Avançar para o conteúdo principal

Mas onde é que a Bébécas escondeu a chave do carro??

Fiz esta pergunta ontem vezes sem conta e já nem sabia o que fazer à minha vida.

De facto vi-a com a chave na mão e fiquei com a nítida sensação que lha tinha confiscado, mas pelos vistos não. Porque quando me dirigi ao sítio onde repousa a chave do carro ela não estava lá.

Corri a casa toda, fui aos caixotes do lixo, atrás do sofá, debaixo dos móveis, na cesta dos brinquedos e nada; já estava a avariar da cabeça; tenho a chave suplente, pode sempre mandar-se fazer outra, mas quer dizer, estas coisas custam dinheiro.

Bem, entrei pé ante pé no quarto, porque a tinha deitado há cerca de 15/20 minutos aproximei-me da caminha dela e ela: "olá", do género, estou a ver-te!

Peguei na criança, com calma e tal, luvinhas de lã para ela não se "assustar", tom de voz o mais baixo possível e lá lhe perguntei:

 - Filhota, onde é que o bebé pôs a chave do pópó da mamã?

E ela a olhar para mim com cara de formiga a olhar para um palácio.

E eu repetia:

Brrrummmm, brrrummmm; a chave filha, a chave do pópó da mamã. Ao mesmo tempo fui buscar as chaves de casa e fiz o jeito de estar a pôr a chave na ignição e o motor a trabalhar.

Entretanto coloquei-a no chão e continuei com as minhas indagações.
Então não é que ela com a maior das descontracções começa a andar corredor fora, entra na sala e põe-se a olhar para a porta da sala, do lado de dentro; caiu-me tudo, pois raciocinei ainda sem ter visto a dita chave.
Pois que a chave estava na ranhura da fechadura da porta da sala.

Ele com o seu ar cómico lá deambulou de fralda a dar a dar, com um ar muito empertigado do género:

 - Oh mamã, então tu não vias logo que a chave estava ali!!!

Bem, escusado será dizer que tive mais um pretexto (como se eu deles precisasse) para a encher de mimos.

É ou não é um encanto!?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri