Avançar para o conteúdo principal

Já há muito que não sonhava, ou antes, que não me lembrava de um sonho

E isto, pode ser um sinal, ou não. Pois que esta noite fui sonhar com algo bastante inquietante e que me fez exercitar, que foi um mimo. Deve ter-me ficado na memória por um lado o enredo do "Taken" e a parte de gostar muito de Budapeste. No meu sonho, estava eu a fazer Erasmus em Budapeste e, tendo em conta que já cá cantam 41 primaveras, é um fenómeno, e partilhava casa com mais 3 pessoas. Vivia em Buda, com vista privilegiada sobre Peste.

Na verdade, tendo em conta que lá estive há mais de 10 anos, continuam na minha memória recente todos aqueles recantos e a beleza daquela cidade. Andava por ali como se ali tivesse vivido desde sempre. A verdadeira aventura vem a seguir. Saí de casa numa manhã como a de hoje, percorro umas ruas a pé, e de repente sinto que estou a ser perseguida por um rufia. Acelero o passo, ele também, e daí começo a correr (algo de que gosto imenso, não haja duvidas) e ele idem, numa perseguição desenfreada.

Se tinha descoberto o segredo da Caixa de Pandora, a Conspiração do Morango ou mesmo o Caminho Estelar para Marte, nunca saberei, mas às tantas, sei que atravesso uma rua a afastar-me dos automóveis que circulavam desenfreadamente, o rufia era menos ágil e catrapuz, foi atropelado, daqueles atropelamentos com várias cambalhotas e piruetas no ar. Não ficou em bom estado. Eu...reduzi a velocidade, mas para cada pessoa que olhava, via sempre algo estranho, olhares profundos e de indagação. Foi emocionante e nisto...acordei.

O que retenho foi esta viagem até Budapeste e lamento o desaire do rufia coitado, mas acho que ele merecia, quem o mandou querer fazer-me mal!?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri