a anterior "vítima" e pobre coitado do seu "algoz".

O que no fundo me faz imensa impressão é o facto de existir tanta gente que deixa exactamente o seu pior, seja no campo profissional, social, afectivo...pura inconsciência e falta de respeito, até por si próprio.

sábado, 11 de maio de 2019

A minha irmã já casou a melhor amiga

E eu...bom, não há meio de casar a minha irmã. Aquele papel de cunhada e depois de tia que me iria assentar que nem uma luva está difícil de me ser atribuído.

Sem sombra de dúvidas


quinta-feira, 9 de maio de 2019

Quando a prática de uma contestação se torna comum ou consecutiva, na minha opinião perde a credibilidade

É o que ocorre com as estruturas docentes e não docentes das escolas portuguesas. Posso ferir susceptibilidades, mas é a minha opinião e tenho direito a ela, basicamente porque também me afecta enquanto mãe e encarregada de educação.

Contestar sim, lutar por melhores condições sim, reivindicar idem, mas começa a ser absurda esta repetição em compasso binário do direito à greve, consagrado na Constituição da República Portuguesa que tanto respeito, mas honestamente, tudo o que é demais, enjoa.

Tudo isto porque amanhã vai realizar-se mais uma. Veremos de que lado do portão me fica a miúda.

Quando o subconsciente dos filhos nos enche o coração

Sim, foi assim que fiquei ontem à noite. Devia ser perto da meia noite e bateu-me assim uma saudade, fui ao quarto dela e a cria dormia profundamente, com um majestoso ressonar.

Ajeitei-lhe a roupa, dei-lhe uns beijinhos e nisto ela levanta a cabeça, continuando a dormir profundamente e diz:

"Mamã, eu adoro-te!" - e poff, deixa cair a cabeça novamente na almofada.

quarta-feira, 8 de maio de 2019

E há sempre coisas novas para comprar

"Preciso de uns ténis novos mãe". Não que eu até já não tivesse percebido que estes estão a dar as últimas, mas com esta constatação mais urgente se torna a compra.

Ganhei um "Paul"

Quando era miúda dizia que um dia iria ser rica, muito rica e perguntavam-me o que faria depois com o dinheiro.

Podia dizer de tudo, mas o meu sonho era ter um veleiro e uma casa muito grande onde existisse uma biblioteca enorme, com livros em estantes a forrar todas as paredes, do tecto até ao chão e muitas obras de arte. A ideia da biblioteca deve ter-me ficado pelo gosto imenso que sempre tive pela leitura e um nível de sonho imenso imaginar que poderia ter a biblioteca do "Nome da Rosa" na minha própria casa. Que ousadia a minha.

Não tenho a biblioteca, mas rodeio-me de livros em cada canto de casa e, em termos de obras de arte contemplo-as sempre que posso, tenho um quadrito de autor em casa que passa despercebido a quase todos, mas não a mim, um fresco que carrego comigo há quase 20 anos e umas réplicas dos meus quadros preferidos.

E eis que a mãe, que se foi passear por terras de nuestros hermanos e passou pela cidade natal do Picassi, lui mème e resolveu trazer-me o "Paul". Retrato do seu filho, pintado por ele.

E tanto que eu gostei deste presente. A questão que se coloca a seguir é: onde é que vou pendurar o retrato do Paul? E o engraçado que é a "Paula" mãe me ter oferecido o "Paul", filho do Pablo. Foi uma grande surpresa. Enquanto vou e venho coloquei-o numa prateleira da minha sala para onde dou comigo a olhar várias vezes - para ele e para a minha pequena inspiração, que é como quem diz, Unicórnio Magenta, my Best Daughter Forever.

terça-feira, 7 de maio de 2019

Sou a favor da diversidade mas...

Nem sei que diga...


A música não me diz nada, absolutamente e a imagem tão pouco me parece muito bem conseguida, mas depois do que se passou no ano passado, pode ser que esteja redondamente enganada.

segunda-feira, 6 de maio de 2019

Quando nada o faz prever, mas nós desabamos

Hoje foi mais um desses dias. A cirurgia aos pés não foi nada de mais, mas não deixou de ser uma cirurgia. Curiosamente o que eu pensava que me ia causar mais dor (que seria o osso) nem me incomoda, e o improvável, que até nem tinha sido planeado fazer antes da cirurgia, é que me está a causar desconforto. Tretas, desconforto o tanas; dor mesmo.

O corte no tendão dos dedos, e a sua recuperação. A recuperação do movimento, facto a que não ligamos no dia-a-dia. Tinha lá eu noção do quando flectia os dedos dos pés ao caminhar. É algo natural que nos últimos dias se transformou num pequeno tormento. Sei que durante uns dias vou estar assim e aos poucos melhorarei, mas a verdade é que não está a ser fácil.

Comecei no sábado a calçar ténis e a verdade é que não tem sido fácil voltar ao normal. Mas sinto que se não forçar, vai demorar mais e eu nunca fui uma pessoa com falta de coragem. Não, isso não era para uma mulher que se faz à estrada a conduzir o seu próprio carro, sozinha e em trabalho de parto. Mas tal como essa viagem me custou e só eu sei o que custou, estes dias também têm sido agrestes.

Hoje decidi que não podia mais permitir que a Unicórnio Magenta faltasse à natação. Cada vez mais perante estes percalços penso na finitude da vida e em como ela não pode mesmo contar com muito mais pessoas e talvez por isso faça o que posso e o que não posso para não lhe falhar. E mesmo assim, falho tanto…

Cheguei até ela já em modo sofrimento a 70%. Dores, pés inchados, quentes, a arder mesmo. Mas fui e lá nadou ela até mais não. No fim da aula o meu sofrimento já ia a 110% e já me sentia como se a minha própria face se arrastasse pelo chão. Ela não ajudou, mas o que esperar de um ser humano de apenas 8 anos de vida!? Estava a querer brincadeira no balneário e eu sem a mínima paciência e devia estar a transparecer um sofrimento tal que uma senhora sorriu-se para mim e disse algo como "pobrezinha, não está fácil".

Ultrapassados esses obstáculos, quase chegada a casa, não havia lugar para estacionar. Duas voltas dadas ao quarteirão e acabei por deixar o carro a uns bons metros de distância. Noutra altura não seria nada, mas hoje senti-os que nem as Vinte Mil Léguas Submarinas do Júlio Verne. E ela a fazer cena para sair do carro e birra por lhe ter pedido para me trazer uma simples garrafa de água vazia.

Mais uma vez ultrapassados estes senões, cheguei a casa, descalcei-me, coloquei os pés na tijoleira fria e que bem me soube e...chorei. Chorei de cansaço, de dor, desconforto, tristeza. A criança não tem culpa, nenhuma mesmo, mas a verdade, é que por muita ferrugem que eu até possa ter, não sou de ferro e há dias em que elas, as lágrimas entenda-se, brotam sem aviso prévio e pouca vontade de secar.

Hoje foi o dia, mas já passou. Amanhã será outro dia.


E depois dos combustíveis derivados do petróleo, o país vai voltar a parar

Me-Do. Esta ainda vai ser pior para muitas alminhas. Está aí a greve da Sociedade Central de Cervejas. Para o pessoal que gosta do malte e derivados e que, em muitos casos constitui a sua força motriz, vai ser gravíssimo.

Agora sim, o país pára e muitas mulheres vão respirar de alívio. A sessão de pancadaria e mau feitio lá em casa vai aliviar certamente. Dêem graças a Deus!

A dar forte na gestão de conflitos pela positiva

E dou comigo todos os dias, seja quando a deixo à porta da escola, seja quando lhe dou o beijo de "boa noite" a dizer:

"Olha que a mamã confia muito em ti e sei que não me vais desiludir. Vais portar-te muito bem na escola, trazer uma bolinha das boas para a mamã ficar ainda mais contente contigo! Não te esqueças, a mamã confia mesmo em ti!"

Ontem, resolvi dar-lhe mais um voto da dita confiança. Comprei-lhe a caderneta das "LOL" e um pacote com uns 7 conjuntos de saquetas. O voto de confiança chegou ao ponto de lhe passar a caderneta e uma saqueta para as mãos. Depois disse-lhe que lhe iria dando as restantes saquetas à medida que me fosse trazendo registos de comportamento aceitáveis, isto é, de verde para cima.

Pergunta seguinte sem pestanejar:

"Se amanhã trouxer verde, dás-me outra saqueta mamã?"

Lá le expliquei que a forma como vão sendo atribuídas as saquetas ainda está em análise, mas nunca uma bola verde dará acesso imediato a uma saqueta. Teremos que ir avaliando o comportamento e as atitudes ao longo dos dias e à medida que ela for provando que é merecedora de mimos, eles vão chegando. Mas também a cada mau comportamento, o adiamento para a recepção de saquetas vai aumentando, e nós queremos completar a caderneta, não queremos?

É um gosto negociar com ela, porque parece-me receptiva a esta nova fórmula. A minha expectativa que a coisa corra de feição é grande. Veremos...

"Three Billboards Outside Ebbing - Missouri" à portuguesa

Estava eu a chegar à Praça de Espanha e eis que vejo algo de "inovador". 3 Outdoors grandes, com fundo vermelho e letras pretas, meio inclinados e com 1 frase emblemática cada um, apelando o último ao voto na Iniciativa Liberal.

Muito bom, temos pessoas com ideias pioneiras!

domingo, 5 de maio de 2019

Foi um Dia da Mãe muito familiar e sem grandes devaneios e o que é que fizemos durante parte da tarde!?

Assistimos via televisão à final do Estoril Open pois está claro. E dei comigo a pensar: "abençoada seja a mãezinha que deu à luz este Tsitsipas!"

É que para além do miúdo ser bonito, joga que se farta.
When the body says run....run!

Greys Anatomy

sábado, 4 de maio de 2019

Está a crescer pois está claro

Perante a falta de movimentações e comentários relativos ao Dia da Mãe hoje, como quem não quer a coisa, perguntei-lhe se sabia que dia era amanhã e se não tinham andado a fazer na escola presentes para oferecer às mamãs.

Com o ar mais seráfico de todos os tempos fita-me e diz:

"Não mamã. Desta vez não fizemos nada. Porque no Dia do Pai perdemos muito tempo a fazer e agora tínhamos muitas tarefas e não deu, mas a professora disse-nos para não nos esquecermos de dar um grande beijinho às mamãs."

Tudo isto sem se desmanchar, ao que lhe pergunto:

Então quer dizer que caso eu vá agora fazer uma limpeza à tua mochila, não vou encontrar lá nada?"

….Sorriu.

Na Curva do Horizonte - Luis Represas.....que música linda

O Represas tem destas coisas. É capaz de nos brindar com músicas que tocam bem fundo, que nos arrancam emoções. Esta é daquelas que me provocam muitas emoções, uma certa tristeza, nostalgia, mas também esperança. É maravilhosa.

sexta-feira, 3 de maio de 2019

Coisas que nem sabia que existiam

Num tour romântico por essa ode ao consumo que é o IKEA, dei de caras com o gelado improvável. Já apanhei autênticas barrigadas com os chocolates, tanto que durante uns tempos me proibi a mim mesma de os consumir...mas perante a iguaria gelada, não resisti à tentação. E se é bom o raça do gelado.

Quer-me parecer que vou lá comprar mais.


Mas desenganem-se os Santos

Porque ao ter liquidado uma promessa indo ver o Dumbo, já fiquei com mais 3 por cumprir no cardápio. Ora vejamos:

  • Aladino
  • Rei Leão
  • Toy Story
E também quer ir a Espanha, Londres, Cabo Verde e Nova Iorque. E por mais que eu lhe diga que não tenho amigos como o do Sócrates, eu acho que fundo no fundo, ela não acredita.

quarta-feira, 1 de maio de 2019

25 anos depois, continua inesquecível


E porque as promessas são para se cumprir

E quando o alvo se trata de uma criança, ainda mais...lá fomos ver o Dumbo!

E a frase do dia passou a ser: "é tão fofo!"

E a conclusão da minha filha: "Nunca se pode tirar ninguém à sua mamã"
Sim, tenho um crush pelo Casillas há vários anos e fiquei triste ao saber que sofreu hoje um enfarte. Mais um homem novo, desportista, que aparentemente estaria bem de saúde. A vida não perdoa mesmo; num momento prega-nos rasteiras por isso, temos mesmo que valorizá-la e vivê-la o melhor possível junto dos que mais gostamos.

Mas a situação está controlada e o Iker é grande.