Avançar para o conteúdo principal

Se me perguntarem qual o defeito que mais abomino num ser humano

É de facto ser mentiroso. É dos piores defeitos que uma pessoa pode ter, porque o mentiroso é capaz de atirar um inocente para a cadeira eléctrica nos países em que esse método ainda é utilizado. Nos outros, atira-o para a forca.

Já fui penalizada por ser honesta demais, mas não quero saber, prefiro ser assim, do que usar subterfúgios para enganar, usar, fazer crer que sou algo ou alguém que não sou, mas já fui "vítima" de muita mentira, infâmia, omissões graves que até a minha vida em risco puseram, a da minha filha e afins, pelo que, quando chegamos de facto a uma certa idade, começamos a não ter muita paciência para certas atitudes e comportamentos e, se o caso for irrelevante, ignora-se, se não for, parte-se para instâncias superiores - os tribunais por exemplo, existem para os homens, não para os bichos, e infelizmente há seres humanos que só aprendem as coisas à lei da força...outros nem assim, mas continuo a manter quela obstinação que tinha aos 20 anos ao pensar que podia mudar o mundo - não mudo, eu sei, não tenho esse poder, mas posso moldar algumas coisas, aquelas que eu consigo controlar.

Quem me conhece, já me conhece as sagas. A do Condomínio é mais fantasmagórica do que a Twilight, com muito mais episódios do que a série Dallas. Pois que agora, perante umas cobranças coercivas que me vi obrigada a executar, há lata para uns dizerem que não tinham conhecimento (quando foram notificados para tal com as devidas formalidades e provas), outros que nunca se recusaram a pagar (quando disseram na minha cara e com testemunhas e insultos à minha pessoa "Eu não pago") e agora que chegou a "hora do vamos ver" vêm com falinhas mansas, a enaltecer dificuldades e sensibilidade da minha parte.

What?? Primeiro insultam e depois querem comiseração? Como me diz um amigo Procurador do MP, deveria ter resolvido logo os insultos com uma queixa-crime - não que resolva, mas atemoriza certas almas inquietas. Para a próxima é o que segue. Por outro lado, a verdade é que tenho pena, que as pessoas sejam assim, que as águias se transformem em pintos feridos, desdigam o que disseram e relevem certas atitudes - mas a verdade é que estou mesmo a borrifar-me para isso.

Sim, chamem-me fria - demorou, mas foi preciso ser maltratada uma vida inteira em várias vertentes para aprender., inclusivamente por pessoas de quem gostei. Agora, não estou nem aí, "temos pena". Importância a quem a tem e deixar de perder tempo com questiúnculas absurdas e seres humanos com fraqueza de carácter. Se me vejo livre desta treta do Condomínio até julgo que é mentira, mas a verdade é que todo o processo me tem ensinado que o ditado está certo "quem poupa ao seu inimigo, nas mãos lhe vai cair" e de facto não me apetece poupar.

Venham pessoas com uma boa aura, com bom fundo, honestas....de escroques está o mundo cheio.







Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.