Avançar para o conteúdo principal

Em choque

Quando sem querer é desvendada uma verdade cruel e nós não sabemos qual a atitude mais correcta a tomar:
  • Julgar/Criticar
  • Fingir que não sabemos de nada
  • Tentar ajudar uma pessoa que é doente e precisa de ajuda
Passo a explicar: há 2 dias, estava a almoçar com 2 colegas e estavam a contar-me que tinham visto na véspera uma reportagem na SIC acerca de um embuste iniciado no Facebook que tinha tido  como vítimas várias pessoas, entre as quais um indivíduo muito bem parecido por sinal que tinha "conhecido" uma suposta médica, manteve contacto com ela, mãe dela, amigas e amigos durante um ano, bom, até mais, porque ao fim de 1 ano a protagonista morreu e ele continuou a ser bombardeado pela família dela, amigos, etc. Tentou marcar encontros, mas nunca teve sucesso.

Apenas conseguiu falar com ela ao telefone e um dia recebeu a notícia da sua morte com um cancro. Existiram outras pessoas que também estavam envolvidas enquanto vítimas nesta teia, com direito a fotografias e afins. Episódios gravíssimos.

Hoje, o climax. Último episódio - todo o enredo foi criado por uma pessoa que não era quem dizia ser, não morreu e todas as pessoas que lhe estavam associadas (mãe, irmã, amigos) eram inventadas por ela, apenas porque….sim. Este indivíduo apaixonou-se pela ideia que fez dela, pela imagem que mostrava como sendo dela e quase 7 anos depois ainda sofre com os danos emocionais que ela lhe causou.

Ora bem, no fim do episódio de hoje, mostram uma breve entrevista com a Impostora, rosto esbatido e senti um calafrio - é minha amiga! De facto, quando conhecemos as pessoas, o rosto esbatido para protecção de identidade é desnecessário. Conheço-a há cerca de 7 anos, a verdade é que também já lhe conheci uns cancros, um braço do filho que estava para ser amputado mas que depois foi operado por um Guru da Ortopedia e melhorou, eu vi os raio-x. Reconheço alguns traços de personalidade, como a mania de tirar imensas fotos a tudo e a todos, o enaltecer as muitas amizades, algumas delas com figuras públicas do nosso panorama, histórias rocambolescas com o ex-marido que lhe queria bater de uma das vezes que supostamente lhe ia entregar o filho e eu com ela ao telefone e a sentir calafrios e a questionar se era preciso chamar a Polícia…

De uma das muitas cirurgias que supostamente fez, uns dias antes deu-me o número de telefone da mãe, porque era algo de risco e podia falecer, fiquei preocupada, liguei à Senhora, falei com ela - tendo em conta a história da SIC ela fazia coisas semelhantes com os personagens inventados e era sempre ela, pois tinha vários números e mantinha uma rede mirabolante.

Oh meu Deus, estou chocada, arrepiada. Porquê? A conclusão da reportagem é que o fez para ter atenção. Mas isto é doentio, maquiavélico, arrepiante.

Tenho que digerir. Aliás, esta semana estou a ver que vai ser dedicada à digestão de situações mirabolantes, dolorosas, e chocantes. Como é que pessoas de quem gostamos nos podem desiludir tanto. 

Que recaia sobre mim uma nuvem conciliadora porque estou transtornada, triste e com uma sensação de que também fui enganada e sofri coisas que não tinha que sofrer. Anda tudo doido. A Humanidade está doente :(

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.