Avançar para o conteúdo principal

Sim, reclamo amiúde é verdade

Mas sempre que o faço, seja em que contexto for, tenho 300% de razão. Desde os aspectos mais pessoais até aos institucionais, a verdade é que nem sequer sou pessoa para reclamar à primeira. Tenho o chamado pavio curto, é certo, mas dou sempre o benefício da dúvida, até que me canso e...reclamo!

A minha saga com o Condomínio daqui a nada ultrapassa a saga das obras para a finalização da Sagrada Família. Em cada coisa que mexo, sai confusão e daquela pesada, chatinha e que só me faz perder o meu rico tempo.

Ah e tal, os edifícios têm que ser reparados de 10 em 10 anos; as autarquias podem multar e dão prazos reduzidos para se regularizar e aplicam coimas.

Pois muito bem, e será que eu como munícipe também posso aplicar uma coima à Câmara Municipal por ter dado entrada no passado mês de Novembro com o pedido de autorização de colocação dos andaimes na via pública e 3 meses volvidos ainda continuar à espera!? Acaso sabem que os orçamentos para este tipo de obra têm validades reduzidas, deu-se uma mudança de ano civil e os preços aumentam?
É curioso que a partir do momento em que recebo a notificação para pagar o IMI, tenho no máximo 25/30 dias para o liquidar, nos anos em que a coisa corre bem, porque a minha mãe por exemplo no ano passado recebeu uma das notas de cobrança 8 dias antes do fim do prazo.

Ah e tal, mas os proprietários sabem quais as épocas legais para pagar os seus impostos municipais! Sabem!? Eu não tenho que saber nada, tenho sim que ser notificada e dispor de um prazo útil e legítimo para pagar, tal como considero bastante ilegítimo o prazo de retorno, por exemplo de respostas, reembolso de impostos e afins.

Outro exemplo - o meu condomínio foi notificado que seria realizada em Novembro uma vistoria porque determinado condómino tinha água a pingar do tecto e decidiu solicitar uma peritagem à Câmara; fomos notificados com cerca de 3 semanas de antecedência. Tudo bem, dito e feito. Também já passaram 3 meses e o resultado da Vistoria não chegou! Já enviei 2 emails a solicitar a porcaria do parecer (que eu por portas e travessas já conheço) para que conste no arquivo do condomínio e....guess what!? Nada. Ao primeiro ainda recebi a resposta tipo de que o mesmo tinha sido reencaminhado para o Departamento responsável, acerca do recordatório continuo encostadinha à espera.

Merecem ou não uma missiva ligeira a questionar o porquê desta falta de consideração pelos Munícipes? Merecem ou não que os chateie com mais uma cartinha que têm que registar e perguntar-lhes se por acaso os meus impostos municipais também têm sido pagos com este tipo de delay? É curioso que não me lembro de ter até ao momento qualquer Execução em meu nome por parte desta Entidade, ou de outra qualquer.

E por fim, merecem ou não que essa simpática missiva que lhes vou enviar, vá com o conhecimento da TVI, do Correio da Manhã e de um Provedor qualquer?

PS: O que me aborrece é que como vivemos neste sistema de coisas eu vou ter que me calar até ter de facto as obras a andar, não vão estes senhores, meio chateados comigo, isto porque não conhecem a minha beleza obviamente, aplicar-nos ainda por cima uma multa por inexistência de obras nos últimos anos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.