quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Pode parecer pura divagação, mas não o é, de todo.

Custa-me como ser humano testemunhar em primeira mão que as pessoas ou não têm sentimentos, moral, compaixão, respeito, e custa-me também que outras o adquiram após sofrerem alguns desaires na vida.

Tal como a Terra que é redonda, tal como as marés, que vão e vêm, Charles Chaplin já o dizia - "a vida é um palco de teatro que não admite ensaios."

É impossível ter-se uma vida plena e recheada de tudo de bom, tal como o contrário - há e haverão sempre momentos melhores e piores e se na nossa existência não aprendermos a ser pessoas melhores, estivemos cá em vão, apenas isso.

Acho que o sofrimento que algumas pessoas imputam a outras em vida, sofrimento esse desnecessário, não tem perdão. Fazer por vingar esse sofrimento, também não vale a pena, mas o sofrimento deixa marcas profundas e há factos inesquecíveis, até por serem ou terem sido praticados por quem menos esperávamos.

Se me perguntarem, ou me dessem a escolher qual a penalização para quem o fez, a minha resposta continua a não ser a politicamente correcta - o meu processo de aperfeiçoamento pessoal ainda anda devagarinho, mas uma coisa eu sinto - não merecia ter sofrido o que sofri.

Sem comentários: