Avançar para o conteúdo principal

O Dia dos Namorados e a minha memória que por vezes me deveria falhar

Ou talvez não...

Talvez como castigo de Deus venha a sofrer de amnésia um dia mais tarde, porque de facto tenho ums memória muito boa, tão boa que até gostava por vezes que o meu cérebro guardasse lá atrás certas coisas que em nada contribuem para a minha felicidade.

Nunca dei grande importância a este dia, estivesse eu solteira e livre ou, comprometida, mas a verdade é que o marketing que lhe está associado faz que inevitavelmente nos lembremos.

Mas a verdade e curiosamente é que comecei a namorar com o pai da minha filha neste dia, há uns bons anos atrás. Já tinhamos saído algumas vezes, estávamos ambos livres que nem um pássaro e como tal, fomos jantar. Ainda me lembro do nosso ar a olhar para alguns casais que em vez de se dedicarem um ao outro, olhavam para os telemóveis e nós a rir que nem uns perdidos com o mal dos outros.

Lembro-me onde fomos jantar, um sítio muito giro e que durante alguns anos da minha vida frequentei na zona do Cabo da Roca, o Moinho D. Quixote. E o jantar foi divertidíssimo e nada de coisas porcas porque eu era uma rapariga bem comportada mas...quando nos despedimos, deu-se o click, e pronto, foi aí o início daquela história.

O balanço: uma filha maravilhosa. Na verdade quando se aproxima este dia e começo a ver publicidades e as pessoas a marcarem jantares românticos, penso que naquele ano que ficou lá atrás se começou a escrever a história que deu origem à miúda e por ela valeu a pena.

O Cupido trouxe-me o verdadeiro amor da minha vida

E para quê tentar esquecer boas memórias e momentos felizes!?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…