segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Sr. Professor Claude Lévi-Strauss, venha lá dar uma aulinha à Bébécas por favor

A inocência delicia-me; mas quando se perde e algumas pessoas se tornam más, é uma tristeza.

A minha filha começa a aperceber-se das diferenças de género, raça e etnias, mas, quanto às duas últimas, simplifica tudo de uma forma enternecedora.

 - As pessoas mais morenas, sejam mestiças, ou não, são todas castanhas como nós (eu e ela)
 - Os asiáticos, são todos senhores/senhoras chinesas
 - Os negros...bem, negros mesmo retintos, exclama com alguma estranheza que são "pretos" - lá ando a explicar-lhe que as pessoas são negras, mas ela diz que não e faz a analogia:

"Não mamã, aquele senhôle é pêto como as oleilas do Mickey, não vês mamã!?"

 - Todos os "pingo de leite", caras pálidas e afins são para ela os "cor da pele".

Portanto, para a minha filha, a avó, a tia, o Honey, são "da cor da pele", eu e ela somos castanhas e a vida é tão mais simples assim.

1 comentário:

Saltos Altos Vermelhos disse...

A vida é simples :) nós é que complicamos! E as crianças não :D