Avançar para o conteúdo principal

Hoje, depois de falar com uma amiga que está prestes a ser mamã outra vez

depois de termos falado de tantas coisas e da sempre sensatez e das suas palavras certas na hora certa, a sua inteligência, o seu brilho...L. ficaram cá muitas das dicas de hoje, ficaram mesmo!

E é inevitável virem-me à memória os meus últimos tempos de gravidez, pré e pós-parto.

Hoje a lembrança está naqueles momentos de stress que pareceram horas em que tudo se complicou e lá fui eu para o bloco cirúrgico, expectante, mas com medo do que ia acontecer a seguir.

Tudo com cara de caso e eu, no mínimo assustada. A parte do que se fez ou não, do que doeu, ou não...já passou.
Recordo por momentos dizerem que a minha tensão estava a baixar muito...plof. Depois, abrir os olhos de novo e ouvi-los com sons de preocupação a dizer para eu fazer o máximo de força que conseguisse. Deixei de estar ali naquele momento outra vez.
...quando voltei lembro-me de um sumido "eu não consigo"....e todos eles na equipa felizes e a darem-me tantos beijinhos e a dizerem para olhar em frente e ver quem estava ali a olhar para mim.

Uns olhos enormes rasgados, o cabelinho liso escuro e umas bochechas muito semelhantes às minhas quando nasci. A paixão já existia, naquele momento foi apenas sentir...e senti.

Curiosas são as minhas preocupações seguintes:

Ela chorou? Quando? Foi num dos momentos que eu "apaguei" e não ouvi o promeiro choro.
Ao que me contaram foi potente e logo ao 1º minuto.

O APAGAR....como foi??? E eles, com a sua paciência, 9 e 10. Pensei, bem, tenho guerreira.

Viram as horas??? A que horas ela nasceu?....naquele mommento eu já tinha perdido a mínima noção se era dia ou se já era noite.

E a última: o kit da criopreservação está ali, nós vamos doar, não se esqueçam de retirar o que é necessário.


Levaram-na para a sala ao lado e eu via os pézitos a dar a dar; e um médico ainda bastante jovem, com uma cara, pediu licença para me dar um beijo na testa e depois disse-me: uma mãe tão bonita, só poderia ter uma bebé à sua semelhança. É linda, e está ali quentinha à sua espera.

Não via a hora para sairmos daquela sala fria com holofotes apontados para mim, apetrechos gélidos, tipo fórceps e afins...mas fui tratada que nem uma princesa.

Depois de tudo deu-me uma fome desgraçada e até tive direito a escolher o que queria jantar...foram momentos que jamais esqueço.

E por momentos parece que ainda estou a pairar sob aqueles momentos e não sou eu que lá estou...e no fundo, estavam ali duas corajosas que se começaram a amar muito antes de todos os outros sentirem, perceberem ou conseguirem compreender a simbiose que se passava nos nossos corpos.

E o amor continua a crescer....mesmo quando ela faz birras e atira os brinquedos para o chão....é um amor que sinto por ela que nunca pensei que fosse assim.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.