quinta-feira, 26 de março de 2015

Adensam-se as teorias (o que é compreensível) acerca da queda do avião em França...e eu até fico a sentir-me mal só de pensar naqueles últimos 8 minutos de vida de todas aquelas pessoas.

Lembro-me de ouvir a minha avó dizer, no final da sua luta de 10 anos contra o cancro que "para morrer, não era preciso sofrer tanto". Acredito que aqueles 8 minutos que em certas ocasiões quase parecem uma fracção de segundos, devem ter sido tão longos e angustiantes, que, passo o clichè, aquelas pessoas ganharam o céu.


Sem comentários: