Avançar para o conteúdo principal

A minha demanda contra o açúcar em excesso

Fui habituada desde pequena a não ingerir açúcar em excesso e até muito tarde os meus bolos preferidos eram os queques e o bolo de arroz. Bolos com creme, chocolates, pastilhas elásticas, gomas e afins não faziam parte da minha dieta. O facto é que só na adolescência é que eu descobri o verdadeiro prazer de comer um Toffee Crisp, ou um Kit Kat, ou mesmo umas belas trufas de chocolate. Sim, gosto de chocolate docinho.

Mas a verdade, é que mesmo gostando de um bom docinho, não sou muito "açucareira" e se vou a um local em que a concentração de doces por metro quadrado é exagerada, enjoo, literalmente.

À medida que fui crescendo fui ganhando consciência de que o açúcar em excesso não nos faz bem algum, e quase sem pensar, se formos reduzindo as quantidades ingeridas lentamente, nem vamos sentir a falta dele. Para além disso, confesso que tenho um medo terrível de desenvolver Diabetes. Pensar que terei que estar a controlar tudo o que como, não poder comer o que me apetece, picar-me não sei quantas vezes por dia para verificar os níveis de açúcar, injectar insulina, o pâncreas a não fazer o seu trabalho em condições, ter problemas nos olhos e, cortarem-me primeiro os dedos dos pés e depois as pernas….bom, é assustador só de pensar e infelizmente conheço pessoas que passaram por isso tudo.

Não obstante no marasmo do dia-a-dia, evitava-o, não o evitando verdadeiramente. Pois que enfiei na minha cabeça que ia reduzir ou mesmo eliminar o açúcar que colocava na minha meia de leite costumeira de todas as manhãs com a minha Equipa. Ou no chá dos fins de semana quando vou lanchar fora, ou o dos raros cafés que bebo fora de casa.

E não é que passado algum tempo todo este açúcar que estava destinado a correr-me nas veias está todo aqui!?


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri