Avançar para o conteúdo principal

Quééééééééééé!!!!!!!!

A minha filha agora aprendeu a proferir com todo o vigor este som, e não há quem a convença ou dissuada de o fazer.

Não fosse eu conhecê-la ainda melhor do que à minha própria sombra, seria difícil de a contentar, mas em 98% das vezes e dados os contextos identifico claramente o que ela quer.

Na maior parte das vezes tem sorte, nas outras tem que se contentar com um "mas eu não dou", porque lá em casa, ou se cumprem as regras ou temos o caldo entornado.

Ontem ao deitar houve drama, daqueles com lágrimas a sério; lá utilizou a variante do "quééééééé cóóóóóóó"; armei-me em dura e nada; bem, segui a outra estratégia dos 5 minutos. Bem, a mamã pega na Bébécas 5 minutos (e atenção que já está a contar) e depois...cama!

Não sei quantos minutos passaram, sei que os beijinhos, os abracinhos, as festinhas e os carinhos foram bons, muito bons; lá lhe disse, prrrrriiiim, os 5 minutos acabaram filhota, agora vamos fazer o combinado.

Deitou-se, fizemos o nosso ritual mímico do costume e lá ficou.

Comentários

Anónimo disse…
Tão giras!

(Um dia, quando ela tiver 13 ou 14 anos, vem aqui ler este post e depois escreve um novo, só para balanço. :P)
Brown Eyes disse…
Da maneira como isto está nessa altura deve ser ela a parar à entrada da Prada ou alguma coisa do género e eu a arrastá-la para os lados da Alameda da Universidade e a dizer: pois, sabes o que tens a fazer, certo!?
A mãe dá-te a cana e ensina-te a pescar, o resto é por tua conta ;-)

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri