domingo, 15 de setembro de 2013

O descanso da guerreira

Durante o dia tenho momentos em que anseio que ela durma nem que seja meia hora para eu respirar fundo e fazer alguma coisa com um princípio, meio e fim.

Hoje foi um desses dias, dada a hora madrugadora a que acordou, com uma energia exponencial, já não sabia o que havia de lhe fazer; a seguir ao almoço, esgotada de todo, adormeceu sem ter que lhe dizer nada - lá andei eu atenta ao xixi, não fosse acontecer um acidente, mas não. Acabei por acordá-la por voltas das 4 da tarde, para ir brincar até ao parque e foi uma loucura; ela não quer saber se os outros meninos são maiores, se brincam com ela ou não, corre, esbraceja, ri, grita...uma pessoa fica feliz só de a ver assim, livre.

Lá ia para os escorregas maiores e eu a achar que não ia conseguir subir, até uma mini-escalada a miúda me fez e o maia difícil foi tirá-la de lá.

A água do banho saiu preta, jantou num ápice e lá foi para a camita sem grandes dramas, apenas a "implorar" que eu fosse dormir com ela, agarrou-se ao meu pescoço, deu-me beijinhos e adormeceu.

Fui lá agora ver como estava, tirar alguns bonecos que estavam a mais, aconchegar-lhe a roupa, olhar para os brinquedos todos nos seus devidos lugares e de facto já não estou habituada a este lacónico sossego; entrar ali e estar tudo assim, faz confusão...dorme que nem uma princesa (sempre me fez confusão dizer que as crianças dormem que nem um anjo, se bem que seja mesmo isso que parece).

Sem comentários: