Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2019

O companheiro de viagem de um amigo meu

Este cão é qualquer coisa!

Em choque

Quando sem querer é desvendada uma verdade cruel e nós não sabemos qual a atitude mais correcta a tomar: Julgar/Criticar Fingir que não sabemos de nada Tentar ajudar uma pessoa que é doente e precisa de ajuda Passo a explicar: há 2 dias, estava a almoçar com 2 colegas e estavam a contar-me que tinham visto na véspera uma reportagem na SIC acerca de um embuste iniciado no Facebook que tinha tido  como vítimas várias pessoas, entre as quais um indivíduo muito bem parecido por sinal que tinha "conhecido" uma suposta médica, manteve contacto com ela, mãe dela, amigas e amigos durante um ano, bom, até mais, porque ao fim de 1 ano a protagonista morreu e ele continuou a ser bombardeado pela família dela, amigos, etc. Tentou marcar encontros, mas nunca teve sucesso. Apenas conseguiu falar com ela ao telefone e um dia recebeu a notícia da sua morte com um cancro. Existiram outras pessoas que também estavam envolvidas enquanto vítimas nesta teia, com direito a fotografias e

Quando "adoptamos" pessoas e ficam num lugar especial do nosso coração

Tomamos as suas dores e problemas como se fossem nossos, e vibramos com as suas alegrias e sofremos com os seus dilemas. Tenho uma menina numa das equipas que coordeno, italiana, e caso eu tivesse sido mãe aos 18 anos, podia ser minha filha. É excêntrica na maneira de vestir, a uma primeira vista quem me conhece conclui que não tem nada a ver comigo, mas tenho um carinho por aquela miúda que não consigo explicar. O namorado foi a primeira pessoa que conheci e  criámos uma empatia bestial. Pois que a miúda, há uns tempos atrás me aparece com um caroço enorme no pescoço e eu não gostei do que vi e incitei-a a ir ao médico - o facto é que a miúda já teve um cancro na Tiróide e caroços no pescoço levam-me à minha avó e ao Linfoma que a tirou de nós. A miúda primeiro foi fazer análises; assim que teve os resultados veio mostrar. Ok, não gostei. Indicadores tumorais de nível II. Disse-me que só teria nova consulta passados meses. Lá voltei a empurrá-la para outro hospital e insisti par

Haja imaginação

O Milagre da Vida

Tal como eu que vou renascendo das cinzas como a Fénix, o meu Bonsai ressuscitou. Valeu a pena apesar de lhe ter detectado a morte, continuar a cuidar dele e a dar-lhe uma palavra todos os dias. Deu frutos e está a renascer. Num dia triste, tinha que acontecer uma coisa boa para eu sorrir!

Fotos que marcam

Por norma, as fotos mais premiadas são aquelas que nos socam as entranhas, que nos fazem pensar que a vida é luta, que o mar de rosas, é uma utopia. Quando vi esta foto pela primeira vez escorreram-me lágrimas pela cara abaixo. A desolação daquele senhor perante a perda de tudo o que lhe tardou uma vida a construir emocionou-me. O senhor entretanto faleceu recentemente sem ver cumprida a promessa de lhe darem uma nova casa, mas a imagem vai perdurar na memória de muitos. Na minha, vai certamente. Fotografia vencedora do Prémio Rei de Espanha de Jornalismo

Quem nunca...?

O pior é quando mesmo que passemos a querer sem estarmos inicialmente a pensar nisso sequer, apanhamos mais umas quantas desilusões. Bom, ninguém disse que isto era fácil. Don't stop believing!

Quando nos fazem duvidar dos nossos valores

Neste caso, a honestidade. Vejamos, hoje à hora de almoço, antes de me dirigir a um dos sítios do costume, ao verificar que não tinha dinheiro suficiente, dirijo-me ao Multibanco mais próximo que fica ni interior de uma superfície comercial. Levantar dinheiro é quase tão instintivo como lavar os dentes por exemplo, pelo que tento inserir o cartão na ranhura, sinto uma ligeira pressão e só aí olho para o visor. E mostrava o visor a seguinte mensagem: "Por favor, retire o seu dinheiro" Nisto, olho para a ranhura de onde saem as notas e estavam lá de facto 2 notas de 10€. Olho em volta, não vejo ninguém, retiro as notas, volto a olhar em volta...o mesmo cenário. E o que faço eu!? Fui à procura do Segurança para lhe entregar o dinheiro, para que o mesmo actuasse em conformidade. Lá encontrei o homem, com um ar meio alucinado, digo-lhe que aquele dinheiro estava na Caixa Multibanco "X" e que alguém se esqueceu de o retirar. Continuou a olhar pa

Vamos lá sacudir que eu acho que a vida fica bem mais florida com o meu sorriso

JPS

Brexit

Sempre pensei que hoje votassem a favor do adiamento, mas afinal a Senhora Europa tem personalidade. No que estes ingleses se meteram e no que nos meteram a todos. Que estupidez!

Factos que me enojam, enquanto mulher, mãe, irmã, filha...enquanto cidadã

https://sicnoticias.pt/programas/reportagemsic/2019-01-27-Crime-Silencio-e-Preconceito Nojento e arrepiante. Lamentavelmente enquanto as "leis" continuarem a ser definidas maioritariamente por homens, estas situações irão persistir. Lamentavelmente uma vítima após este tipo de conclusão, num "surto psicótico" pega numa arma ou nas próprias mãozinhas e dá cabo de um sujeito destes, vai parar à cadeia com pena efectiva. O que para mim seria no mínimo uma legítima defesa, tardia, mas não deixaria de o ser.

Sítios por onde quero passar...

Já tinha lido acerca deste Chalet e ontem passei por lá e apaixonei-me. Que mimo, que ambiente, que lindo. A vida são dois dias e um dia destes quem vai lá passar umas horas de charme, serei eu. Chalet Saudade, Sintra

As coisas que existiram no nosso país e que nós desconhecemos

A vida na Leprosaria Nacional: ″Lá é que eu me fiz mulher. E as coisas más já passaram″ : Lucília entrou na leprosaria com 9 anos e só saiu adulta já com dois filhos. Viveu o estigma da doença que, nos últimos 30 anos, deixou de ser um problema de saúde pública, mas não está erradicada. Em 2017 registaram-se mais 210 mil novos casos no mundo. Cinco em Portugal.
As abelhas produzem o mel, mas o verdadeiro mel pode estar em 2 corações. E a vida bem como o caminho para a felicidade partem daí, de 2 corações perdidos que se encontram e também eles têm mel, em si e para o outro. Life could be magic!

Hoje a minha "bicheza" está mais calma

E acaba de me comentar o seguinte: "Mamã, sabes que o Donald Trump quer construir uma barreira?" Ai sim, perguntei eu. E por que motivo é que ele vai construir essa barreira? "É para os Mexicanos não saírem!" Ai sim? E para os mexicanos não saírem de onde? "Do México!" Para onde, retorqui. "Não sei, mas acho mal. Um país não pode ser uma prisão!" E com esta me fico.

A questão que se coloca. Portugal é um país racista?

Honestamente acho que é um país onde existe gente muito estúpida, como também existe gente inteligente e afins. Existem pessoas com cultura e instrução, como também existem grandes bestas quadradas. É o que é. Se fosse tudo perfeito estaríamos no Céu. Se houve carga policial excessiva no Bairro da Jamaica? Honestamente não sei; para se avaliar uma coisa dessas com justiça, creio que também deveríamos ter a oportunidade de analisar as imagens imediatamente anteriores à chegada das forças policiais e o início da sua actuação, porque de facto o que vi, foi uma autêntica rebaldaria, filmada ao bel prazer das potenciais vítimas. Se se tratasse do Bairro ro Aleixo no Porto, que se a memória não me falha é habitado sobretudo por famílias de raça branca, estaríamos perante uma potencial carga policial excessiva mas não se falaria em racismo. Que existem polícias que são verdadeiras bestas, também existem. Mas serem chamados a intervir e serem recebidos à pedrada, honestamente não me pa

Quando os miúdos tentam fazer de nós parvos

- De que cor foi a bola de hoje? - perguntei eu ontem assim que a vi. Após alguma hesitação, responde: - Foi laranja, mas nem sei porquê! Está numa fase terrível a minha criança. Para além de se portar manifestamente mal, está numa de enfrentar e questionar regras impostas, tentar esquivar-se aos castigos, desobediência pura e muita parvoíce. Eu até aqui contava até 10, depois passei a contar até 100, agora conto em alemão para demorar mais tempo. Honestamente a minha paciência está a esgotar-se e quer-me parecer que os brinquedos vão ter que ser varridos daquela casa urgentemente e vamos entrar em regime militar.

Morreu

O meu Bonsai morreu. Gostava tanto dele, já fazia parte do meu cantinho lá no escritório e estava lindo. Após quase 2 semanas de férias, ares condicionados a bombar no máximo e os colegas que se esqueceram de o regar, encontro-o murcho. Pensei que com água e alguma conversa ele arrebitasse, mas não. Está sem vida o meu Bonsai.

Não sei se é o meu lado de mulher, ser humano, mãe...

Mas o caso da criança que caiu pelo buraco baixo em Málaga está a tirar-me o sono. Se já andava com palpitações e falta de ar, de há uma semana a esta parte, ainda estou pior. Confesso que logo que soube da notícia lhe antevi a morte, mas reinava sempre aquela esperança infíma de que "Ao menino e ao borracho mete Deus a mão por baixo". Mas obviamente que mais de uma semana volvida, já nem essa esperança existe, e apoderou-se de mim uma sensação de impotência face a estas tragédias da humanidade. Parece que o pequeno Julen é também um pouco meu, podia ser meu filho, meu sobrinho, meu afilhado - não é, nem sequer o conheci, mas tenho um profundo pesar pela tragédia que aconteceu a esta família. Estejas onde estiveres bebé Julen, que estejas em paz e que te consigam encontrar rapidamente.

Um abraço, um carinho, um mimo, o sentirmo-nos cuidados...

Hoje é daqueles dias

Em que a miúda não tem culpa nenhuma por ser assim, cheia de genica, garra, vida, energia. Mas eu, bom, eu estou cheia de tonturas, sinto as pernas a tremer, as mãos idem e vejo tudo a andar a roda - juro que não percebo se é de mim, ou ela está mesmo tipo carrossel no meio da sala.

É uma miúda obstinada e difícil

E esta semana esteve desaustinada. Dois dias com bola amarela, chatices para ir dormir para aí 3 dias, implicância com a roupa e os sapatos de manhã, simulações de doença ao fim do dia para beber chá, e depois, o melhor trabalho da turma a Inglês, média de 7.5 nas provas de natação - não é óptimo, mas tendo em conta que a minha vida pessoal e profissional me têm impedido de a levar às aulas tantas vezes quanto deveria, achei excelente. Aqueles braços e pernas esguios são lindos de ver a deslizar nas águas daquela piscina. A infinidade de beijos que me dá, o chamar Mãe lá bem do fundo e agarrar-se ao meu pescoço como se não houvesse amanhã e que me causou um torcicolo compensam o verdadeiro duelo de titãs que por vezes se passa cá em casa. Mas, estou sem energia. A necessitar mesmo de um belo fim de semana.

Haja imaginação e espírito de poupança

A vida está difícil, é um facto, mas o que eu nunca tinha visto, era um indivíduo em pleno parque de estacionamento a aproveitar a água da chuva a cair para, munido de uma esponja, lavar o carro. Nunca tinha visto, disse bem, porque hoje foi o dia! A seguir só mesmo uma avestruz a saltar à corda.

E como nunca é tarde, ou cedo, para receber presentes

A minha mãe e a minha irmã, resolvem começar o ano oferecendo-me este brinquedo que eu andava a namorar: Vai ser a loucura aspirar a casa e lavar o chão e as carpetes a vapor ao mesmo tempo.

Katelyn Ohashi. Como o ″pássaro que não podia voar″ chegou à nota 10

Katelyn Ohashi. Como o ″pássaro que não podia voar″ chegou à nota 10 : Competiu ao lado de Simone Biles, mas afastou-se. A ginasta da Universidade da Califórnia não aguentou a pressão e retirou-se da competição em 2015 antes de conquistar o júri e a internet com um exercício perfeito Brilhante. Não me importava nada de fazer 1/10 do que ela consegue. A miúda é um estrondo.

As profecias da minha filha

"Mamã, houve alguma rainha chamada Rita?" Pensei, pensei e disse que se houve, não me recordo. Resposta dela: "Ah, então vou ser a primeira!" Não sei de onde é que isto saiu, mas quer-me cá parecer que ela acha que vai casar com um qualquer princípe Harry!

Afinal, o que se passa com a minha máquina!?

Nada melhor do que conhecermos minimamente o nosso corpo e sentirmos precocemente que algo não está bem. Falta de força, cansaço inexplicável, prostração e aquelas palpitações a arritmias nocturnas que já me pregaram alguns sustos. Depois de finalmente conseguir consulta com um Cardiologista bastante recomendado, lá fiz uma autêntica bateria de exames. As análises estavam melhor do que esperava, descobri que sou um fenómeno, porque não faço desporto, não pratico uma dieta exactamente equilibrada e tenho uns níveis de colesterol HDL, ao nível de um belo desportista, assim com um valor que nesse contexto também é incomum - genética diz o médico. Os meus pais são qualquer coisa! Pelo menos nisto, estou óptima. A tensão arterial após monitorização por 24 horas, afinal revelou-se baixa e não alta como tinha acusado em duas medições ocasionais, o que também não é necessariamente bom. O conjunto de exames à máquina em si apontam para uma morfologia normal, um batimento cardíaco um p

As maleitas da idade

A minha filha está a envelhecer. Continua com muita genica, muita vida, às vezes até lhe peço para estar um pouco sossegada mas...já não aguenta directas :) Invariavelmente no trajecto Natação-Casa, adormece. Ainda pede colo numa última tentativa de me relembrar que é a minha bebé, mas como não tem sorte, lá vem a arrastar-se pelas escadas acima. Vem ela, e venho eu, mas no meu caso, deve ser mesmo uma questão de idade.

O som do gongo dourado ecoou na minha cabeça esta manhã

A minha filha apanhou o gato muito bem escondido, por sinal, no meu quarto, quando ele está proibido de lá entrar, e diz-me assim: "Mamã, encontrei o Xá no teu quarto. Deixastese-o entrar!" Oh Infortúnio, oh martírio, "por quem os sinos dobram", que pontapé no dicionário e trambolhão pela gramática abaixo demos nós logo pela manhã. Estremeci, suei, desfaleci e deixei-me cair pela parede abaixo. Mas sorri e corrigi a criança que, até fala muito bem para a idade que tem: "diz-se deixaste-o entrar" e ensinei um truque - sempre que vás dizer alguma palavra que termine em "tese-o", não digas, porque está mal. Alerta vermelho, tocam sirenes na cabeça e fechas a boca. Já aprendeu uma coisa nova hoje.

E como uma imagem vale mais do que certas palavras

Ora aqui está retratado na imagem o que me fez ter trocado a hora de almoço de hoje, pela busca de mimos para a pequena:

O que faz uma mãe que em vez de utilizar a hora de almoço para fazer o óbvio, ou seja, almoçar

Não tira a sua piolha rebelde da cabeça e decide ir à procura de mimos para o quarto dela!? Resposta: Sai da loja com um candeeiro-borboleta, de entre outras coisas e está a esta hora verde de fome. É muito recomendável continuar com esta postura. Mas só de imaginar o sorriso rasgado com que vou ser brindada logo à noite, vale a sensação de fraqueza. 

Li nalgum lugar e resolvi trazer para aqui

E para a minha vida!

O sabor agridoce do mês de Janeiro

Se por um lado é um mês que parece ter 100 dias em vez de 31 em que se sucedem contas para pagar e o dia de receber o salário parece que anda sempre uns bons passos à nossa frente, por outro, digam o que disserem, começa a cheirar a Primavera apesar das temperaturas agrestes e de ser o mês por excelência em que se regista o verdadeiro pico da gripe. E porque digo eu isto!? Porque quase sem nos darmos conta, os dias começam a ser maiores, assim, de mansinho, para que não nos apercebamos, mas são. Hoje, quando saí do escritório, ainda contemplei o lusco fusco, em vez da noite escura e densa do mês passado. Mais um ciclo se inicia...

E por falar em obras de arte

Esta é a minha :) #riquezadasuamae

Girls Night Out

Cada vez mais me faz imensa companhia, alinha em passeios, viagens, visitas e eventos. É uma miúda interessada, atenta, conversadora e com uma clara apetência para as artes - transborda arte. Em conversa com um amigo de quem gosto imenso e que para além de músico no sentido lato, é compositor, escritor e cantor, ao falarmos dela, dizia-lhe isto mesmo - que sinto que emana arte e que tenho pena de sendo apenas eu o motor da vida dela, não tenha o tempo suficiente para a lançar para esse mundo, gostando ela da música (piano e violino), da dança e da representação. Dizia-me ele que herdou isso de mim - nunca tinha pensado nisso, pois não me dediquei a nenhuma arte, mas de facto perco-me a contemplá-la, arrepio-me com algumas manifestações, emociono-me com coisas que muitos não entendem. Se isto é ter Arte em nós, então eu tenho. E nesta senda fomos ver ontem mais uma apresentação do Cirque do Soleil. Quanto a mim não tão espectacular como o que vimos há dois anos atrás, mas gostámos

Hoje é daqueles regressos ao dia-a-dia

em que mais parece que estive um ano fora. De facto, tinha vindo ao escritório pela última vez no ano passado, mas não exageremos. Algo que não me é comum: esqueci-me da Password de acesso ao sistema, a tentativa e erro não funcionou, acabei por bloquear tudo. Lá tive que ligar para o Help Desk que fica no outro lado do Atlântico, verificações de segurança para me poderem desbloquear aquilo e dar o novo acesso por telefone. Agora quero exportar um mero ficheiro de Excel com umas míseras 500 linhas....e não sai. Para a próxima só volto depois do Dia de Reis!

O apelo extremo ao consumo...depois dá mau resultado

Posso dizer que desde a tão afamada "Black Friday" não páro de receber sms e emails a dar conta de descontos milagrosos - dizem eles. E vou passar a enumerar por tópicos o que os leva aos tais descontos, pelo menos os que tenho recebido: Black Friday Ciber Monday Black Week Descontos de 50% em Cartão nos Brinquedos do Continente Descontos directos até 70% dos Brinquedos no Jumbo Pague 2 brinquedos/leve 3 do Pingo Doce ou Minipreço Descontos especiais nalgumas lojas pelo meu Aniversário que se estenderam até ao final do mês de Dezembro Pré-Saldos nalgumas lojas Saldos Semana sem IVA - Rádio Popular, etc. Haverá mais uns quantos de que não me recordo agora, mas dá para perceber que com esta amostra, ou uma pessoa de facto é moderada e se limita a consumir o que é de facto necessário, ou arrisca-se a ter uma penhora daqui a uns meses. Tanto apelo ao consumo começa a causar-me uma certa irritabilidade confesso.

Não sou nada dada a festejos de rua para celebrar a entrada no novo ano

Talvez um dia mude de ideias se for para os lados do Rio de Janeiro ou NY, mas pelo que sei a passagem de ano nos Aliados foi memorável. https://theworldnews.net/pt-news/tudo-sobre-a-maratona-de-4h40m-de-pedro-abrunhosa-nos-aliados-ainda-tinha-tocado-mais-o-ambiente-estava-eletrico?fbclid=IwAR2Pu19fNjGpe5R6A1m1xN7gXfEIl6pX-xjHVeL6x9TMfbk6fdkWA9eXwIo

O Regresso

E depois de uns dias de férias que faço questão de ter nesta altura, não tanto por mim directamente, mas para usufruir de mais tempo sem horários e stress com a minha filha que se tem dado ao luxo de acordar às 11 da manhã, vamos recomeçar amanhã a rotina que se impõe para ambas. Espero que estes próximos 3 meses corram o melhor possível, que consigamos alcançar as nossas metas, e peço sobretudo que venham uns tempos mais tranquilos, preciso mesmo disso. E como diz a velha máxima "para a frente é que é caminho", vamos embora, vamos nessa.

Para 2019...

Foi inevitável ir espreitar se tinha escrito algo em jeito de desejo ou profecia no início do ano passado e decidi começar este com um título semelhante. Como eu estava tão sombria e preocupada. Os reais temores que tinha, não passaram disso mesmo e de uma grande lição para a vida. Nunca pensei que certas coisas ocorressem apenas aos outros, mas existe sempre um je ne sais quois de invencibilidade no nosso intimo. Não, não somos nada disso, mas também temos golpes de sorte, verdadeiros prémios do Euromilhões sem nenhuma aposta. E agradeço - agradeço pela sorte que tive, agradeço por me terem acontecido muitas coisas boas, agradeço que parte das coisas que em certa altura julguei más, se terem revelado um tirar de quilos de chatices de cima, agradeço pela filha maravilhosa e obstinada que tenho, que cada vez me dá mais trabalho, mas que deixa não deixa de ser uma delícia e agradeço por tantas outras situações que guardo no coração à espera que desabrochem e que um dia me façam conc