Avançar para o conteúdo principal
Hoje, Dia da Mãe, acabada de chegar a casa e ver uma reportagem na SIC relativa à iniciativa que a Câmara de Lisboa teve ao oferecer à primeira criança nascida hoje na MAC cuja família tem dificuldades económicas, olhar para a televisão porque a voz que falava me era familiar e ver o Dr. C. Barros que foi um dos clínicos que participou na equipa que me fez o parto da Rita...foi uma delícia.

Vi aquele homem várias vezes naquele dia 04 de Julho de 2010; ao princípio muito descontraído e meiguinho comigo, ao fim de cerca de 13 horas já ele próprio denotava um relativo stress e preocupação.

Eu olhava para o CTG e via que o batimento cardíaco da bebé estava normal, mas a minha preocupação era extrema; e ele, tal como todos os outros, entre os quais a Dra. Inês tranquilizavam-me, a bebé estava óptima, mas às tantas ele próprio respondeu-me que o motivo da preocupação dele era eu própria.

...lembro-me que nessa altura disse que se tivessem que "salvar" alguém que fosse a bebé, que não se preocupassem comigo, pois as minhas forças tinham-me abandonado completamente e por momentos eu própria achei que algo ia correr muito mal...e chorei, um choro silencioso e das últimas coisas que disse antes deles terem conferenciado acerca do que iria acontecer a seguir foi...eu não consigo mais.

E o Dr. C. Barros olhou para mim com todo o carinho e disse apenas: não chore minha querida, de facto não consegue mas nós estamos aqui para dar uma ajuda.
Aí o meu batimento cardíaco reduziu um pouco, tive desmaios, puseram-me oxigénio, enfim, dei comigo a ser encaminhada para o bloco cirúrgico, houve um atraso de escassos minutos por parte do anestesista (que também foi um médico excepcional) e lembro-me daqueles últimos momentos, de sentir frio, medo, de me sentir só e de pensar que não ia ver a minha bebé....entretanto vieram os fórceps, o bloco cirúrgico cheio de médicos, correram com as enfermeiras....não sei quanto tempo passou, mas quando dei por mim estava a ser mimada e acarinhada e todos eles me davam os parabéns, que estava a ser uma heroína e que a minha Bébécas era linda.

O Dr. C. Barros e todos os outros a acariciarem-me, e eu a agarrar nas mãos dele e a agradecer tudo o que tinham feito por mim e pela minha filha; foi um momento muito doce, muito terno que jamais esquecerei.

No fim diz-me o Dr. assim: foi de facto uma heroína, foi um parto muito complicado, mas acabou em bem e dê também um beijinhos àquelas duas minhas colegas que fizeram tanta força como a minha querida para que tudo corresse bem.

Tenho os rostos deles todos gravados na minha memória e no dia de hoje, ligar a televisão e vê-lo assim, inesperadamente fez-me sentir que há de facto qualquer coisa de muito grandioso por detrás da nossa existência.
Depois do dia maravilhoso que tive hoje ver uma das pessoas que contribuiu para o nascimento da minha filha, foi dos maiores presentes que eu poderia receber.

Bem hajam!

Comentários

Anónimo disse…
Que bom que correu bem. É tão bom ter-te cá ao mesmo tempo que eu. Beijinho, feliz dia da Mãe!
Brown Eyes disse…
Muito obrigada! Foi um dia fantástico de facto...mas no fundo dia da Mãe é todos os dias em que temos a felicidade de olhar para as nossas crianças :)
Bj grande para ti

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.