Avançar para o conteúdo principal

Acerca da onda de violência nas imediações de Londres


Já não me surpreende há muitos anos que um dado facto que cremos que seja isolado, dê origem a uma catástrofe.

Deparamo-nos sistematicamente com esta realidade em termos ecossistémicos, em termos biológicos, do mundo da química e da física...mas quando ocorrem ondas de caos no meio social...o primeiro pensamento que me ocorre é que tal é absolutamente desnecessário.

A polícia abate a tiro um indivíduo em determinadas circunstâncias - não consegui ainda entender em que circunstâncias ocorreu, mas esse facto despoletou a onda de violência que reina neste momento perto de Londres, sobretudo em bairros problemáticos.

Facto: um indivíduo foi abatido.
Facto: não haveria necessidade de ter ocorrido
Facto: revolta

...mas será que a voz da revolta tem que ser contextualizada num cenário de horror, violência, destruição, saques e pilhagens?

Ou os indivíduos daquele contexto específico aguardavam por um sinal, pelo atear do rastilho para fazer face à sua revolta contra o sistema?

Comentários

Suse disse…
Concordo, esse incidente foi como uma "desculpa" para esta juventude tola e oprimida começar com estes desacatos gravíssimos. Um amigo meu que vive em Londres diz que neste momento sente vergonha por o que se anda lá a passar.
Já vimos que não é só em Portugal que há gente parva e mal formada né. Enfim...
Beijinhos :)
Realmente a melhor forma de protestar é gamar artigos electrónicos. Esses é que mereciam levar com um tiro na tromba...

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.