sexta-feira, 7 de junho de 2013

A arte de reclamar

Se há característica que tenho é a assertividade; nem sempre a aplico, é certo, mas nas situações em que a mesma se impõe, valho-me dela como ninguém.

A falar é que as pessoas se entendem, sei e gosto de elogiar e enaltecer o que é bom, mas se a coisa corre mal, não me venham com tretas porque reclamo e não me calo.

Não sou mal educada, mas não posso ser simpática se estou chateada; agora se saltarem para mim com má educação ou me tocarem no ponto sensível, aí sofrem as consequências; não gosto de prejudicar ninguém, sobretudo quando se fala em termos profissionais e que se impõe termos que pôr alguém em causa, mas se não vejo uma tentativa de conciliação ou de resolução do problema, confesso que vai à bruta - se for preciso falar com o chefe falo, com o director, com o polícia, com o juiz, com o presidente disto tudo...mas enquanto eu sei que tenho a minha razão, não brinquem comigo - sou assim!

Também sou a primeira a pedir desculpa e culpabilizar-me para o resto da vida quando faço porcaria e trato de emendar e corrigir da melhor forma que sei os erros que cometo, portanto espero apenas que comigo façam o mesmo - é simples.

Pois que por alturas de há uma semana atrás recebi um email da loja de brinquedos Imaginarium com um convite para ir participar numas actividades do Dia da Criança com a minha filha e que todas as crianças (sócias) teriam direito a receber uma lembrança.

Fiz-me sócia da loja quando a minha filha nasceu, grande parte dos brinquedos dela são de lá e fiquei sempre muito satisfeita com a forma como tratam os clientes (as nossas crianças), a tipologia dos brinquedos, a disposição das lojas...é um sítio em que me sinto bem e tem coisas super engraçadas e para todas as bolsas.

No sábado, respondendo ao "apelo" lá passei numa loja deles com a Bébécas para ver as tais actividades que incluíam pinturas faciais (a minha pequena não participou pois tem uma pele muito sensível e para além de não saber qual a reacção daquele àquelas tintas, faz-me imensa confusão estarem a pincelar a cara de toda a gente, e batom nos lábios e não sei quê, e para mim esses utensílios devem ser pessoais e intransmissíveis e impartilháveis) e dirigi-me ao balcão a solicitar a tal lembrança.

A criatura no balcão olhou-me com algum desdém, e de uma forma de quem está a fazer frete e é mal educada respondeu assim:

 - "Não temos nada disso, leu mal, o que temos é um puzzle mas tem que fazer uma compra".

Torci o nariz, contei até 10, estava acompanhada pela minha filha e não só, estávamos a ter um dia divertido e optei por não me aborrecer naquela altura, mas registei. Um ou dois dias depois lá tive que fazer jus ao meu carácter e mandei-lhes um email a relatar o sucedido, e lamentavelmente tive que dizer que a senhora foi mal educada, porque o foi.

Já nem me lembrava da situação, não tivesse hoje recebido um email da atenção ao cliente a pedirem muitas desculpas pelos transtornos causados a mim e à criança, que de facto não teria que fazer compra nenhuma uma vez que a Bébécas é sócia e que portanto me posso dirigir a uma loja deles com o email que me enviaram e a lembrança ser-nos-á entregue conforme deveria ter sido logo no início.

Enfim...é o país que temos e os maus profissionais com que temos que nos cruzar pelo caminho; confesso que nunca esteve em questão o facto de ter havido uma incompreensão da notificação deles pela minha parte, pois prezo-me por perceber o que leio à primeira e caso a funcionária tivesse sido educada até na forma como disse que eu teria que fazer uma compra, eu tê-la-ia feito ou não, mas não tinha reclamado - é daquelas coisas; agora com faltas de educação à mistura, sinceramente vem tudo à baila, não há pachorra.

Sem comentários: