sexta-feira, 19 de abril de 2013

Pessoas que não dominam a sua área

Um facto que me irrita bastante é existirem pessoas que, sendo natural que conhecessem a área em que trabalham, pareçam um burro a olhar para um palácio se lhes perguntamos algo que não é corriqueiro.

Aconteceu-me com uma professora de Filosofia andava eu no 11º ano; eu fazia perguntas interessantes à senhora e ela nunca sabia responder, dizia sempre que tinha que ir pesquisar em casa e logo me respondia; cheguei a uma altura em que percebi que apesar da tenra idade, percebia eu mais daquilo do que ela, e, para ser ver livre das minhas questões deu-me um 19 e ficámos arrumadas.

Hoje, noutro contexto, mais uma pequena irritação; a fase do desfralde da Bébécas não está a ser nada fácil, e por vários motivos; estou a fazer o meu melhor, motivo-a, ensino-a, mas os avanços e recuos têm sido constantes, algo que não deixa de ser normal.
Há crianças que são mais precoces numas coisas do que noutras, e a minha filhota em termos de deixar as fraldas está a criar-me alguns dilemas.

Pois que decidi que, para ajudar a normalizar o processo, vou ter que lhe arranjar um bacio portátil; a ida às casas de banho públicas não me agrada, nem mesmo segurando a criança como qualquer mamã faz, fico sempre com o receio de tocar na retrete, algo que sempre me enojou, desde os meus próprios tempos de criança.

O bacio dela de casa da Fisher Price é grande, logo, não dá jeito andar com ele atrás, o da avó é da Chicco, e idem.

Portanto à hora de almoço fui à Chicco e pedi com a maior das naturalidades um "bacio portátil"; a senhora esbugalhou os olhos, fixou-me como se eu fosse um extra-terrestre , mostrou-me um bacio normal e eu disse, não, o que pretendo é um bacio portátil, para levar para a rua, com recargas e tal...

A senhora nunca tinha ouvido falar, não sabe de que se trata e ficou a pensar que sou louca!

Bolas, trabalha numa loja de crianças e não sabe que existem bacios portáteis???

Enfim, santa ignorância...



2 comentários:

Anónimo disse...

Até compreendo que não saibam do que falo; o que me chateia mesmo é a forma como olham para nós e permanecem na ignorância. Se eu estivesse no lugar da senhora que te atendeu, ficava interessada, perguntava detalhes. pedia o teu número para, depois de pesquisar, poder dar-te uma resposta (sabe lá ela se um dos fornecedores não tem isso e nunca mandaram vir, por ter pouca procura?!). Acontece-me imensas vezes, quando vou ao Brio ou Celeiro (por exemplo), e peço coisas que que não têm. Olham-me como se fosse doida em vez de procurarem saber do que falo. O ridículo é que passado meses lá começa a aparecer nas prateleiras, porque alguma estrela disse que usava. E as senhoras da Pollux?! Uma vez procurei frascos especiais para germinar sementes (para uso alimentar - toda a gente já comeu rebentos de soja, não?). E as senhoras a insistir comigo que eu queria era o substrato não sei de quê, que havia na secção de Jardinagem, insistirem comigo que não existe o que eu pedia (quando no fundo eu só queria um frasco com uma tampa furada!). Depois queixam-se que as pessoas se virem para as compras online...

(Alguma vez te contei aquela da pele de pêssego? Uma senhora na sapataria, a quem perguntei que tipo de pele era a do sapato (eram para o meu Pai) e ela diz-me "É pele de pêssego!", e eu, "Sim, mas é de que animal?", e ela "Então, é pele de pêssego...", e eu "da fruta, do pêssego?". Entretanto já trocava olhares com a colega dela, reviravam os olhos, etc. E eu perguntei "A senhora acha mesmo que pegam nos pêssegos, os descascam e com isso fazem sapatos?", e ela, indignada, "sim..." e lá me fui embora.)

Brown Eyes disse...

Sem dúvida, é isso mesmo o que sinto! Mas essa situação da pele de pêssego é hilariante - como é que é possível haver gente tão ignorante...não acho normal.