segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Foi um filme, mas a verdade é que na vida real, as mulheres quando querem ser "danadas" são do piorio

Ontem pus-me a ver um filme de que gostei bastante, embora ao início pensasse que o desfecho seria totalmente diferente. "Em parte incerta".

Primeiro é-nos mostrada a parte idílica e maravilhosa de um casal, em contraposição com o desaparecimento misterioso dela, no dia em que se cumpriam 5 anos de casamento. Depois começamos a perceber que afinal o casamento não era assim tão perfeito, começamos a desconfiar que o marido é que deu sumiço à mulher. E afinal foi ela que, por vingança, engendrou o seu desaparecimento, para que o marido fosse condenado por um crime que não cometeu.

Claro que tem episódios rocambolescos - temos uma mulher que parece perfeita, mas não o é, um marido que parece super apaixonado, mas também não o é e uma série de peripécias que levam a que ela, completamente alucinada da cabeça ainda assassina um ex-namorado que também utiliza para se safar, passa impune, conta ao marido, uma série de chantagens...e ficam juntos no fim.

Existem tanto homens como mulheres que precisam de facto ao longo da vida de umas boas lições e este enredo foi de mestre, mas simular a própria morte, para um marido que merece uma lição se arriscar a ele próprio incorrer numa pena de morte...é demasiado. A loucura do dia-a-dia que se encarregasse dele, credo. Nunca mais teria um minuto de paz na minha consciência, por muito mal que me tivesse feito...e eu sei do que falo.

Sem comentários: