Avançar para o conteúdo principal

Brinquedos revivalistas

Posso dizer que neste momento em termos de espólio lúdico a minha Bébécas é uma felizarda. Não se pode ter azar em tudo e se há coisas que são para esquecer ou mesmo fazer de conta que não existem, outras fazem-me sorrir.

Não sei como será o amanhã, mas neste momento por vezes até acho que dada a conjuntura, se lhe proporcionasse um pouco menos, ela seria uma felizarda na mesma.

Mas por um lado, com a idade dela eu não tinha nem um terço, por outro para compensar as lacunas e o sofrimento que o progenitor causou, eu estrago-a com mimos...admito que sim, mas não sou só eu.

Há toda uma família apostada em que nada lhe falte, os amigos, a família do honey...enfim, todos nos preenchem o coração.

Mas as crianças são geniais e é de facto impressionante como elas nos surpreendem desde tão tenra idade. A Bébécas tem tantos brinquedos, tantas coisas com que se entreter, desde jogos didáticos, bonecas, bonecos, carrinhos, cavalo de baloiço, carro de quatro rodas, livros...e não é que agora adoptou como companheira de brincadeiras uma Pantera cor-de-rosa em peluche, já "carcomida" pela portentosa idade de mais de 30 anos que a seu tempo fez as minhas delícias?
Agarra-se a ela, abraça-a, ri-se, adormece com ela e com os restantes bonecos que tem desde o nascimento, mas a pantera é que ela não larga.

E no fundo é tudo tão simples.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.