Avançar para o conteúdo principal

A caixinha dos olhos da mamã

Ontem um pequeno incidente daqueles que acontecem a quem usa lentes de contacto, valeu-me uma dor que se assemelhava a alfinetes a serem espetados no meu olho esquerdo, fiquei com a vista um pouco inflamada e tive que ir a casa buscar os óculos, pois não via nada :)

Com caixas de lentes para cá e para lá, agora uns dias de óculos para descansar o olho magoado, a minha filhota apanhou uma caixinha e saiu-se com esta:

"É a caixa para pôr os olhos da mamã!"

E explicar a uma criança de 2 anos que a mamã não vê lá muito bem e que tem que usar aquelas coisinhas no olho para ver melhor, mas que aquelas coisinhas não são o olho!

Comentários

Suse disse…
Ai credo, ainda hoje de manha tentei meter uma lente no olho quando o mesmo tinha duas (sim DUAS) pestanas lá dentro! Credo, pensei que ia ficar cega! Aquilo fez tanta impressão!! Ahahahaha, coitadinha, ela ainda não percebe :p

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes