Avançar para o conteúdo principal

Fases inerentes ao crescimento

Não me cansarei jamais de repetir que amo a minha filha acima de qualquer pessoa; no mesmo patamar estão a minha avó, a minha mãe e a minha irmã, mas qualquer uma delas com um modo de amar completamente distinto.

A Bébécas é um ser humano que eu gerei, que eu "fiz", que eu pari, a quem eu dei a vida e por quem eu dou a minha vida sem sequer pensar meio segundo.

Olho para ela e ao mesmo tempo que parece que já se passaram "anos", volto a relembrar os nossos primeiros momentos juntas, o tamanho dela quando nasceu, a forma como encaixava no meu peito a mamar, aquela simbiose dos primeiros meses.

Quando ainda andava no "Ovo" custava-me um bocadinho, não só pelo mau jeito, como pelo peso; cedo passei a transportà-la para casa ao colo e pensava: "bem, quando ela começar a andar vai ser bem mais fácil para mim".

Os amigos diziam que, se por um lado, eu depois iria sentir muitas saudades da época do "Ovo" e situações inerentes, por outro, o facto dela começar a andar não era sinónimo de que o quisesse mesmo, sobretudo nas ocasiões em que tal seria imperioso.

E comprovo que tinham toda a razão; nos primeiros dias a subir escadas com ajuda (o que ainda tem que ser, como é óbvio) era vê-la toda feliz com a conquista; demorávamos quase 15 minutos até chegar ao nosso 3º andar, mas ela vinha toda orgulhosa.

Quando deixou de ser novidade, regressámos às origens; quer dizer, mas ultrapassamos a entrada no prédio, olha para mim com a cabecita toda torcida, estende os braços e....surprise.....Qué Cóóóóóóó!!!

Confesso que quando venho carregada com compras, mais os meus saltos altos e tudo, me custa um bocadinho, mas depressa esse cansaço se desvanesse, tal não é o prazer que me dá senti-la ainda assim...bebé.
E quando ela me agarra e dá beijinhos bons, e quando me abraça, e quando corre para mim a dizer mamã, e quando me faz festinhas e quando se deita em cima de mim...todos estes actos que eu como mãe adoro, um dia deixarão de fazer parte do nosso quotidiano, ela vai chegar à altura em que já não está para aturar pieguices e então, eu aproveito tudo o que posso agora, porque daqui a muitos anos, por muito cumplices que sejamos, estes nossos momentos apenas vão figurar na minha memória, por isso os vivo com tanta intensidade.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.