Avançar para o conteúdo principal

Rico é aquele que tem capacidade para dar afectos

Hoje recebi uma das mensagens da minha vida; talvez seja das coisas mais bonitas e sentidas que me foi endereçada até hoje e, embora ainda não tenha respondido linearmente à mesma, creio que o meu comportamento perante quem ma enviou, lhe deu origem, o que me reconforta bastante.

"Não te mando apagar a luz, nem peço um pedaço da manta, nem desejo bons sonhos, mas todas as noites te envio um beijo e dou-te um daqueles abraços fortes. Beijo doce, muito muito doce para ti."

Porque é que o ser humano em geral profere palavras em vão, não sentidas, quando não sabe sequer o que são afectos!?

Porque é que o ser humano gosta de receber atenção, carinho, tempo, dedicação, mas quando chega a altura de retribuir, opta por não o fazer!?

Como é possível gostar que o outro esteja lá para si, seja em termos de amizade ou algo mais, mas quando o outro precisa de uma palavra, de um cuidado, de alguma consideração...se está tão focado no seu umbigo, que se pisa o outro, humilha-se, e fá-lo sentir-se o pior ser do mundo.

Sim, já passei por isso e infelizmente, mais do que uma vez. Tornou-me numa pessoa pior? Não consigo. Tentei é certo, mas não consigo. Já passei por isso com amigos(as), com pessoas com quem me relacionei afectivamente e perguntei-me muitas vezes porquê. E percebi que as respostas para essas questões...não existem de uma forma objectiva. Falta de Inteligência Emocional nalguns casos, estoico egoísmo noutros, má formação moral, maldade, sadismo e predação emocional. Sim, existem autênticas sanguessugas que se alimentam dos bons sentimentos dos outros para se sentirem vivos, abraçam-nos como uma jiboia para nós nos sentirmos aconchegados, comprometem-se connosco como se de pagadores de promessas se tratassem e, depois, quando o conseguem dão o golpe final e revelam-se. Muita gente passa por essa desilusão o que faz com passemos a ter pouca fé nas pessoas em geral.

Mas não deixemos que isso nos tolde, nos retire a nossa verdadeira essência, nos entristeça, porque se alguém não consegue retribuir afectos, ou se consegue dá-los de uma forma perversa enquanto busca algo em troca e quando o atinge, revela a sua verdadeira e má essência - essas pessoas nunca serão boas para nós. São toxicas, perigosas e amorfas de sentimentos no geral.

Por outro lado devemos valorizar o verdadeiro afecto, aquele que vai muito além de meras palavras que se proferem quando se quer algo em troca. Quem está connosco mesmo quando não está, quem se preocupa connosco mesmo que seja a pessoa mais ocupada do mundo, quem nos diz uma palavra amiga quando nós ou os nossos filhos estão doentes, quem sabe que não estamos bem, mesmo sem ser preciso o dizermos, quem nos dá o ombro quando precisamos de chorar, quem nos ouve quando precisamos de gritar as nossas dores. A vida revela-nos quem está aí para isso e quem não está e cada vez mais acredito que não devemos perder o nosso tempo com quem apenas existe para isso, para nos fazer perder o nosso tempo.

E, num dia que teve início de uma forma tão irritante, valeu ter alguém que me fizesse sentir que está lá, tal como eu também estou. Obrigada, foi das coisas mais bonitas que me disseram nos últimos anos sabendo eu que...é mesmo verdade. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.