Avançar para o conteúdo principal
Era algo que andava a adiar, talvez por um desejo mórbido de querer que o tempo tivesse parado lá atrás e ela estivesse prestes a nascer.

51,5 cm de gente, 4190 gramas, muito cabelo e os olhos rasgados achinezados como os da mãe.

A roupa de recém-nascido nem chegou a vestir, sabe-se lá o porquê de ter nascido como se de uma bebé de quase 1 mês se tratasse.

E eu continuava a conservar como se as fosse utilizar amanhã, aquelas peças mimosas que com tanto gosto lhe fui comprando enquanto ela crescia no meu ventre.

Pois que hoje, como me comentou o meu amigo P. "todas as grandes viagens começam com um primeiro passo".

E foi de facto o dia em que retirei das gavetas e do roupeiro peças pequeninas, muito pequeninas e que tão presentes estão ainda na minha memória.
Sapatinhos, meinhas, gorros, lençóis de alcofa, os primeiros brinquedos...tudo religiosamente tratado para o seu destino.

...e assim começou a fase de encaixotar, porque a grande viagem está a começar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes