quinta-feira, 28 de agosto de 2014

O uso do "você"

Sinceramente é algo que me incomoda ouvir as pessoas tratarem um interlocutor utilizando um ostensivo "você".

Tratar uma pessoa com deferência e educação, não passa por tratá-la por "você isto, você aquilo"; portanto, Você é estrabaria, tenho dito.

Nunca tratei a minha mãe, o meu padrasto, avós, pais, tios, por tu...jamais. Por nada em especial, por uma questão de educação apenas. A minha mãe trata-me por tu, mas muitas vezes, ainda hoje é capaz de me dizer "a menina isto, a menina aquilo".

A minha irmã, 10 anos de idade a menos do que eu, já é mais libertina. Resumindo, em termos de família, por tu, só mesmo os primos e os meus tios mais novos, que são mais novos do que eu, e sinceramente vejo-os mais como primos.

Mas tão pouco me dirijo às pessoas com um "você quer isto!?", "você acha!?" - mas antes "a Mãe quer isto!?", "a Mãe vem connosco!?" e assim sucessivamente.

Portanto quando oiço o Cristiano Ronaldo a tratar o Sr. Silva (que não deixa de ser o nosso Presidente), ou, hoje por exemplo, a Judite de Sousa por você, até fico arrepiada. É estrebaria caramba; ensinem lá o jovem que fica feio falar assim.

Em toda a minha vida, apenas trato uma criatura com um ostensivo você, exactamente por se tratar de um arrieiro, um pulha, que no fundo é você. Agora a pessoas de bem, utilizado dessa forma, não fica bem, de todo.

1 comentário:

Marta disse...

Concordo plenamente com tudo o que escreveste. Eu vou até is longe, e sempre tratei pais, avós paternos e há anos uma das bisavós por `tu`, e não me peçam para deixar de o fazer que não consigo. Não considero falta de educação mas sim intimidade. Nem eu gostaria que um filho meu tratasse pais e avós por `você` ou `sr`, a menos que não houvesse intimidade, amizade ou à vontade suficiente. Existem pessoas que insistem tanto nesses termos e nem por isso têm um pingo de educação.