Avançar para o conteúdo principal

A miúda tem fé

Ora aqui está uma virtude em que não sai à mãe, de todo. Ontem quando a fui buscar lá lhe perguntei como lhe tinha corrido a ficha de avaliação, ao que me responde:

"Acho que vou ter Muito Bom!"

"Olha lá, não aumentes a fasquia, porque se tens uma nota mais baixa, ficamos tristes" - disse-lhe eu.

Mas foi o mesmo que não ter dito nada, pois manteve o prognóstico.

Lembro-me de nos meus tempos de estudante manter um singelo "mais ou menos" - assim não criava grandes expectativas para mim e para a minha mãe. E, curiosamente a única vez em que vinha vitoriosa foi no dia da Prova Específica de Filosofia. Era a minha disciplina preferida, ainda equacionei seguir essa área, e só não o fiz porque a minha mãe me tirou essa ideia da cabeça. "Vais fazer o quê com uma licenciatura em Filosofia?"

Pois que saí da prova a exultar que tinha sido no mínimo brilhante e quando saem as notas, levei o baque da minha vida, tanto que, 24 anos volvidos, ainda me recordo como se fosse hoje. Tirei uns míseros 51% e talvez tenha sido a primeira grande desilusão da minha vida.

Ou talvez não, porque percebi aí que tinha o dom de saber fundamentar muito bem as minhas ideias e, mesmo contra a vontade da minha mãe que se recusava a aceitar que eu tinha razão e começou a martirizar-me que eu só tinha feito disparates e que com aquele resultado estava a ameaçar o meu ingresso no Ensino Superior (o que era um perfeito disparate, dada a média que eu tinha e os resultados das outras provas), enchi-me de coragem e pedi revisão de prova.

Não obstante o facto de me terem subido a nota (nunca equacionei sequer que não me dessem razão), serviu-me de emenda e voltei ao anterior registo, ou seja, manter a expectativa no "mais ou menos".

Mas ela é obstinada e continua a teimar que vai ter M. Bom. Veremos :)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.