quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Se há coisa que me irrita


É o facto de ser constantemente bombardeada com propostas de crédito, créditos pré-aprovados, financeiras acerca das quais jamais ouvi falar e nem quero a proporem-me a realização rápida dos meus projectos, blá blá blá.

Com os bancos com os quais trabalho já tive uma conversa e funcionou; apenas aceito propostas comerciais feitas directamente pelos meus gestores de conta, sendo que a palavra crédito é proibida...prefiro falar em aplicações financeiras ou estou totalmente receptiva a que me ajudem a poupar o mais possível os meus rendimentos.

Agora ligarem-me do banco X, do qual até nem gosto, ou da financeira Y com a qual nunca quis nada a tentarem vender-me a banha da cobra em formato nota de 500 euros, é de mau tom.
Já chega de tentarem enterrar ainda mais as pessoas do que elas já estão. Mas tudo bem, todos temos o nosso livre arbítrio e há quem goste, e faça da sua vida um crédito pegado, muitas das vezes não só para se cativar a si próprio, mas acima de tudo para mostrar a outros aquilo que não é e aquilo que não tem...mas, da sua vida, cada um saberá. Por isso até acho que o conceito de fiador é um disparate. Uma pessoa não paga, não honra o seu compromisso, perde o pouco que terá investido e o resto paga na cadeia, que também é para isso que elas existem.

Mas enfim, o que se pretende é que, para quem não está de todo interessado em contrair mais créditos do que o "infelizmente" necessário, não gastem papel, selos, envelopes, chamadas telefónicas e sobretudo não façam uma pessoa perder tempo, porque este urge e é dinheiro!

1 comentário:

Rafeiro Perfumado disse...

Acho que ainda pior são aqueles créditos pré-aprovados que nos chegam a casa pelo correio. Para quem esteja aflito, é tentador, mas no fundo apenas vai servir para o enterrar ainda mais, tal os juros que são cobrados.

Beijoca!