Avançar para o conteúdo principal

Singularidades da Insularidade

Confesso que quando trabalhei pela primeira vez directamente com pessoas dos arquipélagos da Madeira e Açores, refiro-me mesmo a locais, a experiência não foi muito positiva.

Andei ali uns anos com algumas dificuldades, porque queria avançar, estabelecer procedimentos e formas de fazer as coisas e chegava a um ponto em que não saía do mesmo lugar.

Resumindo, optei pela saída de que não gosto, mas neste caso mais produtiva e zen - se não os podes vencer, junta-te a eles.

São pessoas espectaculares, muito hospitaleiros, simpáticos, mas definitivamente os métodos de trabalho são bem diferentes dos que temos aqui no continente. Somos mais stressados, temos prazos a cumprir e levamos isso mais à risca, ou talvez de uma forma mais radical do que eles.

Lá, as vaquinhas ainda se cruzam connosco na rua, têm-se duas horas de almoço, há tempo para tudo...por isso, quando nós começamos com as urgências, quem se enerva continuamos a ser sempre nós.

Um beijinho para os "meus Insulares"!

Comentários

Anónimo disse…
Que giro, eu tenho uma ideia diferente, porque os madeirenses que conheci trabalhavam mesmo bem, muito focados e com ritmo.
Boa semana!
Brown Eyes disse…
Ou tu tens sorte, ou eu tenho azar, a sério. Ainda hoje a saga continuou. Tudo com muita calma, muito devagarinho....eu já me dá vontade de rir.

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri