Avançar para o conteúdo principal

Hoje é um dia triste - Perdi o Benjamim

Já aqui falei no meu Benjamim algumas vezes; o Benjamim é um menino que eu adoptei/apadrinhei ainda antes de engravidar da Bébécas.

Fi-lo através de uma ONG, a Helpo e desde que tomei essa decisão fiquei a sentir-me muito bem comigo mesma e ficava enternecida sempre que recebia notícias dele, as cartas, os desenhos e as fotografias.

O Benjamim vive em Moçambique, em Pemba, é um menino muito pobre e a minha principal demanda foi tentar proporcionar-lhe uma vida melhor, possibilitar-lhe a ida à escola, vacinas e a esperança de que o dia de amanhã poderia ser sempre melhor do que o dia que passou.

Na última carta que recebi dele, já depois do Natal, apercebi-me que a capacidade de desenhar melhorava a olhos vistos, a fotografia dele mostrava um Benjamim mais confiante, limpinho e até mais gordinho do que era habitual; ficava babada e ansiosa por receber novidades de lá...

Já tinha programado na minha cabeça que, caso tivesse condições económicas favoráveis, dentro de 2 anos iria a Moçambique com a Bébécas para lhe mostrar não só o Benjamim, como as condições em que crianças como ele vivem; tentar incutir-lhe desde cedo bons valores e um espírito solidário para com quem tem tão pouco.

E lembro-me que a minha infância foi difícil, a minha mãe lutou bastante, mas ao pé de crianças como o Benjamim fui extremamente bem afortunada; no fundo não me faltou nada mais do que os luxos que muitos tinham e a minha mãe não me podia proporcionar, tendo sempre em mente o dia de amanhã.

Hoje pela manhã recebo uma chamada da Helpo, todos os que trabalham nestas instituições são formidáveis, a pessoa que me ligou começou assim a falar com muita calma, se eu lhe podia dispensar uns minutos para falarmos acerca do Benjamim e confesso que pela forma como ela falou eu gelei...e temi o pior.

E foi mesmo o pior que ela teve que partilhar comigo; o meu Benjamim faleceu no sábado passado, dia 05/05/12, dia que jamais esquecerei pelos piores motivos.

É impressionante os afectos que conseguimos ter por estas crianças, foi uma dor dilacerante no peito que senti ao saber que o meu afilhado faleceu do outro lado do mundo e eu não pude fazer nada, não pude conhecê-lo, não pude agarrar na mão dele para ele partir em paz e com o sentimento de que era tão importante para mim.

São momentos tristes os que estou a viver, perdi um menino adorável, um menino em quem eu depositei tanta fé no sentido de ter um futuro melhor; ele tinha uma saúde frágil, eu soube-o desde o início e calculei qual fosse a enfermidade que o minava, mas ele estava tão bem entregue, tão cuidado, com tão bom aspecto, que não esperava por um desfecho e uma injustiça destas.

Vou guardar com todo o carinho tudo o que tenho relativo ao Benjamim, as fotografias, os desenhos, a evolução dele, um dia quero contar à Bébécas tudo o que me ficou na memória desta aventura e deste amor à distância e posso dizer que o legado do Benjamim no meu coração é a certeza de que ele veio parar até mim por algum motivo especial, que esteja ele onde estiver sinta que foi muito importante saber que fui útil, que ajudei a que ele tivesse uma vida melhor e que apesar de estar a sofrer pela precoce partida dele, me reconforta o facto de ter podido mudar para melhor os últimos 3 anos da vida dele.

E em sua memória também já me disponibilizei para apadrinhar outra criança com necessidades tão importantes como as do Benjamim - e será sempre a pensar nesta criança que participarei em tudo o que estiver ao meu alcance para mudar a vida de tantas outras.

Até sempre meu menino; até sempre Benjamim.

Comentários

:( é de louvar a tua atitude, e podes sp viver c a certeza de q ajudaste a proporcionar uma vida melhor a um menino que tanto necessitava... assim cm partilhas da minha alegria, eu hj tb partilho da tua perda... e tristeza. Aí tens uma estrelinha que brilhará para vos guiar...
Brown Eyes disse…
Obg pela força. Foi de facto uma notícia que me deixou triste e abalada.

Um beijinho grande
É em casos como esses que nos sentimos verdadeiramente impotentes, pois se até as crianças que são apoiadas morrem assim, o que acontecerá aos milhares que nada têm? Uma beijoca.
Anónimo disse…
Só vi agora, querida Brown Eyes. Lamento tanto o teu menino. Muito obrigada por lhe teres dado a vida que mais ninguém deu. Um abraço forte. Beijinho
Brown Eyes disse…
Muito obrigada a tod@s pelas palavras e pelo vosso carinho.
Estou basicamente em estado de reflexão, triste pela morte precoce dele, mas ao mesmo tempo sinto que ao longo destes quase 3 anos em que fui madrinha dele, ele teve acesso a coisas que não teria e provavelmente talvez não sobrevivesse todo este tempo.
Ontem vi fotografias dele, a última carta, o desenho...eu achava imensa piada porque nos desenhos dele aparecia sempre um helicóptero e umas quantas galinhas.

Enfim, ficam as lembranças.
eu disse…
Que notícia triste. A morte de uma criança é daquelas notícias que não se consegue processar... Ainda bem que pelo menos o Benjamim pode contar com o teu afeto para lhe proporcionar uma vida um pouco melhor.
Um beijinho*

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.