Avançar para o conteúdo principal

Se há coisa que me irrita


É o facto de ser constantemente bombardeada com propostas de crédito, créditos pré-aprovados, financeiras acerca das quais jamais ouvi falar e nem quero a proporem-me a realização rápida dos meus projectos, blá blá blá.

Com os bancos com os quais trabalho já tive uma conversa e funcionou; apenas aceito propostas comerciais feitas directamente pelos meus gestores de conta, sendo que a palavra crédito é proibida...prefiro falar em aplicações financeiras ou estou totalmente receptiva a que me ajudem a poupar o mais possível os meus rendimentos.

Agora ligarem-me do banco X, do qual até nem gosto, ou da financeira Y com a qual nunca quis nada a tentarem vender-me a banha da cobra em formato nota de 500 euros, é de mau tom.
Já chega de tentarem enterrar ainda mais as pessoas do que elas já estão. Mas tudo bem, todos temos o nosso livre arbítrio e há quem goste, e faça da sua vida um crédito pegado, muitas das vezes não só para se cativar a si próprio, mas acima de tudo para mostrar a outros aquilo que não é e aquilo que não tem...mas, da sua vida, cada um saberá. Por isso até acho que o conceito de fiador é um disparate. Uma pessoa não paga, não honra o seu compromisso, perde o pouco que terá investido e o resto paga na cadeia, que também é para isso que elas existem.

Mas enfim, o que se pretende é que, para quem não está de todo interessado em contrair mais créditos do que o "infelizmente" necessário, não gastem papel, selos, envelopes, chamadas telefónicas e sobretudo não façam uma pessoa perder tempo, porque este urge e é dinheiro!

Comentários

Acho que ainda pior são aqueles créditos pré-aprovados que nos chegam a casa pelo correio. Para quem esteja aflito, é tentador, mas no fundo apenas vai servir para o enterrar ainda mais, tal os juros que são cobrados.

Beijoca!

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.