Avançar para o conteúdo principal

A questão que se coloca. Portugal é um país racista?

Honestamente acho que é um país onde existe gente muito estúpida, como também existe gente inteligente e afins. Existem pessoas com cultura e instrução, como também existem grandes bestas quadradas. É o que é.

Se fosse tudo perfeito estaríamos no Céu.

Se houve carga policial excessiva no Bairro da Jamaica? Honestamente não sei; para se avaliar uma coisa dessas com justiça, creio que também deveríamos ter a oportunidade de analisar as imagens imediatamente anteriores à chegada das forças policiais e o início da sua actuação, porque de facto o que vi, foi uma autêntica rebaldaria, filmada ao bel prazer das potenciais vítimas.

Se se tratasse do Bairro ro Aleixo no Porto, que se a memória não me falha é habitado sobretudo por famílias de raça branca, estaríamos perante uma potencial carga policial excessiva mas não se falaria em racismo.

Que existem polícias que são verdadeiras bestas, também existem. Mas serem chamados a intervir e serem recebidos à pedrada, honestamente não me parece que também sejam pagos para isso. Se forem chamados e não aparecerem, também são maus, portanto estamos perante uma pescadinha de rabo na boca.

O que me parece é que as vozes do SOS Racismo e afins, e tenho todo o respeito pelo José Falcão, pessoa que até conheço pessoalmente, não devem empolar esta situação e permitir que alastre ao ponto a que chegou hoje, em que se destruiu uma esquadra em Setúbal, se pegou fogo a carros, etc., e analisar as situações a frio. Críticas pesadas em várias vertentes e não apenas à PSP, porque me parece que as "vítimas" deste caso, tão pouco devem gozar  desse estatuto.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Ando por fora dos temas take-away e junk-food

 Mas hoje a ocasião fez o ladrão. Consulta da miúda a acabar quase à 1 da tarde, não tinha preparado nada com a devida antecedência pelo que passei pelo McDonalds. Peço os menus eis se não quando a pessoa que me atendeu me diz que não há bebidas. Não há bebidas? Não estou a perceber. É que comer um junk-burguer sem uma bela Coca-Cola para facilitar a digestão, é obra. “Ah, com as novas regras do confinamento não podemos vender qualquer tipo de bebida!” Confesso que existem detalhes que nunca vou perceber. A pessoa pode comer mas nem uma gota de água pode comprar no local em que comprou a refeição. Não me faz muito sentido, para não dizer nenhum.