Avançar para o conteúdo principal

A minha demanda contra o açúcar em excesso

Fui habituada desde pequena a não ingerir açúcar em excesso e até muito tarde os meus bolos preferidos eram os queques e o bolo de arroz. Bolos com creme, chocolates, pastilhas elásticas, gomas e afins não faziam parte da minha dieta. O facto é que só na adolescência é que eu descobri o verdadeiro prazer de comer um Toffee Crisp, ou um Kit Kat, ou mesmo umas belas trufas de chocolate. Sim, gosto de chocolate docinho.

Mas a verdade, é que mesmo gostando de um bom docinho, não sou muito "açucareira" e se vou a um local em que a concentração de doces por metro quadrado é exagerada, enjoo, literalmente.

À medida que fui crescendo fui ganhando consciência de que o açúcar em excesso não nos faz bem algum, e quase sem pensar, se formos reduzindo as quantidades ingeridas lentamente, nem vamos sentir a falta dele. Para além disso, confesso que tenho um medo terrível de desenvolver Diabetes. Pensar que terei que estar a controlar tudo o que como, não poder comer o que me apetece, picar-me não sei quantas vezes por dia para verificar os níveis de açúcar, injectar insulina, o pâncreas a não fazer o seu trabalho em condições, ter problemas nos olhos e, cortarem-me primeiro os dedos dos pés e depois as pernas….bom, é assustador só de pensar e infelizmente conheço pessoas que passaram por isso tudo.

Não obstante no marasmo do dia-a-dia, evitava-o, não o evitando verdadeiramente. Pois que enfiei na minha cabeça que ia reduzir ou mesmo eliminar o açúcar que colocava na minha meia de leite costumeira de todas as manhãs com a minha Equipa. Ou no chá dos fins de semana quando vou lanchar fora, ou o dos raros cafés que bebo fora de casa.

E não é que passado algum tempo todo este açúcar que estava destinado a correr-me nas veias está todo aqui!?


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.