Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

O que eu gostava de ter um jardim

 Um mini jardim botânico em casa. E também gostava de ter uma horta, pequenina. Já me estou a imaginar de crocs foleiros a tratar da horta e do mini jardim.  Não tenho grande apetência para hortas a sério com beringelas, pepinos, batatas e cebolas, confesso. Estou mais vocacionada para coisas pequenas; ervinhas aromáticas, alfaces e morangos. Ai…o que eu gostava.  A Câmara Municipal decerto não iria aprovar o meu pedido para um jardim suspenso aqui em casa, mas não sabem o que perdem. Seria a oitava maravilha em potência. Já estou a imaginar a romaria para admirar os Jardins Suspensos da Tânia! Enquanto isso, admiro o meu terrário, a opção três, quando não se habita numa moradia, ou não se tem uma varanda. Também não faz o meu género vasos no chão ou nos móveis, com aqueles pratinhos com água…a verter por todos os lados e deixar marcas no chão…de facto não.  Portanto, tenho a versão possível e com classe do meu mini jardim botânico tropical. E que gozo me dá acompanhar o ciclo, a fotos
Mensagens recentes

E acerca do melhor que lhe posso deixar

 As tais memórias... No ano passado ainda consegui(mos) convencê-la que era cedo para essas coisas e que ainda era pequena e não se notava e tal. Mas quando ela me diz que é o último dia da criança porque daqui a 33 dias faz 13 anos e passa a ser oficialmente adolescente (ainda não percebeu que mesmo que tenha 60 anos e eu 92, vai ser sempre a minha criança) rendo-me às evidências e deixo-lhe mais uma memória e esta, é inesquecível: a primeira depilação, com cera e todos os "ais" a que teve direito. Nunca com a minha mãe tive este à vontade nem tão pouco a minha mãe me permitia tal acto com esta idade; gozavam comigo na escola até que um dia, bem mais tarde do que estes 12 para 13 anos dela, peguei numa gilette e claro, correu mal, cortei-me toda, e ainda levei um par de estalos. Lá está, fiquei com essa má memória. Que me serviu para aprender como não proceder, no futuro, caso tivesse uma filha. Partilhei com ela este momento que parece banal, mas é muito importante na vida
 Se por um lado se pode dizer que terminou o seu sofrimento, por outro…. caramba. Espera-se um “milagre” e que a doença não vença. 42 anos de vida e tudo o resto por viver.  Que tormento, que tristeza. É um dia triste. A minha filha não quis ir à tal Missa do Padre João. E eu…eu hoje não seria a pessoa certa para entrar numa igreja; decerto cometeria uma heresia. 

Isto é que é evangelização

 O pior é que a possível evangelizada não está pelos ajustes! "Mãe, o Padre João convidou-nos para ir à Missa na próxima quarta-feira às 08.00 horas, mas tu não me podes levar, pois não!?  - Posso, se for às 08 da noite posso; temos tempo suficiente, mas em que Igreja vai ser a Missa? - perguntei eu.  - Não sei, deve ser em Carcavelos ou Oeiras, não espera, acho que é em Carcavelos, mas não tenho a certeza.  - Então confirma, mas sim, consigo levar-te à Missa! - que conste que não coloquei entraves a um santo serão, pelo contrário, mas...  - Ah mãe, deixa estar, já vens cansada do trabalho... Eu olhei para ela com a sobrancelha direita levantada.  - Está bem mãe, pronto, eu na verdade não quero ir à Missa! Aquilo é um bocado seca." Ah bom. Muito gosta o pessoal em geral de se desculpar com os outros.

O meu cérebro é mesmo muito trabalhador

 Mas, por outro lado, por vezes dou comigo a pensar que poderia ter algumas falhas de memória. Sofreria menos, muito menos, pelo menos no que a transtornos pessoais diz respeito. Como tenho memória e não sou mentirosa, nem há necessidade disso, tenho tudo na cabeça, o bom e o menos bom e não se desvanece. Coisas básicas como o número de telefone da minha avó, que já partiu há quase 25 anos, a matrícula do carro que ela tinha, episódios da minha infância, os bons e os traumáticos, a minha operação ao nariz, estávamos para aí em 1979 eu vejo-me nitidamente em cima da cama do Hospital da Estefânia com um pijama vermelho - e essa imagem não me abandona porque é a única em que me lembro nitidamente da presença do meu pai. Não é comum, mas é uma particularidade que também dá jeito - enquanto estudante tinha uma capacidade de memorização tão interessante que se provou que eu não sabia as matérias de cor - sabia exactamente em que livro tinha lido determinado statement que me seria útil, nas d

Um ano de escola que passou a correr

 Dei-me conta há pouco que a Ritz está a apenas 7 dias úteis de terminar este ano lectivo. Vai ter uns dias de pausa a propósito das Provas de Aferição, que este ano não a contemplam mas, ao se realizarem na escola que frequenta, as actividades lectivas ficam suspensas. Portanto restam tão só 7 dias úteis até ao fim. Para ela não sei, mas tenho a sensação que este ano lectivo em especial passou a correr. Para mim tem sido um ano civil pleno de desafios e, na verdade, enquanto mãe também. Cada vez mais sinto que esta fase de crescimento e maturação da personalidade dela, me vai dar imenso trabalho. Pensava eu que a fase das birras de há uns anos atrás era a pior...mas não. Creio que de agora em diante, provavelmente até aos 20 anos, vamos ter períodos tortuosos e desafiantes. Faz parte, dizem. É sinal que estamos vivas, dizem outros. Vamos lá ver se estou à altura, digo eu! E num piscar de olhos, a minha bebé, já vai para o 8º Ano. És grande Ritz! Gigante. E como qualquer gigante, tudo
 Oiço lá fora os festejos pelo título do Benfica. Quando há motivos para isso, as pessoas celebram, festejam, ficam felizes.  É triste que os comportamentos, atitudes e linguagem neste tipo de celebração ultrapassem o limiar da falta de educação e ordinarice, mas é não mais do que o espelho da sociedade que temos. Muito pobre de espírito, sem grandes valores, princípios e educação.  Mas, festas futebolísticas à parte, hoje estou particularmente triste. Recebi uma notícia que já se adivinhava mas cada vez mais me ponho a pensar no sentido da vida, na sua finitude, em porque é que uns são pessoas decentes, e outros escroques. Porque é que muitas pessoas decentes sofrem, porque é que pessoas indecentes levam a vida a fazer mal a outros, a magoar, a desconsiderar, sendo que num dado dia, o dia da partida, o tempo de decomposição dos seus corpos se vai verificar exactamente da mesma forma. Não, nem os maus foram ainda capazes de descobrir a poção que possibilita a vida eterna.  Então, para