Avançar para o conteúdo principal

Nenhum "pai" deveria conhecer a dor de perder um filho

É contra-natura, ponto. Não estamos sequer formatados para isso. Seja o filho um bebé, uma criança pequena, um adolescente, um adulto em que faixa etária for. Enquanto mãe ainda vou na fase da "criança pequena", mas tenho a certeza de que, tenha ela a idade que tiver, vai ser sempre a minha bebé, a minha menina.

Vou lembrar-me sempre dos meses em que tive 2 corações a bater no meu corpo, vou lembrar-me daquele longo e quente 4 de Julho de 2010, dos primeiros dias, da primeira fralda, da amamentação, das noites mal dormidas, cólicas, sorrisos, birras e espero viver para a acompanhar em sucessos, insucessos, disparates (quem não os faz, embora espere que poucos, pelo amor de Deus) e mesmo com muitos disparates, vai ser sempre a minha menina.

Não, acredito que não vou dar-lhe sempre palmadinhas nas costas nem tão pouco quero que ela se ache o supra-sumo; a minha filha tem defeitos como toda a gente, e serei a primeira a admiti-los, mas se tiver a grandeza de tentar ser um pouco melhor todos os dias, e com carácter, será certamente uma grande mulher.

Quando chegar o meu dia, quero partir e deixá-la por cá a seguir o seu caminho segura, firme e com princípios; e não só a ela, como aquela que foi a minha primeira bebé, a minha irmã que, apesar dos 30 anos, continua a ser outra bebé para mim.

Não, definitivamente não estou formatada para ver partir gente que para mim será sempre miúda.

Por isso hoje estou em dia de alguma reflexão - acordar de manhã e receber a notícia de uns pais que conheço terem perdido em menos de 1 ano, 2 filhos - é de loucos. Como é que se sobrevive após a morte de um filho....e após a morte do 2º, filhos com uma vida inteira pela frente!?

Deus lá sabe o que faz, mas eu na minha imperfeição juro que não entendo onde Ele quer chegar - talvez o Represas tenha razão, Deus vai chamando para junto dele os que mais ama, mesmo retirando-os aos que mais os amam.

Descansem em Paz.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes