Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

"Carta ao Pai"

 Há uns bons anos que ando para ler esta obra enigmática que o Kafka escreveu ao seu pai e que nunca lha chegou a enviar. É uma obra biográfica, o deixar em papel alguns dos seus dramas e conflitos interiores. "A minha actividade de escritor tratava de ti, nela eu apenas me queixava daquilo de que não me podia queixar junto do teu peito." escreve ele algures e sei que é com esta carta que se consegue descortinar o homem real por detrás do um homem que parece por vezes alucinado se nos embrenharmos na escrita de um "Processo", "Metamorfose" e afins. Vou lê-lo em breve - está na altura. Está na altura de eu própria escrever quiçá uma carta ao meu pai, carta essa que tão pouco espero entregar-lha, mas que ao escrever-lha e colocar o seu nome no campo do destinatário, me vai servir como uma espécie de catarse por tudo aquilo que ao longo destes mais de 40 anos ficou por dizer - de bom e de menos bom, de banal e de mais polémico. Trata-se apenas de nós os dois
Mensagens recentes

So true…

 
....quando nos dizem que a vida, essa que conhecemos e com a qual lidamos todos os dias tem um prazo. Sim, nós sabemos que isto é um contrato a termo certo, são as regras do jogo, mas ninguém nos disse qual o termo e é assim que funciona. Mas quando afinal há uma projecção científica do termo baseada em factos, na ciência...tens tanto tempo de vida. Estatisticamente a tua probabilidade é "X" meses. E quando as pessoas são jovens e ainda só viveram meia vida!? - as regras deste jogo são essas e não nos lembramos se alguma vez nos perguntaram se estaríamos de acordo, se queríamos jogá-lo ou apenas assistir. Hoje é isto: que grande "merda"!

Fico espantada com as coisas que a minha filha sabe e que eu do nada vou descobrindo

 “Ah mãe, estás a ler um livro da Virginia Woolf, eu gosto muito dela!” Mas tu conheces, perguntei eu? - tenho livros dela, é uma das minhas escritoras mas que me lembre nunca lhe tinha falado nela. “Sim, conheço. Ela suicidou-se, sabias?” Bom, concluo que a miúda já sabe muitos pormenores.  “E sabes como ela se suicidou mãe?” Eu lá lhe disse que sim, mas ela fez questão de dizer para eu ter a certeza que ela sabia. Lá contou o episódio aquático que culminou na sua morte e depois lá me comentou que já leu “A viúva e o papagaio”. Valha-nos o PNL que põe os miúdos a ler coisas intemporais e de leitura de facto obrigatória.  E eu vou autoflagelar-me ali um bocadinho porque não me apercebi que a minha filha já lia Virginia Woolf. Onde é que anda a minha cabeça. 
 ...e o Jerónimo também diz que vai votar contra. Mais uma crise para o português oprimido e ostracizado. Louvado seja lá Quem for! Já estou por tudo.

OE2022

 Poucas pessoas devem estar satisfeitas com a proposta de OE para o próximo ano civil/fiscal, mas a verdade é que desde que me lembro que dou atenção a este tipo de temática, há sempre celeuma e faltas de concordância. O facto é que a crise política está aí e a Esquerda não me está a parecer muito inteligente ao inviabilizar o documento - fazer pressão, algum bluff não é por si só questionável e dá muitas vezes para se virar o jogo, mas inviabilizar seja por abstenção ao voto ou mesmo voto contra - não é de todo inteligente porque a Assembleia cai e caindo, obviamente que ganha a Oposição e vamos ter dança das cadeiras and so on, and so on  que nesta altura nem sequer me parece que seja o melhor caminho a todos os níveis. Aguardemos pela declaração do PCP mas isto...isto vai dar molho! Mais cedo ou mais tarde, vai dar uma grande maionese de Dijon.