Avançar para o conteúdo principal

Women's Day

Todos os dias deveriam ser o dia de todos os seres humanos, o dia da vida, sejam eles mulheres, homens, crianças e por aí. Acima de tudo é importante que o ser humano respeite o outro na sua essência, as suas limitações e as suas virtudes, a sua força e as suas fragilidades. Para uns a jornada é mais fácil do que para outros e por isso, devemos olhar para os que de nós mais precisam e transformar não só a nossa existência nalgo palpável e que perdure para lá de nós próprios como também utilizar o que de melhor temos para fazer a diferença e corrigir o que não é tão positivo.

Para o dia de hoje foi instituído o Dia da Mulher e como também eu, mulher, já passei por situações complicadas na vida, algumas das quais indesejáveis para o pior inimigo, tenho no meu pensamento as que sofrem, sem apoios, que se sentem sós e desamparadas, injustiçadas, violentadas, agredidas tanto física como emocionalmente. Que deixem brotar de si a força da natureza que são, a força da vida que conseguem dar e a segurança que só o seu regaço consegue dar a uma criança que só elas conseguem gerar e fazer nascer.

Cá em casa, desejo acima se tudo que a minha menina seja, daqui a uns anos uma grande mulher, com um bom coração e que aprenda com os erros da mãe que, nesta vida, para se vencer, temos que ser mais cabeça do que coração. Nunca passar por cima de ninguém, usar e abusar da coragem mas ser acima de tudo muito mais racional do que emocional.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes