Avançar para o conteúdo principal

Para os pézinhos dela

in Calzedonia

Manter a minha Bébécas calçada em casa é uma tarefa complicada; no Verão não me importo minimamente, agora com este frio, não convém mesmo nada.

Se bem que eu não sou o melhor exemplo a seguir, pois adoro andar descalça mesmo que o solo se assemelhe a um bloco de gelo, mas eu já sou velha!

Mas todos sabemos que o melhor para os pés, sobretudo das crianças é andarem descalços ou com sapatos o mais maleável possível; pois bem, como andamos a guerrear deste o início da estação fria entre, calça os sapatos, calça os chinelos, calça as pantufas e ela já com ar provocatório a tirá-los constantemente, tive que arranjar algo apelativo e que ela associasse a uma pequena aventura - tem que ser assim!

A avó ofereceu-lhe umas em formato de sapo, eu ontem entre outras, trouxe-lhe umas da Calzedonia com motivos de Natal, um pinguim todo catita e ela gostou.

Resumindo, agora não percebe porque é que só pode usar as meias em casa, porque é que aquelas meias não são para dormir e porque é que não as pode levar para a rua.

Oh my God; torna-se complicado sair com ela de casa com aquilo na cabeça e eu ter que apelar à minha imaginação e capacidade criativa para inventar qualquer coisa para ela se distrair e deixar de lado a ideia de sairmos com aquelas meias nos pés.

Mas resultou, em casa não as tira de facto e anda sempre com os pés quentinhos!







Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes