Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de 2011

Saudades do Dody, do picadeiro, do volteio, do trote...

Depois de uns mesitos de pausa, por falta de tempo e por aí fora, conto os dias para regressar. Vai-me fazer um bem enorme.

Iogurtes caseiros

A minha mana é uma querida (quando quer :)) e como sabe que eu sou uma rapariga prendada, ofereceu-me esta iogurteira para eu fazer os iogurtes da Bébécas muito naturais e tradicionais. Lembro-me de quando era pequena a minha mãe me fazer o mesmo, e não havia iogurtes melhores do que os dela. Agora é a minha vez de fazer as delícias da minha filhota; vão sair iogurtes naturais, vão sair iogurtes com pedaços e vão sair iogurtes com polpa de fruta.

A "moda" da solidariedade

Confesso que se há coisa que me irrita são as "falsas" solidariedades. Não me parece um bom princípio certas organizações e indivíduos se lembrarem de ser solidários ou promoverem a solidariedade na época natalícia. Parte-se do princípio que por ser Natal as pessoas serão automaticamente mais solidárias; creio que é um erro crasso. Em primeiro lugar vejo o Natal cada vez mais como um rito pagão e cada vez menos ligado aos temas da religião. O Pai Natal é um personagem pagão, a árvore de Natal e a sua feitura continuam a ser ritos pagãos, sendo que se calhar o mais ligado ao cristianismo será o hábito de colocar uma estrela no seu cocuruto. Entretanto é uma época de gastos por excelência e, para as pessoas que até têm o dom de ajudar, têm menos possibilidades nesta altura do que noutras épocas do ano. E, mais importante ainda, quem precisa, precisa sempre e não apenas no Natal. Portanto isto do "arredonda", da recolha de electrodomésticos para uma campanha de dá

AD....fez-me sorrir

Eu não disse que me ia perder?? Pois que lá fui para a baixa primeiro aparar os caracóis da Bébécas no cabeleireiro dos "granfinos" (custou-me os olhos da cara cortar meia dúzia de caracóis, mas valeu a pena) e depois arregalar o olho naquelas lojas fabulosas todas seguidinhas e magníficas. Enfim, aquela Avenida é a minha desgraça. Mas hoje, aquilo que me estava na cabeça era uma malinha nova. Carolina Herrera acabou por não ser, Hilfiger tão pouco, fiquei baralhada entre uma Tous e uma Adolfo Dominguez. Vim com a Adolfo, linda, linda, linda!

Falta de apetite

Está outra vez numa fase que para comer, é uma desgraça. Entenda-se, a carninha, o peixinho, a sopa. Porque as papinhas, a fruta e os iogurtes é vê-los a desaparecer. É muito selectiva na alimentação a minha filha; também não precisava de ser igual a mim em tudo.

Ena, tantos brinquedos

O meu avô e a mulher (pessoa essa que é extraordinária) ofereceram à Bébécas um pianinho. Mas pianos é coisa que não falta por cá; foi uma das prendas que lhe ofereci no 1º aniversário, em casa da avó tem mais um pianinho que era meu dos tempos de criança e tem um piano a sério, pode ser que daqui a uns anos se entusiasme e siga os passos da avó no Conservatório Nacional. Lá fui trocar o pianinho que lhe ofereceram; enfiei-me na loja dos brinquedos Toys R Us e era ver-me baralhada a olhar para tanta coisa e tentar escolher mais um miminho ideal para ela. Depois de dar uma volta perfeita, decidi dar outra mais detalhada e com carácter de exclusão face a alguns brinquedos e, eis se não quando ela aponta para uma caixa com um boneco e diz: dá dá dá. Eu não podia crer em tamanha convicção e tentei disfarçar, mas ela continuava...não pensei duas vezes, peguei na caixa e lá veio ela agarrada ao prsente que é maior do que ela, e que quase me tirava a visibilidade no carro para conduzir. F

E para descomprimir

Quer-me cá parecer que me vou dedicar a uns regalos para mim numa sessão de El Corte Ingles, ali para os lados da Carolina Herrera e do Hilfiger. Não há nada como aproveitar o rescaldo de cenas menos boas, com uma bela tarde de compras.

Enigmas históricos

Tenho andado a ler e pesquisar acerca da Amelia Earhart, que tal como Exupéry desapareceu em plena navegação aérea. Fica sempre aquela sensação de: e se conseguiram sobreviver? Muito estranha esta sensação.

A minha filha

Tem-me dado tantos beijinhos e feito tantas festinhas... É um doce a minha bebé; e lembrei-me do estado em que fiquei quando estava grávida e soube de tudo por terceiros e que ainda nem sei como é que apesar de tudo ela é tão perfeita, tão doce, tão linda e tão meiguinha. É o meu maior tesouso!

O cúmulo da Imoralidade!

A falta de senso é de facto algo lamentável; e hoje foi o melhor dia para mais uma vez quem não tem a mínima ética, voltar a mostrar quem é. Levei a Bébécas ao centro comercial do costume para o progenitor estar com ela, arranjei-a com todo o carinho como faço sempre; estava linda, com um casaco branco que recebeu de presente de uns amigos do peito, uma bandolete mimosa a condizer com o traje, cheirosa, perfeita e feliz. Cheguei antes da hora, como é habitual, pois ainda assim tento "respeitar" minimamente essa criatura que é biologicamente o progenitor da minha filha. A criatura em questão chegou à hora combinada, como não sou cega vi que vinha acompanhado pela imunda com quem se meteu quando éramos ainda um casal e esperávamos uma filha para daí a poucas semanas...obviamente que ver a criatura não é agradável, mas desde que a mesma se mantenha à margem, a rua é pública. Agora poupem-me no dia de Natal ter que suportá-la com o carro estacionado dois lugares paralelamente

E a surpresa da mamã foi.....

Tcharammmmm!!!!

#Take 3

Tremelona no frigorífico a solidificar, tarte de maçã no forno, uma dor de costas tremenda e mais uma mão cheia de presentes para a Lady Bébécas que o honey acabou de trazer. Ah...essa (Bébécas) dorme descontraidamente.

Natal 2011 em takes - #Take 1

É chegar a casa com tanta coisa para carregar, que tive que dividir tudo por três viagens. Vá lá, a Bébécas hoje decidiu não fazer muitas fintas para subir sozinha, o que teria demorado horrores, e hoje tão pouco era o dia. Entre presentes e compras genéricas quando finalmente aterrei só dizia: "Estou que nem posso!" Seguiu-se uma aspiradela à casa e uma busca incessante por alguma organização. Comecei pelas gelatinas para fazer a "Tremelona"; já estão a solidificar para antes de me ir deitar terminar o docinho. Entre uma coisa e outra mandei vir uma pizza tropical da Pizza Hut, refastelei-me a comer e agora segue-se o bolo...volto já!

Noche Vieja

Costuma dizer-se que de dia 24 para 25 de Dezembro temos a noite mais longa do ano, a noite de Natal. No meu caso, a noite mais longa foi mesmo a noite que antecedeu o nascimento da minha filha. Muita felicidade no culminar de tantas dores, mas foram de facto uma noite, uma manhã e uma tarde demasiado longas. Aquelas horas enquanto sofria para que ela nascesse pareceram uma eternidade, mas que revivo muitas vezes com sentimentos muito contraditórios. Pois que hoje vou ter outra noite longa, pois vou dedicar-me à cozinha. Aos doces para adoçar aqueles de que mais gosto. Amanhã espera-me um dia agitado, a preparar a noite de Natal, que espero que seja mágica, com a minha lareira acesa, e o brilho nos olhos da filhota quando vir as surpresas que lhe preparei. Vai ser uma noite tranquila e sobretudo em paz, que é o que se precisa.

Para o espólio dela

Acho importante termos em nosso poder toda a informação possível relacionada connosco e com as nossas raízes. Na medida do possível tenho feito uma recolha de alguns factos importantes, documentos, agradeço ao jornal "Público" ter-me oferecido um exemplar da publicação do dia 04 de Julho de 2010, tenho anotados os preços do pão, selos...essas coisas. Tenho também uma panóplia de outros factos menos positivos, mas que também fazem parte da história dela, para que mais tarde não se invente, não se diga que não se fez o que se fez e que entre a galdeirice e os valores morais não existe qualquer diferença. Uma vez que tenho uma ideia de um dia se pudesse emigrar para os States, quero explicar-lhe não só o que se passou em Portugal corria o ano de 1640 ao primeiro dia de Dezembro, como também o que significou para os americanos o dia 04 de Julho de 1776. Nascemos em dias ilustres eu e a minha "peque"; ela no Independence Day, eu no dia da Proclamação da Declaração Un

Mais do mesmo

Há dias de facto bem mais complicados do que outros e esta altura do ano é caracterizada, no mínimo, por uma grande azáfama. As pessoas acotovelam-se nos centros comerciais, entopem lojas e acessos, enervam-se, enfim; a atmosfera é conturbada, seja pelos melhores ou pelos piores motivos. O meu sistema vital também não está a 100%; algum cansaço, dores de cabeça e mais dores noutros sítios em que não se pretende que se sinta dor, mas enfim... A Bébécas, dotada da sua personalidade forte pensa que já é capaz de tudo e mais alguma coisa - nos dias em que estou mais calma, até lhe dou todo o tempo do mundo, mas hoje não foi de facto o dia. Decidiu que queria subir até casa pelos seus próprios pés. Anteontem, até o fez, foi giro, ficou com um ar vitorioso, mas demorámos à vontade um quarto de hora. Hoje, com a dor de cabeça que me acompanha desde manhã, uma sandes em pão de forma à hora de almoço e pouco mais, estava literalmente "mortinha por chegar a casa" e ainda por cima c

Foi a música do jantar

Cantada pela mamã...claro!

A primeira ida ao circo

Não era nada que eu pensasse concretizar em breve, basicamente porque não gosto de circo e acho que cada vez têm menos qualidade (seja por falta de meios...whatever). Mas quis o acaso que a empresa da mamã proporcionasse hoje um dia de festa para os mais pequenos, ida ao circo incluída. E lá fomos nós; a Bébécas sempre igual a si própria a percorrer o escritório nos seus cantos e recantos, adorou a Big Chefe daquela que também é a nossa segunda casa; e lá andava de roda a pedir colo e a dar abracinhos. Viu os filhotes todos dos colegas da mamã e muitas pessoas novas, e no fim a ida ao circo. Não pensei que se aguentasse lá 2 horas...mas aguentou-se. Aguentando-se, pensei que adormecesse a meio...mas não adormeceu. Achei que talvez se risse com os palhaços...mas não se riu. Curiosamente riu-se com os malabarismos. Não pensei que chorasse...mas chorou, após o estrondo do "homem bala" a sair pelo canhão. E bateu palmas, e dançou, e disse olá...enfim, olhava para as luzinhas

Modas e manias

Pessoalmente não gosto, é inestético, enfim, fica feio. Não consigo encontrar beleza em espécimes vestidos desta forma. Hoje, em conversa banal de hora de café no escritório comentávamos acerca do tema em questão e um colega desvendou como é que tudo isto começou; confesso que não fazia ideia. Ao que parece há muitos anos atrás esta forma de colocar as calças virou uma forma dos gays presidiários nos EUA se reconhecerem entre si. Sendo assim, talvez fizesse algum sentido, é uma forma das pessoas em questão se sentirem a fazer parte do mesmo grupo. Daí a se transformar em moda, e digamos que uma moda feia, vai uma grande distância.

Sôdade

Foi hoje o tema que trauteei à Bèbécas enquanto lhe dava o jantar.

Queriam comprar o bacalhau!

Eu gosto muito de bacalhau, mas não gosto do cheiro. E Natal sem bacalhau, não é de facto a mesma coisa. Daí a estar quase 2 horas no hipermercado na fila para pesar e cortar o dito...é que nem bacalhau, nem alho, nem grão. Só o cheiro e a azáfama do povo me causavam náuseas. Tirei a senha ia no número 60 e qualquer coisa; a minha era a 42. Pensei que daria a volta e já estava despachada. Qual quê, ainda havia a série; ia na série L e nós tinhamos a série N. Instalou-se o caos no hiper. Só faltava mesmo o Quim Barreiros a querer cheirar o bacalhau!

Presságios

E eu no outro dia a comentar acerca do meu copo partido que me cheirava a mau presságio, pois não sei se terá sido assim tão mau... Brotou água, mas deixou de brotar. Ando com uma dor no ombro, que vai e vem, mas parece que já esteve pior. E ando com uma sorte ao "jogo" que me faz lembrar os velhos tempos. Tem sido interessante; quando menos tenho estado à espera, a bola de cristal virou-se para estas bandas. Mas será que a sorte ao jogo implica sempre azar no amor?? Quero ambas as sortes.

Menina estás à janela

Não deixou de ser engraçado a Galmudas na varanda a controlar a criatura. Estas tipas põem os palitos aos maridos, andam com homens casados e com filhos prestes a nascer e ainda se arriscam a permanecer no mesmo metro quadrado que a que levou com a parelha de chifres. Um dia podem ouvir uma verdade; ou será que ela tem medo que o dito lhe faça o mesmo!? Seria um desenrolar da história muito soft; tudo o que lhe está reservado, a seu tempo virá.

Distracções momentâneas

Dão em asneira! Bastou distrair-me por escassos momentos e já a Lady Bébécas Tinkerbell se tinha apoderado do PC da mamã. E eu, lá lhe digo com cara de zangada: Isso não é seu! E ela, a olhar para os meus lábios para aprender como eu fazia, repete assim: "Sê, sê" São novidades e mais novidades.

Endiabrada e com tiques de má educação

Como é que uma bebé tão pequenina já é tão obstinada! Tem génio, sabe o que quer, mas não sei como, já aprendeu a fazer de conta que chora e, de quando em vez, até com os pés bate no chão. Começo a fazer de conta que não percebo, para que ela perceba que nesta capoeira existem uma galinha e um pintainho, e que esse pintainho tem que aprender que na vida temos que saber viver mais com o que não queremos e que por norma as conquistas se querem com alguma luta, mas sempre leal. Depois quando lhe passa a "mosca" vem de fininho, agarra-se às minhas pernas, eu baixo-me e ela dá-me um beijinho cheio de ternura.

10/12/1977-2011

E cá estou eu a completar os meus 34 anos. Comecei o "dia" com os meus amores, uns em presença física, outros no coração e o honey a ligar quando o relógio acabava de indicar que tinhamos chegado às 0.00 horas. Avizinham-se umas 24 horas tranquilas, junto dos que mais amo e sobretudo a contemplar o sorriso da minha Bébécas, que foi sem dúvida o melhor que me aconteceu ao longo destes 34 anos. Retenho infelizmente na memória os piores momentos, mas vou concentrar-me sobretudo no que de bom tenho para contar. Parabéns a mim!

Deixá-la? Jamais!

Mas ela é tão pequenina que lá vai deixando transparecer os seus piores receios. Um deles será o de a deixar só. Andava eu a arrumar umas coisas e lá me decidi a ir à arrecadação guardar as caixas dos enfeites de Natal e afins; Bébécas dentro da cama dela para não andar a vaguear por aí e eu a preparar-me para subir apenas um lance de escadas e ela berrava, berrava, berrava. Todos os dias é a mesma cena; quando tenho que lá ir abaixo deitar o lixo no contentor, quando vou buscar sacos de compras, ou da lavandaria...ela não sabe, mas até ao meu último suspiro será sempre a minha prioridade e jamais a abandonarei ou abdicarei das minhas funções de mãe, de educadora, de companheirona de brincadeiras, de tudo. Não quero ser a melhor amiga da minha filha, nem nada que se pareça, porque acima disso está sempre o conceito de Mãe.

Mi mamã?

Um destes dias, depois da sesta o honey foi buscá-la à caminha dela e ela enquanto andava pelo corredor à minha procura disse assim: "Mi mamã?" Fiquei sem palavras.

I want to ride her bicycle's

Não é por nada, mas a minha Bébécas ainda só há um mês se libertou do andar de gatas e passou a caminhar como uma menina crescida e já tem duas bicicletas! Uma deu a tia, outra deu a prima, ambas cor-de-rosa, cada uma mais fashion do que a outra. Vá lá que são de tamanhos diferentes e a minha cria já não se pode queixar! Este Natal é uma fartura de rodas...sim porque aqui a mamã preparou-lhe uma surpresa assim a atirar para o retro vintage e que também tem rodas! ...e pensar que tive a minha primeira bicicleta aos 6/7 anos. Os tempos mudam, e embora agora se viva uma grande crise, os anos 80 foram bem piores.

Um filme à minha medida

A ida a Finisterra

É algo que não me sai da cabeça e sinto que uma energia qualquer me chama para aqueles lados. Tenho saudades de Santiago, gostava de lá levar a minha Bébécas e sobretudo quero fazer a minha meditação em Finisterra e queimar o que quer que seja nas míticas botas. Talvez falte apenas isso para limpar a mente.

La Oca

Não sei porquê, mas hoje não me sai da mente este jogo...e que vontade de rir que tenho!

A Bébécas faz hoje 17 meses

Parece sempre que foi ontem e daqui a nada passo à fase de já não conseguir contar os meses. Continua uma criança adorável, simpática e muito, mas muito curiosa. Mais curioso ainda foi há uns dias atrás, numa visita do infiel progenitor, uma senhora no centro comercial ter perguntado quantos meses tinha a "nossa" bebé (confesso que das poucas vezes em que oiço o "nossa" bebé, até me arrepio, porque de facto nada tenho em cmum com aquela inóspita criatura...mas adiante) e o dito responde: Tem 15 meses! É de gritos, quando a criança estiver na benção de finalistas o tipo é capaz de dizer que ela tem 5 anos, no máximo. Mas de facto, perfaz 17 mesinhos hoje, de uma vida que creio que para ela, tem sido muito feliz e essa é a minha maior riqueza.

É que não consigo ir à bola com estes dois!

Ai a minha coluna

Seja da idade, seja do frio, seja tudo junto...não sei. O que eu sei é que nas duas últimas noites a lady Bébécas não me deu sossego, gritou, berrou, enfim, tive que a deitar na minha cama. É impossível uma mãe conseguir dormir com um bebé na mesma cama, ou seja, eles dormem, mas nós sempre com o coração nas mãos não vão eles cair; tentei posicionar-me ao modo que pude, fiquei toda torta e mal ajeitada, deu origem a que hoje esteja com a coluna num atrofio. De cada vez que eu tive que pegar nela ao colo, a dor era tanta que só pensava: valha-me Deus, vou dar um jeito que já não me endireito. Lá vou ter que ir atacar o Buscopan! A miúda é demais.

Túmulo de Oscar Wilde vedado aos beijinhos - Globo - DN

Túmulo de Oscar Wilde vedado aos beijinhos - Globo - DN Não deixa de ser curioso o facto de um escritor do século XIX granjear, mais de 100 anos após a sua morte este tipo de manifestação. Foi um poeta brilhante, um dramaturgo interessante e um ser cuja excentricidade chegava a ser cómica. O seu túmulo também está na minha wish list de Paris, mas nunca me passou pela cabeça dar beijinhos na pedra. Prefiro saborear as suas letras no legado que nos deixou.

"A tradição já não é o que era"

E como ontem comprei finalmente a árvore de Natal pela qual eu me tinha apaixonado há quase 2 meses, hoje não resisti e enquanto a Bébécas dormia a sesta, deitei mãos à obra. Está tão gira...nada tradicional, não é verde, tem mais bonecos de neve, mochos e borboletas do que bolas, tem muitas luzes em forma de estrela e bolinhas fuschia, mas está linda, linda. Quando a Bébécas acordou, foi o extase! Abriu os olhos de espanto, riu-se, enfim; a magia desceu aqui a casa. Acima de tudo por ela, o Natal já chegou cá a casa.

Depois de uma semana de busca intensa

lá consegui encontrar os sapatos que eu queria para a Bébécas. Mas será que está tudo tão avant garde que a maioria dos sapatos que vi eram muito à frente, com brilhos desnecessários, em tons de roxo e pretos para bebés de 1 ano e meio? Há gostos para tudo, mas também deveria haver algo mais clássico a cada esquina. Foram dias de busca, eu, uma amiga minha...já estávamos a desesperar. Mas consegui, num sítio em que sabia que tinha que conseguir algo, mesmo que não exactamente o que eu tinha idealizado, mas não é que ao subir o elevador dou de caras com a sapataria que eu pensava não existir no Cascaishopping e os ditos sapatos a olhar para mim? Não é por nada, talvez algum saudosismo. A Bébécas está a minha cara quando eu tinha a idade dela, o cabelo é igual e tem uns sapatos dos dias de hoje, mas a lembrar o tempo em que as crianças eram vestidas como crianças e não com trapos e tamancos que fazem lembrar gente adulta.

Faz hoje um ano

Andava eu de lagrimita no olho, angustiada, triste, com uma saudade crescente que me invadia o espírito e a alma. Ia começar a trabalhar no dia 25/11 após a licença de maternidade; ia deixar de estar com ela as 24 horas do dia e ela, tão frágil com 4 meses e pouco sem perceber do que se passava à sua volta. Quando a deixei em casa da avó, a saudade continuava a crescer, mas só chorei já no regresso a casa, quando faltava pouco para a ver de novo. Entrei na rotina, mas ainda hoje a partir de uma certa hora as saudades apertam tanto que corro para os bracinhos dela, dou-lhe beijinhos, aperto-a, mas as saudades são sempre imensas. É impressionante o amor que sentimos por um filho!

A saga dos sapatos

Ontem percorri o Corte Ingles com olhos de lince, hoje mais umas quantas superfícies e nada de encontrar uns sapatos como aqueles que eu idealizei para a minha Lady Bébécas Tinkerbel. Digamos que sou clássica e gosto de vê-la com um ar aristrocata, principesco até, sempre com um ou outro detalhe que a faz andar diferente da maioria. Mas quanto aos sapatos em si, parece-me que muitos tiveram a mesma ideia, pois o número dela está esgotadíssimo.

Power Balance arrisca falência com novo pedido de indemnização - Sociedade - PUBLICO.PT

Power Balance arrisca falência com novo pedido de indemnização - Sociedade - PUBLICO.PT O estranho é como ainda há gente que vai atrás destas intrujices; ah e tal...o Cristiano Ronaldo também usa, pois, sim, está bem. E quanto é que lhe pagaram para ele usar aquela pirosisse!? E que bagagem científica tem esse senhor e outros que tais para serem seguidos e imitados por usarem estas bugigangas que só servem para as pessoas gastarem dinheiro. Sem comentários.

Dermoestética

Ai que eu brinco brinco com as Lili's Caneças que aí andam e quer-me cá parecer que também tenho que ir à cirurgia plástica, estética ou seja lá o que for! Calma...é uma coisa pequena e com anestesia local! Medo!!!

É tão doce

Hoje, no trajecto de regresso a casa a páginas tantas a Bébécas, do alto da sua majestosa poltrona diz assim: Dá, dá! Eu espreitei pelo retrovisor, vi-a esticada a tentar alcançar-me, sem perceber o que é que ela tinha para me dar. Aproveitando um ligeiro congestionamento no tráfego, estiquei o meu braço e a minha mão e afinal, o que ela me queria dar, era uma festinha. A cada dia as novidades e as coisas boas que ela me dá, são ainda melhores do que as que me deu ontem. É formidável!

Atrevo-me a dizer

que a minha bebé, é uma bebé feliz. Não tivemos o melhor começo, sofremos muito enquanto ainda estávamos em perfeita simbiose, os primeiros dias com ela ao meu lado tão pouco foram fáceis, tal como os primeiros meses, e tudo isso acabou por reflectir-se sobretudo nela. Começou a sorrir muito mais tarde do que é normal, denotava um estado nervoso constante, tremia muito, assustava-se com muita facilidade - a minha principal demanda passou a ser, fazê-la feliz e que sentisse sempre que pelo menos para mim ela é o ser humano mais importante do mundo, do universo, do cosmos...de tudo. E hoje, a brincarmos ao esconde esconde, a cantar-lhe a canção do jantar, a rirmos juntas, a admirar-lhe os traços que me personificam em ponto pequeno, tive a certeza de que é uma bebé, apesar de tudo, feliz! Com um brilho no olhar que espero conseguir manter por muito tempo. Cada vez mais adoro a filha que tenho.

Que dia!

É um facto que os ilustres senhores da meteorologia desta vez quase que acertaram; disseram que a meio da tarde começaria a chover em todo o território e tal, mas esqueceram-se de nos avisar que vinha aí um pré-dilúvio. Foi mesmo a sério. Mais a sério ainda foi ter demorado precisamente 2 horas e 10 minutos até chegar a casa, no trajecto emprego-apeadeiro (casa da minha mãe para ir buscar a Bébécas)-casa. Acidentes, toques, carros que pura e simplesmente pararam, ambulâncias, bombeiros, enfim, houve de tudo. Agora chove lá fora, mas thank God estamos no sossego do lar.

Mais uma noite mal dormida

Eu que nunca fui muito de noitadas e contam-se pelos dedos da mão as noites que passei em claro (aqui incluídos também os serões que passei a redigir a minha Tese), porque a noite foi feita para dormir e nem o estudo a mim me tirava o sono, desde que fui mãe vi-me forçada a rever prioridades e o sono ficou para quarto ou quinto plano. A minha Bébécas tem destas coisas; por vezes não lhe apetece dormir e a mamã lá tem que lhe fazer companhia, miminhos, cantar...enfim. Este ano devo ser laureada com o Prémio Bébécas da Mamã Inventora - transformei-me numa inventora de brincadeiras e focos de distracção que nem eu imaginava ser capaz!

Agora que já sou mãe

Consigo imaginar, se é que isso é possível, alguma da dor que a mãe do Rui Pedro tem sentido ao longo destes anos. É impossível pensarmos em estar no lugar dos outros, como que a tentar adivinhar-lhes o sofrimento; os sentimentos são nossos, e vivêmo-los de acordo com os nossos valores, as nossas crenças, a nossa capacidade de amar. Vejo uma mulher que foi morrendo aos poucos ao longo destes anos e que jamais recuperará da dor crescente que lhe dilacera o coração. O que será que aconteceu a esta outrora criança e quando se saberá a verdade; quando é que a dor espelhada naquela mãe dará lugar a outros sentimentos. Quando conseguirão fazer a sua catarse, o seu luto...que será feito do Rui Pedro, cuja identidade lhe foi roubada na idade da inocência...

Ray Ban - Ia sendo...

Digamos que hoje não me posso queixar muito da sorte. Logo pela manhã, depois de arranjar a Bébécas, fui pô-la na caminha dela, que por enquanto continua a ser um lugar seguro em casa e fui arranjar as restantes coisinhas para sairmos de casa. Ela começou a ficar rabugenta e a primeira coisa que me veio à mão foi a bolsa dos Ray Ban para ela se entreter; escusado será dizer que aqui a burra não raciocinou o suficiente e esqueceu-se que os ditos estavam no seu local certo, ou seja, dentro da bolsa. A Bébécas super caladinha e eu a dar vivas à minha brilhante ideia de lhe ter dado a bolsa para brincar; chegada a hora de a ir buscar para irmos à vida, ao mesmo tempo que se me fez luz, olhei para ela que estava com cara de caso e só vi os meus ricos óculos atirados para cima da minha cama com as astes completamente invertidas. Vieram-me logo à memória palavras menos dignas no vocabulário de uma senhora e confesso que, apesar de tudo, uma imensa vontade de rir ao olhar para a expressão

"Angry Birds"

Numa conversa recente com amigos, deixaram-me curiosa quanto a estes bicharocos. Digo-vos, depois das lides domésticas que são possíveis depois de um dia de trabalho, de estar com a minha Bébécas, brincar e tratar dela...quando chega a hora do meu "descanso", dedico-me aos Birds e é viciante, delirante, de ir às lágrimas. Estou siderada!

A propósito do mistério da Esfinge

A minha maravilhosa Bébécas, ontem, ao final da tarde, entrou também no período da tarde do mistério da Esfinge. De há uns meses a esta parte foi-se soltando, dando uns passitos envergonhados, mas cada vez mais seguros e ontem, ao chegarmos a casa, qual não é o meu espanto que estando eu à porta da sala e ela lá ao fundo, chamo-a...e ela vem, a caminhar, em perfeito equilíbrio bípede, formosa e muito segura. Estou babadíssima!

A magia vai chegando...devagarinho

E acima de tudo por ela, este ano o verdadeiro espírito natalício está a chegar gradualmente cá a casa. A Bébécas já tem o "sapatinho" que vai ficar na lareira, já ando numa escolha desenfreada dos enfeites perfeitos para a árvore, pois pretendo que ela se recorde sempre dos natais da família com um brilho no olhar e muita satisfação pelo facto de, por ela eu ter optado pela nossa felicidade e pela nossa realização, e acima de tudo, pelo amor crescente que ela me faz sentir.

A fase das tomadas

Não sei o que é que uma tomada eléctrica pode ter de tão interessante, mas que a gente miúda a dada altura tem uma fixação pelo objecto em causa, lá isso tem. Esta fase das descobertas é de facto emgraçada, mas extenuante para quem detém a tutela da miudagem.

Crateras em terreno planetário

Acho muita piada ao facto de nos ser cobrado (a nós contribuintes honestos) tudo e mais alguma coisa, impostos sobre isto e sobre aquilo, e taxas surreais. Mais estúpido é receber no meu email logo nos primeiros dias do mês um alerta de que está a pagamento durante o corrente o IUC. Tudo bem, as intenções são boas, mas eu não acho muita piada a ser lembrada daquilo que ainda nem sequer estou a dever...porque estar a dever é coisa que não faz parte dos meus princípios. Adiante. Pois que até ao fim do mês terei que pagar o IUC, mas do lado de lá, não vejo cuidados nenhuns com o povo; falo por mim. Desde me ter sido retirado o abono de família da minha filha, a cena do subsídio de Natal e do imposto extraordinário idem...é tudo a cobrar e a tirar. Mas por acaso em menos de uma semana já ia dando cabo do meu carro por duas vezes pelo péssimo estado de conservação das vias de circulação para automóveis em plena cidade. Por momentos pensei que estaria a alunar, porque de facto com cratera

Estava difícil

Primeiro porque ainda não tinham sido distribuídas, depois porque esgotaram, depois porque já não vinham....mas afinal ainda podia ser que viessem, e finalmente chegaram! E estão comigo, lindas e fashion!

À conta da greve

Demorei 2 horas para ir deixar a Bébécas à avó e para chegar ao emprego. A Bébécas já desesperava no carro, tirou a bandolete, puxava os próprios cabelos, chorava e eu a tentar consolá-la e a pensar cá para comigo - é pena já não ter idade para fazer aquelas cenas, porque a minha vontade era mesmo espernear e mandar tudo às urtigas e buzinar e por aí fora.

BRILHANTE!!!!

É o que me apetece dizer e repetir. Desde pouco depois das 17 horas que a minha irmã detém o grau de Mestre em Sociologia. Foi uma defesa brilhante, adorei estar presente e testemunhar o sucesso e as palavras de louvor do júri para com a minha maninha. Foi giro estar do lado de cá, atenta a tudo com conhecimento de causa (dado partilharmos os estudos superiores na mesma ciência), orgulhosa, nervosa e expectante, por um lado e, por outro, a relembrar o dia em que também estive do lado de lá há 11 anos atrás e reviver aquela hora e pouco que parecem séculos, acharmos que podiamos ter feito melhor, dizerem-nos que somos brilhantes, mas nem reagirmos. Foi uma discussão muito construtiva, a Orientadora foi minha professora no 2º ano, o Presidente do Júri - Prof. JL Casanova...rever pessoas que também participaram na minha formação académica, que me transmitiram tanto conhecimento...enfim, a vida tem destas coisas, destas coincidências. E mais coincidência ainda foi não terem "m

Amanhã

Amanhã vai ser um dia muito importante para uma pessoa tão importante para mim. Ansiei por vivenciar um amor assim e pensei a dada altura que tal anseio não passaria disso mesmo. Parece que nos conhecemos desde sempre; vivemos já tantas experiências, mas mesmo assim "sabe" sempre a tão pouco. Vai ser um dia talvez dos mais importantes da sua existência em que o suor vai compensar as lágrimas e as lágrimas compensarão o suor. Ainda não lhe disse com tanta clareza talvez o quão a sua presença é importante na minha vida, nem sei tão pouco se terá a noção que o é. Nós e a nossa mania de enaltecermos os nossos sentimentos por alguém quando essa pessoa já partiu para sempre...sem dúvida uma péssima escolha. Porque quem amamos deve viver a sabê-lo; quem admiramos e com quem vibramos tem o direito de o saber, de o saborear, de o viver. Já terá cometido os seus erros, comigo...alguns; graves, um ou outro. Também eu os cometi, cometo e cometerei, como ser humano que sou. Sei ped

Será que ainda alguém duvidava

...que o Duarte Lima estava metido até à ponta dos dedos no homicídio da velhota que era amante do outro senhor!? É triste é que nem o facto de se ter visto a braços com um cancro o tenha feito ser uma pessoa "melhor" e não se meter neste tipo de situação. A senhora...coitada...lá foi amante do ricalhaço, também não era um poço de virtudes... Sem mais comentários!

Acerca do "viram-se livres do Kadhafi"

Estava fora na semana passada quando recebi uma sms de cá a informar que o Kadhafi tinha sido capturado e blá blá blá. Como o acesso às notícias estava escasso, só quando regressei no fim de semana me dediquei a ler, ver e ouvir o que supostamente se terá passado. Confesso que a imagem daquela criatura era de gritos, de tão surreal que foi ficando, chegava a ser cómico até...mas, para quem sofreu às suas mãos, nada de cómico teve ou teria tal figura. Fazendo a analogia para o tema Sumidade Maneta, é exactamente igual - a figura é cómica, parece que não parte um prato, mas coitado de quem cai nas mãos de pessoas com estas características. Portanto, e no meio islâmico é muito usual a táctica do "olho por olho, dente por dente". Aquilo que tu fizeste, levas em dobro e as dívidas ficam saldadas. Era ideal que assim fosse; mas não é! O sujeito (Kadhafi) cometeu uma série de atrocidades ao longo da sua "monarquia inconstitucional" de 40 anos, matou, fez desaparecer,

Um típico dia de temporal

Depois de ter demorado mais de uma hora a chegar ao escritório de manhã, eis que ao final da tarde se ouve a bomba: A Av. Marginal estava parcialmente encerrada. Rumei à A5 mas os acessos estavam caóticos, arrisquei fazer batota, entrar na Marginal noutro troço...my lucky day! Tinham acabado de tirar as barreiras e lá fomos nós circulando com precaução, "escoltados" pela polícia. Câmaras e carros da televisão, grandes aparatos, enfim, os barcos tinham voado para o asfalto e instalou-se o caos, ele mesmo!

Kid's Fashion

Entre a Metro Kids, a Lanidor Kids e a Zippy, perdi-me em coisas para a Bébécas. Ela precisava, e mais do que precisar, merece tudo e muito mais. Coisas lindas e que lhe ficam a matar...e eu babada a olhar e a dizer "that's my baby". ...lá se foi o budget, mas com a Bébécas é sempre, mas sempre por uma boa causa!

De regresso

Depois de uma semana atípica e longe de casa, estou de volta! Cansada, a precisar de recuperar horas de sono...mas bem!

Menos um

Nao se pode dizer que se tenha pena, pois ha muito que se ansiava por uma coisa destas. Ate nunca mais General Kadhafi e que nao descanse em paz. PS - A falta de acentos e cedilhas tem uma justificacao plausivel!

O serão difícil

Ontem foi daqueles dias em que tinha imensas coisas para fazer e deixar organizadas; mas quando a fui buscar, antevi logo que não ia ser fácil, pois demonstrou claramente que necessitava de mais atenção do que é habitual. Cheguei a casa e cumpri a rotina do dia-a-dia em que a primeira coisa que faço é pô-la momentaneamente na cama dela com os brinquedos, para que eu possa trocar a farda do dia de trabalho, para a farda de mãe e respirar fundo durante 5 minutos, como forma de "descansar" um pouco da jornada diária e do cansaço que trago em cima dos ombros depois de subir o lance de escadas com a Lady Bébécas, os apetrechos dela e muitas vezes as compras do dia. Acreditem ou não, faço tanto ou mais exercício do que os concorrentes na herdade do Peso Pesado. Entretanto fui para a cozinha, cortar legumes, temperar a carne e ela começa num crescendo de gritaria a chamar-me, que eu, por mais que me tentasse abstrair, não conseguia e pensava: oh inclemência, mas será que a minha

Em Letra Miúda

Em Letra Miúda Sempre gostei muito de gente miúda e, sinceramente, cada vez gosto mais. De gente miúda e de animais, ditos irracionais. Mas voltando à gente miúda, a minha aprendizagem agora tem sido centrada na "primeiríssima" pessoa, focada na relação simbiótica que tenho com a minha filhota a Lady Bébécas Tinkerbell. Temo-nos sobretudo uma à outra e vivo sobretudo em função dela e do bem estar que lhe quero e posso proporcionar. Vou perscrutando os seus sinais, os seus gostos e a sua personalidade, tentando moldar nalgumas vertentes o pedaço de argila em bruto para o transformar na obra de arte que me fôr possível. E de facto há traços que já nascem connosco muito vincados e se, de tenra idade lhes devemos transmitir o certo e o errado, assim como o "assim assim", por outro também reitero que, de facto, desde os meses de vida mais precoces, eles sabem perfeitamente distinguir o certo do errado e quais são os limites que devem ou não transpôr e quando. E tudo

1=1027

Pois que 1 soldado israelita vai ser devolvido à liberdade em troca da libertação de 1027 prisioneiros palestinianos. Os judeus têm destas coisas; um homem da terra (apenas), vale milhares dos "inimigos". É uma lição numa época em que amor e amizade são totalmente descartáveis.

Senti-lhe o odor

E decorridos tantos anos do seu desaparecimento, hoje senti o seu cheiro, tal como se estivesse a caminhar por detrás de mim, ou se já lá estivesse à minha espera. Não sei, foi estranho, mas senti nitidamente a sua presença ao meu lado. Reconfortou-me, estava a precisar de uma sensação destas e percebi claramente que me "dizia" para continuar. Sinto que algo "em grande" está para breve, posso estar enganada ou a baralhar os sinais, mas apesar de tudo, se for o que penso, apenas um factor perturba a minha tranquilidade...mas está tudo encaminhado e alinhavado para que não fiquem pontas soltas e tudo fique no seu devido lugar.

Experiências da juventude

Estava eu a dar uma volta pelo centro comercial à hora de almoço e sou abordada por um jovem rapaz com idade para ser meu filho (sim, eu já digo isto, oh céus!) com uma nota de 5 euros amarfanhada nas suas mãos de recém adolescente, a falar baixinho, com uma certa dose de "vergonha" e decoro e eis que me pede para lhe ir comprar um maço de cigarros. Obviamente que não acedi, não gostaria que a minha filha tivesse que fazer o mesmo daqui a uns anos; se tiver que pedir a alguém para lhe comprar tabaco, quero e anseio para que tenha a abertura suficiente para o pedir a mim. A questão é que há coisas que de facto são prejudiciais, que não trazem nada de novo à nossa existência, mas mesmo assim há quem teime em experimentar. No meu caso já foi muito tarde, sem dúvida que na altura, às escondidas da minha mãe, embora ela hoje o saiba, mas em boa hora o vício não tomou conta de mim. Menos uns pregos para o caixão e a poupança de uns quantos euros. Mas entristeceu-me a atitude da

E na Madeira

Mais do mesmo...o sufrágio foi soberano, vá lá saber-se o porquê! O "senhor" em questão não tem pinta de Al Capone, mas lá que tem estranhos poderes, tem! Ou votas, ou VOTAS e o povo, VOTOU!

Dia de Vacinas

Hoje lá foi dia de mais uma "pequena" tortura; uma picadela em cada bracinho. Custa-me sempre imenso, mas hoje creio que a ela lhe custou menos. Estava ao meu colo, dei-lhe beijinhos na testa e segurei-a com todo o carinho, o choro resumiu-se a breves fracções de segundo e foi colmatado com muitos beijinhos da mamã...e passou. Não sem antes ter feito umas certas necessidades fisiológicas monumentais, que até para o meu vestido passaram. Estávamos tão giras e tão sujinhas!!!

Tinham "cérebro"

Fez hoje mais um ano que faleceu a minha avó (13), a pessoa mais extraordinária que conheci até hoje e que recordo com cada vez mais saudade. E soube hoje que faleceu Steve Jobs, também precocemente; em comum tinham um majestoso cérebro e o facto de terem lutado com muita dignidade contra o cancro...que os venceu. Dentro do seu género, foram ambos mentes brilhantes e que descansem em paz!

Amadeus

Não fosse ter uma bebé pequenina e não querer abdicar da companhia dela, em meu benefício, não perderia esta peça nem por nada. Fica para a próxima :)

Descobertas

Agora que já adoptou quase na perfeição a função bípede, descobriu um mundo de aventuras, a meu ver, algumas delas um tanto perigosas. Senão vejamos: a casa tem portas, que se abrem e fecham, gavetas, com as mesmas funcionalidades, leitor de DVD, vídeo, aparelhagem, telemóveis, laptop, uma retrete com tampa que também abre e fecha, torneiras na banheira e no bidé, cadeiras, peças de decoração (Vista Alegre e afins, sendo que algumas já foram à vida), pacotes de toalhitas, sapatos da mãe, fotografias para rasgar, livros e revistas, a porta da arca, a luz do forno, uma panóplia de brinquedos para atirar ao chão e não só...é uma alegria! Por vezes penso que entraram aqui os Talibã, ou que a casa virou uma tenda de circo, tal não é a algazarra!

15 Meses

Passam a correr os meses em que conto com a presença dela na minha vida. Com os dentes a quererem romper todos ao mesmo tempo e as maleitas inerentes a esse estado, pode-se dizer que a Bébécas continua uma fofura. Esta foi das últimas coisinhas que lhe comprei para a nova estação que tarda em vir.

Estava difícil

O Honey faz anos amanhã e só hoje, na véspera e à típica maneira portuguesa é que he fui comprar os presentes. Fui não, fomos, porque a Bébécas tem participação activa no processo. Os presentes foram escolhidos carinhoe espero que amanhã o façam sorrir, não só porque celebra mais um ano de vida, como também porque nos temos aos 3 e falando pela minha parte e pela Bébécas, gostamos muito dele e agradecemos-lhe o facto de existir e de estar presente nas nossas vidas.

Tudo se consegue

Hoje perguntava-me uma colega como é que eu conseguia, cuidar sozinha da Bébécas e de tudo o que a envolve. Ela tem uma bebé pouco mais nova do que a minha Bébécas, muito calminha e mesmo com a ajuda do marido diz que só consegue respirar fundo lá pelas 11 da noite. Por vezes eu própria penso...como é que eu consigo! Todas as lides, o trabalho, a casa, as coisinhas dela. Enfim, nunca páro antes da 1 da manhã, fora algumas noites mal dormidas sempre que se lembra de fazer forró às 4 da madrugada. Temos dias em que a rotina é dura, as preocupações, os encargos, o pouco tempo para mim, mas aquele sorriso e a alegria que ela me consegue transmitir são de facto regeneradores. Por ela, vale a pena :)

E a prenda do Honey?

Nunca me aconteceu uma coisa destas, mas, já diz o ditado que há sempre uma primeira vez para tudo. O Honey faz aninhos no próximo dia 04 e ainda nem sei o que lhe vou oferecer, nem o que a Bébécas lhe irá dar. Ando mesmo com falta de inspiração e já estou a entrar em stress com o aproximar da data, sem a mínima ideia de quais serão as surpresas que lhe vou preparar. Espero que o fim de semana seja prolífero em boas ideias.

O furo jornalístico do dia

Passei agora nas imediações do Tribunal de Oeiras e eis que vislumbro o aparato televisivo, digno das mais altas patentes do país, e pensei: como é que eles sabiam que eu ia passar aqui!? Ahahahahah Afinal deve ser por causa do "nosso" ilustre Presidente, que passou a noitita nos calaboiços de 5 estrelas da nossa ainda mais ilustre Polícia Judiciária.

Iguarias

Perguntava-me o Honey há pouco quais iriam ser os nossos repastos no fim de semana. Isto porque ao fim de semana é ele o Mestre da Culinária. Falou-me em peixinho e tal...mas ando com umas saudades de fondue, tão grandes, tão grandes, tão grandes...que vai ser uma das nossas ementas. Humm, que delícia!

O cueiro da Bébécas

Devia estar grávida de cerca de 5 meses, já sabia que vinha aí uma menina e tanto procurei algo que tinha idealizado, que acabei por encontrar. Um cueiro em tons de branco e rosa, lindíssimo da Laranjinha. Quando o comprei lavei-o com todo o carinho, passei-o a ferro e ficou ai guardado à espera que ela nascesse para o vestir e ser apresentada ao pai, linda e principesca. Mas...as intenções da criatura em questão foram outras, deixou de fazer sentido qualquer atitude da minha parte para o presentear fosse de que forma fosse. A Bébécas acabou por vestir o seu lindo cueiro 5 dias depois, num momento muito nosso e qual jamais irei esquecer. Por tudo o que passou e muito mais aquela peça tem um significado muito grande para mim e imaginei que ficaria bonito no quarto dela, emoldurado e preservado. A minha mãe ofereceu-me a obra, fomos hoje buscá-lo e está maravilhoso. Cada vez que olho para ele emociono-me e uma vez que não quero que mais ninguém o use, pelo menos nas próximas décadas

Para a minha menina

Tenho cada vez mais saudades dela sempre que ela está longe, a meio do dia de trabalho sinto uma vontade imensa em estar com ela, abraçá-la, dar-lhe muitos beijinhos, admirá-la. À hora de almoço fui ao centro comercial do costume e deliciada a ver as montras das lojas de roupa para bebé, entrei numa delas e comprei-lhe um vestido lindo e muito fashion. Fica-lhe a matar.

E lá vai barão (zito)

Aquele que prometia ser um fim de semana sempre em festa, já que tinhamos duas festas de aniversário, revelou-se uma autêntica balbúrdia, em que nada decorreu como seria suposto! Depois da triste cena que deu origem a que chegasse a casa na sexta-feira mais tarde do que era suposto, a propósito do incêncio da sucata no itinerário mais famoso de Portugal, sábado, lá iamos nós (mãe e filha) todas catitas à nossa vidinha de manhã, quando o Bob (o meu carro) decidiu começar aos solavancos. O que começou com um ligeiro "solavanquito", transformou-se numa sucessão dos ditos e às tantas decidi parar numa área de serviço, já bastante preocupada e a pensar no que iria fazer...uma coisa era certa, o Bob dali, só mesmo para a oficina. Olhei para a Bébécas, comecei a imaginar a nossa entrada triunfal num reboque com todas as tralhas que tinhamos atrás, ou então no táxi da assistência em viagem, mas achei que nos ia faltar um toque de classe, ahahah. Bem, lá abri o livro do carro para

Há (houve) Fogo!

Estávamos nós a tomar um café depois de almoço no escritório e avistámos ao longe uma coluna de fumo negro. Conjecturas para cá e para lá, achámos que era para os lados do Tagus Park. Resumindo, quando saí diziam na rádio que era um incêndio de grandes proporções que obrigou ao corte do itinerário que me ajuda a chegar a casa. Resolvi dar tempo, fui com a minha mãezinha às compras e lá me arrisquei. Houston! A estrada continuava cortada e chegada ao local do fogo...foi assustador. O anoitecer não deixou testemunhar o rescaldo, mas os cisterna dos bombeiros em fila, a quantidade de polícia e barramentos de cortes de estrada, o cheiro a queimado, o aparato em torno do incidente, dão que pensar. Que horror! É de facto dantesco e infunde muito respeito.

Coisas de Chico(a) Esperto(a)

A chico-espertice aborrece-me, irrita-me e faz-me muitas vezes marinhar pelas paredes e descê-las agarrada pelas unhas. Mas hoje, recaiu sobre mim o espectro execrável da falta de respeito que eu tanto abomino que tenham comigo, e fiz de conta que não vi uma fila de carros que desciam pela A5 abaixo, e meti-me, com uma rápida timidez quase lá à frente na entrada para a Cril. Shame on me! A sério é horrível, não faço destas, critico e irrito-me com quem o faz, mas hoje o tempo urgia, os restantes transeuntes estavam a deixar espaços enormes e eu...escapuli-me lá para a frente. Mas já me arrependi, já me penitenciei, já me auto-flagelei e tudo. Enquanto me lembrar do pecado, prometo que não repito. ...ia com alguma pressa para o IPO, e aquela atmosfera é de facto triste e muito deprimente.

Para a minha Princesa

A Benetton está com coisas tão giras, que o difícil é escolher o guarda-roupa da nova estação para a minha Bébécas Tinkerbell.

O Sr. João Jardim também já estava a precisar

Tem uma ilha bonita sim senhor, mas o homem é mal criado e insuportável, para além de que em seriedade tão pouco será um poço de virtudes. É dos tais que "olha para o que eu digo, não olhes para o que eu faço", vida de aparências e fazer crer que se é uma coisa, quando se está no limiar de coisa nenhuma. Já tardavam em vir constatações que deitassem por terra o seu discutível carisma, que mim nunca me serviu de engodo. Agora vão também os madeirenses pagar a factura, agravamento de impostos (que isto de serem sempre os mesmos tem de acabar) e cortarem de vez com o subsídio de 2% que os funcionários públicos do arquipélago recebem por serem insulares. Já agora também podem atribuir um subsídio para quem percorre o IC19 e a 2ª circular todos os dias, para quem anda tipo sardinha em lata nos transportes públicos, and so on.

Conta a descoberto

A minha Bébécas tem neste momento o saldo a descoberto e não é autorizado. Aprendeu a deitar a comidinha para fora da boca precisamente no momento em acabou de a transformar em bolo alimentar e que devia estar em movimento descendente interno! Fez a primeira e eu avisei, fez a segunda e eu voltei a avisar...e não é que fez a terceira? Disse-lhe que a partir daquele momento estava sem crédito para traquinices e badalhoquices no dia de hoje (a criança parece que percebe :)) Depois lá voltou a portar-se bem, comeu gelatina como prémio, tivemos os nossos miminhos e caminha. A mim deu-me para a cozinha; jantei um arrozinho de bacalhau da mãe do Honey que estava uma delícia e pus-me a tratar do almoço de amanhã da Bébécas e para aém disso apeteceu-me fazer uma quiche. Ficou linda, espero que saborosa e de tão linda que está, vou oferecê-la à minha mamã. Doem-me as costas, só agora sosseguei um pouco, vou para as minhas leituras e dentro em breve recolher aos meus aposentos. ...Ah, escus

TGV

Hoje, uma das notícias do dia que retive foi o facto de que afinal parece que se vai avançar mesmo com o TGV cá no nosso burgo, para não se perderem os apoios internacionais e não se pagarem multas de incumprimento, lá se vão gastar uns tantos milhões em algo completamente desnecessário no nosso país. E pasmei-me exactamente pelo troço escolhido: Caia-Poceirão! Então mas esta gente não percebe que já com o Alfa Pendular o dito apenas atinge a sua eficácia num troço mínimo já depois de Coimbra, e que não temos capacidade nem linhas óptimas para um TGV??? Então não se paga às farmacêuticas a comparticipação para os medicamentos dos doentes oncológicos, aumentam-nos os impostos quase diariamente e tiram-nos benefícios há tanto adquiridos e vai-se investir num negócio destes? Estou mesmo a ver o TGV à beira de um chaparro, cansado, cansado, de tantos quilómetros percorrer no meio do nosso Portugal profundo e ostracizado.

Conflito de gerações

Que ela acorda sempre com mais genica do que eu, é um facto e é inevitável. Isto de ter menos 32 anos que eu tem que se notar de alguma maneira. Mas daí a acordar uns segundos antes do despertador tocar e começar a enaltecer a sua presença com gritos estridentes, fez-me pensar por momentos que estava ainda no meio de um pesadelo. Mas não, era mesmo a Bébécas e era tudo real, até o raiar do dia. E disse-lhe eu assim em jeito de desabafo: "Ai filha, que chata". E ela utilizando exactamente a mesma entoação (que é o que tem muita piada) - "Dáta" Que é como quem diz - Chata, à sua bela maneira atabalhoada mas cheia de ternura.

Haka

Estou mesmo a ver que daqui a nada tenho a Bébécas a querer desistir da natação e enveredar no Rugby - era só o que me faltava. O honey já lhe ofereceu uma bola, ontem tirou fotografias com a camisola da selecção neo-zelandeza e o que ela adora o "Haka"! Olhando bem para as feições dela e bem vistas as coisas, ainda tem ascendência Maori. É linda, sai à mãe!

Que susto

A lady Bébécas apanhou os meus óculos de sol Dior e foi vê-la a abrir as astes até ao limite. Valha-nos a resistência do material, caso contrário a esta hora já eram.

Em choque

Foi como fiquei ontem ao receber a notícia da morte de uma pessoa com quem convivi tantos anos e...enfim, não há palavras. Morrer assim, de uma forma tão precoce e abrupta. Uma pessoa ser encontrada morta em casa, todo o aparato em volta, com ou sem sofrimento, fiquei em choque. Ficámos, pois ao receber a notícia por parte da minha mãe, ela própria estava atónita a contar-me a notícia. Dei comigo à noite a ligar para a pessoa que faleceu, porque ainda me custa a acreditar; e o telefone dava sinal, com o "waiting ring" da canção preferida e de que também gosto muito...mas não atendeu. Há pouco passámos no sítio onde morava e nem sinais de vida...e mesmo assim continua a parecer tão irreal este desaparecimento. Partiu e espero sinceramente que descanse em paz. Até sempre I.

Com ares de Zíngaro

A minha criança é mesmo muito gira. Tem todo um ar exótico e consoante os dias e a vestimenta, tanto parece uma Inca, como uma índia, mexicana, enfim. Mas quando anda numa de brincadeira até se estafar, transpirada e derreada de todo, assemelha-se a um zíngaro, sem tirar nem pôr. Com tudo de bom que os caracteriza, pois no rosto dela fica espelhada a felicidade e a liberdade que ela sente nos seus momentos de lazer. E nestes momentos nota-se perfeitamente que ela é uma bebé feliz.

"Bailarinas"

São tão giras e confortáveis que me rendi a elas. Gosto imenso de uns bons saltos, mas andar assim confortável, encanta-me. Parecem umas luvas!

Quem sai aos seus

não degenera! As feições começam a ficar definidas e é com muito orgulho que a vejo ficar cada vez mais parecida comigo. É tão engraçado! As imensas bochechas com o mesmo formato, os olhos rasgados, o nariz, o sorriso. Tirar-lhe fotografias e comparar com fotografias minhas com a mesma idade e constatar tanta semelhança...é tão bom. Sermos capazes de gerar um ser à nossa imagem e graças a Deus perfeitinha e com tudo no lugar, é fantástico. Mais clarinha do que eu (por razões óbvias) mas preserva um tom de pele lindíssimo, com o cabelo aos caracóis e já a fazer canudos (sem carapinha, o que é óptimo, porque não é tão complicado de cuidar e de pentear), os dentes brancos e alvos, mas o mesmo jeito, o mesmo sobrolho ligeiramente levantado quando a vida não lhe corre como ela quer. Enfim, quando anda a passear com a avó, as pessoas que há muito não me vêem já chegaram a comentar: "- só pode ser filha da *****; é a cara dela" Só tenho a agradecer à natureza, cada vez mais me

11/09

Não se faka de outra coisa nos últimos dias, e as alusões relativas ao acto em si na imprensa têm sido uma constante...o caso não é para menos! Reportagens, depoimentos de quem lá esteve, depoimentos de quem perdeu alguém, tudo se sucede, e relembramos o que, deste lado do mundo sentimos naquele fatídico dia. Se caso tivesse sido um acidente a imagem já era deveras chocante e avassaladora no sentido negativo, ao depararmo-nos com a confirmação de que era um acto de terrorismo, todos os sentimentos e emoções foram multiplicados em larga escala e geraram-se sentimentos controversos e sobretudo uma grande impotência face a episódios deste teor. Não há nada que possamos fazer para o evitar. Ontem no Jornal da Noite da SIC houve uma rubrica dedidaca aos bombeiros do 11 de Setembro. Dei comigo a "viver" a situação, a imaginar o que terá sido aquele terror, o pânico daqueles seres humanos, a dor, a revolta, o susto... ...e não me sai da cabeça a imagem do avião a embater numa d

O choro da minha menina

Antes de ser mãe ouvia dizer que rapidamente aprendemos a interpretar as emoções dos nossos filhos, mas confesso que me fazia imensa confusão. Enquanto eles não falam, não dominam a linguagem nem a expressividade, como seria? Dou a mão à palmatória, pois assim que ma puseram em cima do meu corpo e depois de nos termos admirado uma à outra, estabelecemos as nossas primeiras emoções, tornámo-nos uma da outra e facilmente comecei a reconhecer aqui e ali os seus traços de personalidade, as suas carência e necessidades. E é incrível que mesmo quando era uma recém-nascida, lhe adivinhava sem margem de erro pelo choro, se necessitava apenas de sentir o meu cheiro, se tinha fome, se tinha a fralda a causar-lhe desconforto... Não que seja ou tenha sido uma bebé muito chorona, mas tem, como todos, os seus momentos, as suas birras, as suas teimosias; mas, o que mais "stress" me causa tem sido das poucas em termos reais, mas mortificantes (para mim) vezes em que ela se magoa, ou que a

Fim de Tarde

Não há dúvida de que os fins de tarde de Setembro são dos mais bonitos do ano. As árvores mudam de tonalidade, a movida do Verão vai-se esvaindo e sente-se uma atmosfera bem diferente, que acalma. Mas o que me aborrece é que quando o Sol se põe e estou a conduzir na direcção do poente, àquela hora, é terrível; por escassos momentos deixo de ver e penso: - Raios, detesto esta hora do dia! Transpondo isto para a vida, é mesmo "querer ir, para onde não vou"!

"O Mandarim"

Como é que é possível as circunstâncias da vida por vezes serem capazes de dar origem à nossa descaracterização, à perda de alguma da nossa identidade e que nos façam andar tipo zombies a pairar no cimo da nossa vida? Quer dizer, que as preocupações relacionadas com os filhos ou com a nossa família nos façam desertar do rol dos dias felizes, é uma coisa, agora coisas e loisas que cheiram mal, que fedem...sinceramente não consigo entender, embora também tenha padecido do mesmo mal. E porquê Sr. Ministro?? A pessoa ganha rugas de expressão, olheiras, depois gasta-se dinheiro em corrector, que depois não sobra para comprar os belos dos óculos da Prada! Resolvi que já chega de ler apenas revistas de viagens, de puericultura e bebés e catalógos do hipermercado. Retomei um hábito, um vício que me faz falta e que me alimenta a alma e a imaginação. Como é que eu pude estar mais de um ano alheia das letras que tanto prazer me dão?? Credo, quando de facto nos relacionamos com seres estúpidos

Eu e o prémio da "Volta ao Mundo"

Ontem depois de cumprir com todas as tarefas domésticas do dia e de tratar da Bébécas e todas as implicâncias que esse facto tem, digamos que me sentei a relaxar já muito perto da meia noite. Tinha recebido a minha Volta ao Mundo na caixa do correio, publicação daquelas de que gosto muito e já nem me lembrava que no mês passado tinha participado num concurso. Pois que me ponho a folhear a dita e às tantas, já numa das páginas finais vejo lá o meu nome...uau, fez-se luz!!! O concurso em que identifiquei uma fotografia que só podia dizer respeito à British Columbia deu-me frutos. Fiquei tão contente. Sendo assim ganhei o livro "Paris" do Julien Green, uma das obras de maior vulto deste escritor, uma espécie de diário de bordo, muito ao seu jeito, da cidade dos amantes. Nunca li, não tinha o livro...por isso foi uma agradável surpresa.

As nossas teimas

São de rir e chorar por mais. No serão de Sábado, já depois da Bébécas ter recolhido aos seus aposentinhos, já não sei a que (des) propósito, veio à baila o Herman José, aliás, a Maximiana. E eu a teimar que a dita fazia parte dos intervenientes no Tal Canal e o Honey teimava que não. Houve direito a aposta e tudo, não vou dizer o teor, pois é muito íntimo...e eu perdi. Contrariamente ao que é hábito, o Honey tinha razão. Raios, detesto ter que dar a mão à palmatória...mas ele tinha razão, buáááááá. Não cumpri a promessa...ainda, mas vou cumpri-la, sou uma mulher de palavra e no mercado das teimas com o Honey, continuo em vantagem, eheheh

Polo Tecnológico de Lisboa - Ciência

Na semana passada, por questões profissionais passei algum tempo no polo tecnológico de Lisboa, local que não conhecia até então. Estive num local em que se estudam diversos organismos vivos, células, moléculas e afins com vista à melhoria das condições de combate a determinado tipo de patologias clínicas da espécie humana. Não vi nada relacionado com as pesquisas em si, nem nada que se pareça, nem tão pouco foi por esse motivo que me dirigi a esse espaço, mas o facto de entrar no interior de um edifício que se dedica à investigação, ouvir o chilrear dos pássaros e aperceber-me de que estavam a esvoaçar livremente por cima da minha cabeça...é de cientista! Realmente estando perante estes ambientes conseguimos absorver tantas emoções e tanto conhecimento, de nós próprios e do que nos rodeia. Se fosse hoje, com menos 11 anos de vida, a seguir à Sociologia, teria estudado mais e aprofundado muitos conhecimentos no âmbito das ciências da vida - cada vez me fascinam mais. O ambiente de

Para mau entendedor

...nem à marretada! Aqui a entidade não quer gelados, aqui a entidade não quer nada! Raios e coriscos, pelas barbas de molho do profeta, valha-me Eu. Será que é muito difícil que a criatura entenda que a entidade não quer absolutamente nada!? Se a única coisa que teve para me dar até hoje foram uns palitos de madeira de má qualidade que me iam dando cabo dos dentes e o facto de ter doado meia dúzia de células que ajudaram à concepção da Bébécas, caramba, agora oferece gelados ainda por cima depois de já os ter lambuzado e trocado fluidos da sua mucosa imunda com a Bébécas (o que eu não tendo a boca imunda e sendo mãe dela, sobretudo por uma questão de higiene e protecção dela não faço). Aqui a entidade já disse que não quer provar a #£€@& do gelado porcaria nenhuma. BOLAS que a criatura é lenta!

Homem preso por morder uma cobra - Globo - DN

Homem preso por morder uma cobra - Globo - DN Ao ler este lead, confesso que me deu para rir, e pensei que o senhor em causa tinha mordido...digamos que um(a) cobra daquelas humanas, não pertencentes à classe dos reptéis, mas à classe humana em termos biológicos, mas mais primária em termos emocionais. Mas não é que o dito mordeu mesmo uma Cobra e deixou-a em estado grave? Coitada da bicharoca. Não maltratem por favor estes animais denominados de irracionais, porque de facto o que lhes pode faltar é apenas a razão, e por vezes podem ser mais humanos do que os que se dizem como tal.

Bébécas - 14 Meses

Ena tantos!!! Está linda - cada vez mais! É a filha com que sempre sonhei, embora por momentos achasse que viria um rapaz...mas afinal foi por ela que esperei para ser a primeira. Para ser a pioneira do amor incondicional, do orgulho, da imensa vontade em lhe proporcionar tudo, mas mesmo tudo do mais maravilhoso e irrepetível que possa. Olhar para as minhas fotografias em pequena e reconhecer claramente as parecenças, abraçá-la e beijá-la e amá-la tanto, mas tanto, tanto que é impossível quantificar. É paixão que não acaba, é um amor que jamais cessará, e a cada dia tenho mais amor para lhe dar. Houve lanche, bolinho e muitos beijinhos! Tão querida que ela está!

Importância a quem a tem

Isto de sabermos de coisas e loisas e estarmos perante o segredo da confissão é tramado; sobretudo para alguém que gosta das coisas esclarecidas, para o bem ou para o mal. Não vale muito a pena levar carga negativa para a almofada, pois só nos provocam rugas de expressão. Mas há coisas que fazem confusão. Porque é que há certas criaturas que não se resumem simplesmente à inexistência de importância que nós lhes conferimos? Preocupo-me acima de tudo com a minha filha, com a minha filha e com a minha filha, com a minha família, comigo, comigo e comigo, com o meu honey e com a família anexa que é um amor, com os meus amigos, igos, íssimos com a minha família, com o honey, família anexa, com a minha filha, filha, filha e comigo, igo, igo...família, honey, família do honey, amigos, igos, íssimos e não passa daí. Ponho o CD número 5 a tocar, mas a música é a mesma. Estou-me borrifando ( a começar por c e a acabar por o) para quem tenta manietar, descredibilizar e que não tend

Votos

Quando se faz um voto, seja ele qual for, tem que se cumprir. E um voto de silêncio é sagrado. Por isso, o que posso acrescentar neste momento é: "E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal!"

Novidades de Bebé

Ontem a inovação foi brincar (mos) de esconde-esconde no caminho para casa. Apanhou-me o tápa-sol (ou lá como é que aquilo se chama), punha à frente da cara dela; depois dizia Mamã, eu olhava pelo retrovisor, ela tirava o dito apetrecho da frente da cara e ria, ria, ria. O que nós nos divertimos com uma coisa tão simples.

Mau começar

O dia de trabalho fora de casa já vai a meio, mas a jornada hoje não começou nada bem. Dormi a noite toda sem interrupções, mas os sonhos e pesadelos foram seguidos; lembro-me de ter ouvido o toque de alvorada à hora do costume, desliguei o besouro e deixei-me dormir até mais do que o limite razoável. A Bébécas idem! Levanto-me, abro a torneira da banheira para tomar duche e nem gota; falta de água, algo que em 6 anos que habito no meu palácio nunca me tinha acontecido...pelo menos que me recorde. Lavei-me à gata borralheira com o auxílio da água do garrafão (fria e estagnada), tudo isto com uma neura... Depois fui tratar da Bébécas, ela teve mais sorte pois toma sempre o banhinho ao final do dia; gosto sempre de a limpar com água da Uriage na zona da fralda e tal, hoje teve que ser de Dodot's, a cara com soro fisiológico e "en garde", lá fomos fazer o trajecto do costume. Deixei-a, vim por aí a 1000 já atrasadíssima, quando saio da auto-estrada para entrar

Para o quartinho dela

As ideias estão na cabeça, mas até encontrar aquilo que imagino nem sempre é fácil. Andei a correr tudo e mais alguma coisa para encontrar uma prateleira com aquelas características, e consegui! Ontem fomos buscá-la lá pelos sítios de onde Judas perdeu as botas, mas valeu a pena.

Bébéca's Rucksack

Vejo estas "mimosices" e não resisto! A minha criança precisava de uma mochila nova para o início do novo "ano escolar". Eu tinha que arranjar um pretexto para lhe comprar um mimo - não havendo desculpa melhor, encosto-me no regresso às aulas! E tem muitos mochos e corujas, porque a Bébécas é muito inteligente.

Botins

Nunca fui muito apreciadora de botins, mas estes....

Escolha de fotografias

Decorridos estes 13 meses de experiências inesquecíveis, muitos dos momentos ficaram registados em imagens, algumas sequenciais, outras em video e tantas outras estáticas, mas que captaram aquele momento que sabe bem de quando em vez recordar. Pois que tenho andado numa roda viva a seleccionar as melhores entre as melhores, que eu gosto mesmo de tocar nas fotografias, folhear um belo álbum, pois vê-las no computador não tem a mínima graça. E nesta selecção para as mandar revelar, tenho andado a fazer serões até às tantas e já tenho uma panóplia de quase 300 fotografias para encomendar. Bem, até à idade adulta da Bébécas devo ter que arranjar um closet só para armazenar albuns de fotos :)

Misha

E no outro dia falava em brinquedos antigos e lembrei-me do meu Misha! Ainda existe, mas falta-lhe o cinto.

Jornadas da Juventude - Madrid

Já o afirmei mais do que uma vez e essa é a verdade; tenho uma opinião muito própria acerca da religião, da igreja, do sistema religioso judaico-cristão e afins. Tenho as minhas crenças, raramente vou à missa mas sei as principais orações e respeito os locais de culto. Sou baptizada, a minha filha também o será em breve e se mais filhos tiver faço questão que o sejam também, numa cerimónia simples e com água do rio Jordão. Aborrece-me imenso a ostentação da Igreja com a qual apesar de tudo mais me identifico, aborrece-me algum cinismo de muitos sacerdotes e aborrece-me que o chefe máximo da organização em causa não seja o primeiro a dar o exemplo. É de lamentar que num periodo de tantas transformações nefastas na nossa sociedade, que em visita à capital de um país que também tem sido tão fustigado pela crise, não abdique de ostentar os seus sapatinhos Prada, que os custos de tal deslocação tenham sido suportados pelo Estado e que quando um grupo de crianças pequenas se tentar