Avançar para o conteúdo principal

Mau começar

O dia de trabalho fora de casa já vai a meio, mas a jornada hoje não começou nada bem.

Dormi a noite toda sem interrupções, mas os sonhos e pesadelos foram seguidos; lembro-me de ter ouvido o toque de alvorada à hora do costume, desliguei o besouro e deixei-me dormir até mais do que o limite razoável. A Bébécas idem!

Levanto-me, abro a torneira da banheira para tomar duche e nem gota; falta de água, algo que em 6 anos que habito no meu palácio nunca me tinha acontecido...pelo menos que me recorde.

Lavei-me à gata borralheira com o auxílio da água do garrafão (fria e estagnada), tudo isto com uma neura...

Depois fui tratar da Bébécas, ela teve mais sorte pois toma sempre o banhinho ao final do dia; gosto sempre de a limpar com água da Uriage na zona da fralda e tal, hoje teve que ser de Dodot's, a cara com soro fisiológico e "en garde", lá fomos fazer o trajecto do costume.

Deixei-a, vim por aí a 1000 já atrasadíssima, quando saio da auto-estrada para entrar na Marginal, aviso de acidente e tal, luzinhas intermitentes...houston! o que foi desta vez!

Primeiro desviamo-nos para a esquerda, pois o pouco que restava de um Mercedes estava a ocupar uma boa parte da via e quase em simultâneo desviamo-nos para a direita porque debaixo de um saco preto jaziam as vísceras de uma criatura. Apodera-se de mim um mau-estar e um desconforto que nem descrevo.

Passei o resto do trajecto a pensar o que será que jazia ali no asfalto. Chegada ao escritório, tirando a dúvida com colegas que passaram antes e que se depararam com um cenário ainda mais sinistro do que aquele que eu testemunhei...era um cão. Coitadinho, que acidente terrível e que morte horrível para aquele animal.

Fiquei incomodada e ainda estou. Que dia!

Comentários

Suse disse…
Credo! Realmente esse início de dia foi péssimo! Espero que melhore :)

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.