Avançar para o conteúdo principal

Quebrar Regras (...só para quem pode!)

Se há característica que eu admiro nos seres humanos é a posse de sentido de justiça, e se valorizo essa qualidade nos outros, posso dizer que também eu tento na medida do possível sê-lo nas diversas situações do dia-a-dia.

Uma das notícias do dia de hoje é que o nosso excelentíssimo Primeiro Ministro José Sócrates no seu voo para Caracas a fim de ter um encontro com o sui generis Hugo Chávez, terá fumado uma quantidade generosa de cigarros, a par com tantos outros membros da sua numerosa comitiva.

Eu até simpatizo bastante com o Sr. em questão, considero-o um bom político, lá vou concordando com algumas das suas medidas mais ou menos polémicas e acho sinceramente que, apesar da conjuntura, será um dos melhores primeiros-ministro que tivemos nos últimos anos.

Mas...pasme-se o descaramento. Se desde o passado dia 01 de Janeiro vigora a lei da proibição de fumar em espaços fechados devidamente identificados, aeronaves incluídas, porque raio é que uns podem e outros não?

Se vivemos numa democracia, por vezes tenho as minhas reservas, já que um dos seus principais fundamentos é a igualdade de direitos e de deveres, válido para todos sem excepção.

Pois aqui lanço o desafio...experimentem lá a acender um cigarro num voo para um destino mais ou menos longínquo, fumem descaradamente e depois venham lá contar-me o que vos aconteceu.

Comentários

Unknown disse…
É o país e os dirigentes que temos...
não admira que se dêm bem com o Chavez!!!
Não digo mais nada...
Beijo
Pipas
Unknown disse…
O termo justiça (do latim iustitia, por via semi-erudita), de maneira simples, diz respeito à igualdade de todos os cidadãos. É o principio básico de um acordo que objetiva manter a ordem social através da preservação dos direitos em sua forma legal (constitucionalidade das leis) ou na sua aplicação a casos específicos (litígio). @ Wikipédia.

O "nosso Socas" têm o hábito de pedir sacrificios aos portugueses. Têm mandado uns "cães de caça" denominados ASAE, para caçar os fumadores... e no entanto, o sr esquece-se do que pediu...
Brown Eyes... tenho a certeza que se fosse eu a fumar no dito avião (eu que até nem fumo) tinha sido posta fora do avião com um paraquedas roto e quando chegasse ao chão... já morta... os meus familiares tinham que pagar uma multa...

Jocas
Sofia
Anónimo disse…
Isto é ser como o frei Tomás: façam o que ele diz e não o que ele faz...
Infelizmente neste país os que legislam, são os primeiros a prevaricar...

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.