Avançar para o conteúdo principal

Como transformar algo de que não se gosta, num desafio

A miúda não gostava de praticar Educação Física e a verdade é que no 1º ano eu não dei grande importância. Foram algumas mudanças para ambas e como eu própria também não gostava nos meus tempos de estudante, não dei o devido enfoque.

No ano passado achei que era uma pena uma miúda com resultados tão bons a todas as outras disciplinas, ter sempre "Suficiente" a Ed. Física e o comentário "precisa de se esforçar um pouco mais".

A prática desportiva é de facto importante tanto ao nível físico propriamente dito, como também mental. A própria competição pode ser muito saudável desde que não seja desmedida e perder também faz parte do jogo.

No início deste ano lectivo resolvi ter uma conversa motivadora com ela; falámos acerca da escoliose dela e dos milagres que a prática de natação lhe têm feito. Do quão contente fica quando o professor lhe "dá mais cinco" por ter dado um mergulho perfeito, por conseguir controlar a respiração.
E então se replicarmos isto para outras áreas. Não se é obrigado a gostar de futebol, mas pode gostar-se de volley, ou de basquete. Pode-se gostar de ténis e não gostar de correr e gostar também de patinar. Devemos diversificar e não particularizar.

E que tal começares por tentar melhorar a cada dia um pouco mais!? Dares o máximo no que mais gostas e, mesmo não gostando de algumas áreas, em vez de fazeres contrariada, procurares pelo menos divertir-te? - disse-lhe eu. Vais ver que vais começar a sentir uma vontade cada vez maior de ires a essas aulas, de participar, competires, festejares as vitórias e rir das quedas!?

Não sei como isto lhe bateu, mas o facto é que a minha filha de repente começou a contar os dias para ter a próxima aula de Ed. Física, a mostrar vaidade pelo equipamento e, sobretudo, a ganhar um gosto por competir, participar e vencer.

Vai aos corta-matos, tem sido a primeira nas corridas que fazem frequentemente, salta à corda e gosta de assistir a jogos de futebol. Mudou radicalmente para melhor e o único "Suficiente" que aparecia na avaliação, deu lugar a um "Bom" redondo. Fico orgulhosa por ver que ela tem um grande desejo de vencer, de se superar a ela própria, mesmo quando já tinha alguns anticorpos. É uma lutadora esta miúda, espero que assim se mantenha porque a vida precisa que sejamos assim.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.