Avançar para o conteúdo principal

Juras para que vos quero

Já tinha prometido a mim mesma que ir às compras de supermercado com a Bébécas era algo a evitar, senão mesmo proibido.

Pois que hoje não me estavam a apetecer as soluções de recurso, também só precisava de coisas básicas portanto lá fomos nós; a primeira má ideia começou ao não a ter posto no carrinho dela; estar a tirá-lo da bagageira, abrir, colocar os cintos, não estive para isso, até porque só iria trazer meia dúzia de coisas.

Mal nos afastámos do parque do estacionamento começa ela de braços esticados: "Có.....có....", que é como quem diz "colo".

Lá lhe peguei, mas quando cheguei ao supermercado, a ter que escolher as coisas de cada vez que eu fazia o gesto de a pôr no chão, ela agarrava-se a mim tipo koala e nada de chão. As minhas costas já estavam a acusar que estávamos a chegar ao limite e ela, nada de querer chão; e depois pedia beijinhos e tal, para amolecer ainda mais o meu coração de mãe.

Lá fomos para a fila, lá nos cederam passagem e o que posso dizer é que cheguei a casa mais morta do que viva.

E penso assim, daqui a 3/4 anos, já ela não quer o meu colinho, portanto eu mesma é que tenho que aproveitar!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri