terça-feira, 14 de junho de 2011

Depois de saber da notícia triste da partida dele

ao falar com a M. lembrámo-nos da pessoa que ele era, do colega bem disposto e fomos atrás no tempo, recordámos que já tinhamos passado por uma perda de um membro do nosso núcleo estudantil.

Estavamos no ano de 1996 e, "aproveitando" o fim do segundo semestre a nossa amiga e colega S. lá foi fazer a sua cirurgia ao coração, uma questão de válvulas, ao que parecia uma coisa simples, regressou a casa dois dias depois.

E nesse depois foi tudo um pesadelo, ela estava bem, andou a arrumar o quarto, e recebemos a chamada a informar do falecimento dela...uma jovem de 19 anos, no auge e no brilho da sua juventude, toda orgulhosa do seu estatudo de estudante universitária, a carta de condução recente...e partiu...e lembro-me daquela noite em que nos despedimos dela na igreja dos Olivais, e lembro-me do sofrimento da sua mãe ajoelhada no topo da sua urna, como que pedindo uma troca de lugar.

São momentos tristes estes quando vemos partir os nossos e tão jovens, e depois de tanto sofrimento.

3 comentários:

A Menina dos Louboutin disse...

Nós tb perdemos uma das nossas maiores e melhores amigas há quase 2 anos... é terrível. Aquele sentimento de impotência e enorme vazio...

pandora disse...

também me lembrei muito da susaninha. E não tenho pensado noutra coisa do que na dor daquela mãe. Agora que somos mães conseguimos imaginar, não é?

Brown Eyes disse...

É mesmo Lia - nós às vezes diziamos, ah e tal, imagino o que será a dor de uma mãe; mas agora sim, agora conseguimos imaginar a dor imensa; não há palavras. Devem ser momentos terríveis.

Beijinho