Avançar para o conteúdo principal

What's the meaning of red rose petals inside my mailbox!?

A par com o grande enigma da vida, hoje afigurou-se-me mais um. Preparo-me para sair do prédio e vejo que a minha caixa de correio estava cheia, presumi eu que de publicidade. Quando a abro já a vociferar que nem ao fim de semana deixam de colocar papelada sou surpreendida com uma infinidade de pétalas de rosa, ainda por cima vermelhas, a cor da paixão.

Após o choque inicial, vieram as questões/pensamentos/suposições:
    • Serão para mim?
    • Será que a minha filha tem algum admirador secreto romântico?
    • Será que sou eu que tenho algum admirador que ainda por cima sabe onde moro?
    • Não é nenhum dia especial, porquê hoje?
    • Será que eram para uma vizinha e se enganaram na caixa, e agora fiquei eu a ganhar aquele gesto de romantismo todo? - vejam lá, não quero problemas com a mulher de ninguém
    • Se são de facto para mim, porquê o anonimato? A pessoa será tímida? Será o George Clooney que não quer que a Amal sequer desconfie, não vá isto fazer capas de revistas?
Pois, "só sei que nada sei". A verdade é que a caixa do correio nunca esteve tão bonita, alegre e florida e se de facto se destinavam à minha pessoa, foi algo inesperado mas muito bonito. Haja alguém romântico nesta vida, porque eu estou a perder precocemente essas qualidades. 

A minha sugestão é que há que ter cuidado com a escolha das flores e da côr - rosas vermelhas são paixão, não é coisa que se dê a qualquer uma, mas como também são anónimas, não há perigo, também é certo. E assim fico com mais um momento insólito e inexplicável para mais tarde recordar com carinho. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.