Avançar para o conteúdo principal

"Pati"

Com alguma "pena" a minha Bébécas para além de ser um pouco desastrada, estraga muito os brinquedos.

Tanto que alguns, ainda estão dentro das caixas guardados para ela os saber valorizar quando tiver mais algum discernimento, pois o melhor entretém dela é atirar tudo ao ar, e rir-se quando as coisas caem no chão.

O Newton no seu tempo também achou piada ao movimento da queda, e daí as suas brilhantes teorias relativas à lei da gravidade.

Talvez tenha alguma apetência para a Física, nunca se sabe.

Mas o comportamento repete-se, repete-se, repete-se...quando são bonecos não-rígidos o problema não é grave, embora eu a vá corrigindo, quando são os pianos, cavalo de baloiço, rocas e afins, a coisa muda de figura. O barulho é assustador, os meus mosaicos não sei se aguentarão tamanha agressividade e os próprios brinquedos, tão pouco.

Agora sempre que cai alguma coisa mais estridente vem ela muita aflita a dizer "Pati mamã".

E lá vou eu tentar consertar os estragos, nem sempre com muito sucesso. Tento fazê-la entender que ao nºao ter cuidado com os brinquedos depois fica sem eles, e os que são estragados por má utilização a mamã não pode voltar a comprar.
Continuo a fomentar a honestidade, quero que ela continue a dizer "Pati mamã" é preferível do que entregar-se à mentira e omissão que são dos piores defeitos que eles podem desenvolver.

Opto portanto por não fazer cara feia, digo-lhe para ter mais cuidado porque os bonecos ficam tristes com o dói-dói e ficam doentinhos e depois não podem fazer companhia à Bébécas.

Espero que resulte e que daqui a uns anos não haja mentiras e coisas escondidas :)

Comentários

Suse disse…
Ahaha "pati" que coisinha fofa :D, mas acho que os miúdos até certa idade acham mesmo piada a mandar as coisas ao chão. Isso há-de passar-lhe, até para o bem da saúde dos brinquedinhos dela! :D
Brown Eyes disse…
Pois, porque no fundo ela tem a noção dos estragos e que "patiu"; mas não tem emenda.
Num destes dias estavamos a cerca de 3 metros de distância uma da outra, ela atirou um lego, não com intenção de me acertar, mas que me acertou mesmo na testa!?
Eu não sabia se havia de rir, se havia de ir ver se tinha um galo!

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.