Avançar para o conteúdo principal

Memórias de uma mãe em modo megera

Como é óbvio, o início do dia numa casa com 2 meninas e apenas um WC não é propriamente uma tarefa fácil, ainda para mais quando cada uma de nós é demasiado zelosa com o seu espaço e intimidade, e onde não impera a democracia. A mãe fica sempre prejudicada porque:

  • Cada uma tem direito a usufruir do WC e tratar de si individualmente e com sossego - deveria ser assim, mas mesmo estando eu sentadinha na retrete, entra-me uma miúda por ali dentro, e a segui-la um gato e ficam a olhar para mim
  • Por mais que eu corra com eles, não tenho direito ao meu tempo na retrete
  • Saio a vociferar e digo-lhe para tratar do que tem a tratar, vou arranjar-lhe o pequeno-almoço e os lanches para a escola e, quando ela deixa por fim o WC, penso que vou ter finalmente direito ao meu tempo/espaço - tomo meio banho com água fria porque ela se lembrou de ir fazer alguma coisa à torneira do bidé; o eyeliner fica torto porque tenho que me afastar do espelho pois S. Excelência decide lavar os dentes na minha hora, e o cabelo fica mal seco exactamente pelo mesmo motivo
E ainda oiço:

"Oh mãe, saiiiiiiiiiii!"

Ultrapassados estes constrangimentos que hoje, não foram excepção lá saímos de casa, eu com a minha tralha do costume e ela, idem...pensei eu. Aproximamo-nos da escola e estava fechada devido à greve. Vamos a correr para o carro para a ir levar ao Colégio e, como esta cabeça tem que pensar em tudo, ainda levei marmita com almoço para ela já a antever que não haveria aulas.

Chego ao colégio, ela sai do carro de mochila às costas e lá lhe digo para deixar a mochila comigo. Nisto, vejo-a numa azáfama e alerto-a para trazer apenas a lancheira, porque a marmita do almoço já eu tinha.

Esbugalha os olhos, abre a boca com ar de santa e diz:

"Mãe, esqueci-me da lancheira em casa!"

Mas então, o que é que estavas a tirar agora do carro? - claro que eu já estava com mau feitio e vi logo que aquela sacola tinha história.

"É um saco com brinquedos!"

Ai é, quer dizer, eu preparo o lanche, coloco tudo à mão para trazeres, tu não trazes, fazes a mãe ir de novo a casa para não ficares sem lachar, chego atrasada ao escritório - porque a menina dá prioridade aos brinquedos!? Pois os brinquedos vão passear comigo de carro. Ponto!

E assim foi, vieram os brinquedos trabalhar comigo e eu sou bué da má!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri