Avançar para o conteúdo principal

"Quando a cabeça não tem juízo..."

"E tu te esforças mais do que é preciso, o corpo é que paga!"

E hoje, sinto-me literalmente assim. Todos os anos faço uma jura em como no ano seguinte vou tirar a segunda-feira dos Óscares de férias, porque gosto de ver aquilo e depois no dia a seguir é que são elas. Obviamente que não tiro, não vou desperdiçar 1 dia por isso, porque o compacto não presta, and so on, and so on.

A verdade é que às 3 da madrugada ainda estava eu a ver aquilo e porquê!? Sobretudo à espera do Bradley Cooper que é assim um Deus Grego do Olimpo, lindo, e sexy e tudo e tudo e tudo. E a imaginar-me no lugar da Lady Gaga, e da Irina e delas todas, porque um monumento daqueles não se vê todos os dias e a constatar que de facto existem mulheres de sorte, a Irina é uma delas e não é pelo facto de ter namorado uma série de anos com o CR - pode ser o melhor jogador do mundo, pode ser muito bom filho e irmão e muito generoso e podre de rico, mas charme, presença, dom da palavra e beleza não tem nada. Na verdade, não se pode ter tudo, mas é daquelas pessoas que nem que me cobrisse de platina, pois basta abrir a boca que...não faz de todo o género capaz de me fazer virar a cabeça.

Agora o Bradley Cooper, nossa Senhora. É que não lhe mudaria nada. E como tenho olhos na cara, acho mesmo que o casal Irina/Bradley fica bem um para o outro. São os dois lindos de morrer.

E eu, aqui estou a sentir um peso na cabeça enorme, mal disposta e a ter que dar formação - outra, não marcar uma formação para o dia a seguir aos Óscares. É que já não tenho 20 anos, isto já começa a pesar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri